Se não há maturidade, melhor nem começar

Se não há maturidade, melhor nem começar

Atualizado: Terça-feira, 10 Março de 2009 as 12

A vida sentimental do cristão talvez seja um dos assuntos mais debatidos dentro das igrejas. A fase inicial de um relacionamento entre um homem e uma mulher cristã, definitivamente, aborda uma série de precauções na escolha, antes de se dizer o sim.

Alguns jovens acham um exagero se avaliar tantos quesitos antes de um namoro, quando não há, em um primeiro momento, a intenção de casar. Ora, é claro que uma pessoa sensata não vai começar a fazer um enxoval de casamento no primeiro mês de namoro, pois em tudo na vida existe uma caminhada. Mas daí a banalizar uma escolha, sem se quer ter a visão de que aquela pessoa pode vir a ser seu futuro marido ou esposa só demonstra despreparo e imaturidade para começar um namoro.

Infelizmente, nos dias atuais existem muitos líderes despreparados para orientar seus jovens dentro das igrejas. É certo que não se pode estabelecer uma idade padrão para alguém começar a namorar. A maturidade está ligada a vários fatores como criação, educação e experiência vividas. Existem, porém, alguns detalhes que deixam claro se o jovem tem ou não condições de começar um namoro sadio.

A condição preliminar certamente é a independência na vida espiritual. Se o rapaz ou a moça tem uma vida sem compromisso com Deus, se os pais ainda precisam cobrar a leitura da Bíblia, um jejum de santificação, buscar a presença de Deus ou até mesmo a devolução do dízimo, certamente, esse namoro trará dor de cabeça e muito aborrecimento. Onde não abunda o Espírito Santo, superabunda a carne.

Deus deu ao homem e à mulher o desejo, a libido. Colocou órgãos genitais diferentes em cada um deles. Criou hormônios, que atuam na área da sexualidade como testosterona nos homens e estrógeno nas mulheres. Uma quantidade de vasos sanguíneos imensa que armazenam uma grande quantidade de sangue para aumentar a sensibilidade nos órgãos de ambos. Em suma, Deus criou prazeres de amor para que juntos pudessem desfrutá-los sem medidas. Só determinou uma condição chamada "MATRIMÔNIO".

Se alguém, porém, se casar com o único objetivo de ter relações sexuais, certamente será infeliz pelo resto da vida. Um casamento compreende um conjunto de coisas, como cumplicidade, amor incondicional, compreender um ao outro cedendo e abrindo mão de inúmeras coisas.

Durante o namoro, o casal tem tempo para se conhecer e obter a aprovação de Deus. Nessa fase, irão decidir se querem realmente um compromisso mais sério. A segunda fase é o noivado, que confirma diante da igreja a decisão que tomaram, assumindo este compromisso publicamente. Ser noivo significa afirmar que já fizeram uma escolha definitiva e que desejam se casar. Se na sociedade não existe mais o noivado por causa da falta de compromisso, na igreja ele é mantido até os dias de hoje por causa do testemunho cristão. Pois Deus não muda!

veja também