MENU

Israel

Arqueólogos exploram segredos de Sodoma e Gomorra, incluindo a estátua de sal

Um arqueólogo e 21 especialistas de 19 instituições de pesquisa avaliaram os restos mortais e objetos de Tall el-Hammam, no Mar Morto.

Fonte: Guiame, com informações do Religion NewsAtualizado: segunda-feira, 2 de maio de 2022 13:56
Projeto de Escavação de Tall el-Hammam, um antigo assentamento perto do Mar Morto, no oeste da Jordânia. (Foto: Tall el-Hammam Excavation Project)
Projeto de Escavação de Tall el-Hammam, um antigo assentamento perto do Mar Morto, no oeste da Jordânia. (Foto: Tall el-Hammam Excavation Project)

Arqueólogos afirmam ter encontrado evidências de um evento apocalíptico Tall el-Hammam, um antigo assentamento perto do Mar Morto.

Eles relatam telhados derretidos, cerâmica desintegrada e padrões incomuns nas formações rochosas que podem estar associados ao calor intenso. O local ficou adormecido entre três a seis séculos depois de 1650 aC.

Para Steven Collins, o principal arqueólogo de Tall el-Hammam, as evidências dos cientistas em um artigo publicado no ano passado na respeitada revista científica Nature, mostram que a incineração combinava com o local e o momento do relato bíblico de Sodoma e Gomorra.

Nenhum um justo

Uma das histórias mais conhecidas da Bíblia e relatada no Antigo Testamento, Sodoma e sua cidade irmã Gomorra, foi destruída por Deus por sua promiscuidade.

 Em Gênesis, Abraão barganha com Deus para poupar Sodoma - sinônimo de pecado - para salvar seus poucos moradores justos, inclusive seu sobrinho Ló que morava na cidade com sua família.

Durante a fuga do local, a mulher de Ló é transformada em estátua de sal, após desobedecer a orientação dos anjos de Deus para ninguém olhar para a cidade enquanto estava sendo devastada.

Mas o livro relata que Deus aceitaria a proposta de Abraão caso tivesse apenas um justo, mas por não haver Ele acabou destruindo as cidades do pecado: “Então o Senhor fez chover enxofre ardente sobre Sodoma e Gomorra”.

Abraão foi testemunha da ação dos anjos enviados por Deus para olha para trás queimar Sodoma e Gomorra, quando olha e vê “fumaça densa subindo da terra, como fumaça de uma fornalha”.

Reitor da Faculdade de Arqueologia da Trinity Southwest University, Collins liderou 21 especialistas de 19 instituições de pesquisa que avaliaram os restos mortais de Tall el-Hammam. Eles concluíram que a natureza da destruição sugeria uma enorme explosão aérea ou cometa.

“A explosão aérea proposta foi maior do que a explosão de 1908 sobre Tunguska, na Rússia, onde um bólido de 50 m de largura” – um meteoro que explode no ar – “detonou com 1000 vezes mais energia do que a bomba atômica de Hiroshima”.

Destruição incomum

Os estudiosos também alegaram que a “matriz de destruição”, que eles colocaram por volta de 1650 aC, “é altamente incomum e atípica de estratos arqueológicos em todo o antigo Oriente Próximo”.

A destruição de Sodoma e a mulher de Ló transformada em estátua de sal. (Montagem Guiame / Imagens novela Gênesis RecordTV)

A devastação ocorrida era diferente da causada por terremotos ou guerras, pois apresentava cacos de cerâmica com suas superfícies externas derretidas em vidro, algumas borbulhavam como se fervidas, e derreteram tijolos e gesso de construção, sugerindo algum evento desconhecido de alta temperatura.

Objetos da vida cotidiana, pedaços carbonizados de vigas de madeira, grãos carbonizados, ossos e paralelepípedos de calcário foram queimados até obter uma consistência semelhante a giz, eles dizem.

Controvérsias

Mas no mês passado Steven Jaret, pós-doutorando do Museu Americano de História Natural, e R. Scott Harris, cientista espacial do Fernbank Science Center de Atlanta, desafiaram essas conclusões dos 21 acadêmicos, também da Nature, basicamente sugerindo que o grupo de Collins processos de fundição e cerâmica comuns confusos com o calor de uma explosão de ar.

James Hoffmeier, professor emérito de arqueologia do Oriente Próximo e Antigo Testamento na Trinity Evangelical Divinity School, declarou em uma entrevista com Religion News Service que "Certamente levanta suspeitas quando um arqueólogo faz afirmações dramáticas como 'este local é a Sodoma Bíblica' e essa pessoa não é credenciada como esperamos".

Em comentários ao RNS, Collins defendeu sua tese observando que a maioria dos 21 autores que publicaram o artigo são colegas cientistas que trabalharam “seis anos” para produzir suas descobertas.

Ele reiterou sua concordância com as descobertas dos autores do artigo original, dando um passo adiante para afirmar que é uma evidência segura do relato bíblico da queda de Sodoma. Em um de seus muitos videoclipes, ele afirma estar atravessando o portão de tijolos de barro da cidade: “Agora estamos entrando em Sodoma!”

Collins ganhou força, pelo menos na mídia, e alguns cientistas e alguns estudiosos da Bíblia estão dizendo a ele para continuar procurando. Tall el-Hammam, a maior cidade conhecida de sua época na região, é a melhor candidata que surgiu.

Siga-nos

Mais do Guiame

O Guiame utiliza cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência acordo com a nossa Politica de privacidade e, ao continuar navegando você concorda com essas condições