MENU

Israel

Filha de pastor ensina Isaías aos judeus ortodoxos: ‘Adoramos o mesmo Deus’

Shelley Neese faz pós-graduação em universidade de Israel, onde montou um grupo de estudos com judeus e cristãos sobre os profetas do Antigo Testamento.

Fonte: Guiame, com informações do JPostAtualizado: quarta-feira, 13 de abril de 2022 11:51
Shelley Neese estuda na Universidade Bem Gurion, em Israel. (Foto: Arquivo pessoal)
Shelley Neese estuda na Universidade Bem Gurion, em Israel. (Foto: Arquivo pessoal)

A Universidade Ben-Gurion, em Israel, foi escolhida por Shelley Neese para fazer sua pós-graduação. Em muitos programas do curso, cristãos podem aprender a Torá, a Bíblia dos judeus, mas o que foi escolhido por Shelley é o único em que os papéis são invertidos.

Filha de um pastor da Louisiana, nos EUA, Shelley está ensinando os livros dos profetas do Antigo Testamento a um grupo de cristãos e judeus ortodoxos para “crescimento mútuo”.

“Quando cheguei ao portão do meu avião de Frankfurt para Tel Aviv, havia um monte de judeus religiosos rezando em hebraico”, disse Shelley ao The Jerusalem Post. “Naquele momento, percebi que, pela primeira vez na vida, eu era minoria religiosa”.

“Apesar de tudo que eu sabia sobre o judaísmo da Bíblia, eu não sabia nada sobre o judaísmo vivo que respirava na minha frente.”

Junto com o marido, ela morou em Beersheba de 2000 a 2004, onde ela mergulhou na cultura israelense. Muito de seu interesse, diz Shelley, estava na religião judaica.

“Fizemos amizade com nossos vizinhos israelenses”, contou a estudante. “Quase nunca tivemos um Shabat em que não fomos convidados para a casa de alguém. Tentei aprender todas as coisas sobre o judaísmo para que pudesse entender mais sobre a luz que sentia emanando de dentro dos lares judeus israelenses. Senti que suas práticas de fé não deveriam ser tão estranhas para mim como eram, já que os cristãos são os irmãos mais novos dos judeus”.

Lendo os profetas

Ao voltar para os EUA, Shelley se matriculou no The Bible Seminary em Katy, Texas. No curso de Hebraico Bíblico, ela decidiu estudar os 12 profetas menores, como forma de contar o ano em que seu marido foi destacado para o exterior como médico da Força Aérea. Quando ela falou com seus amigos cristãos sobre o projeto, eles quiseram participar.

Shelley iniciou um podcast semanal chamado “Fibra Bíblica: Texturas e Sombras da Tapeçaria Profética”, no qual ela lê o texto junto com cinco comentários diferentes. No início, os participantes eram de seu círculo de amigos de sua comunidade e igreja.

“Mas passei metade da minha vida trabalhando com organizações israelenses, então também tenho muitos amigos judeus”, disse Shelley. “E porque eles confiam em mim e me conhecem, eles também ouvem o Fibra Bíblica como uma forma de se desafiarem a ler os profetas.”

“Não tenho como alvo os judeus. Eles estão apenas no meu círculo de amigos”, disse Shelley. “Meu único objetivo é que os crentes de ambas as religiões se envolvam com uma parte da Bíblia da qual normalmente ficam longe. E se eles saem se sentindo mais informados e iluminados pela experiência, isso é tudo graças ao seu próprio relacionamento com Deus.

Shelley disse que viu uma diferença que chamou sua atenção em como cristãos e judeus abordam os profetas. Ela contou uma conversa que teve com um dos ouvintes, um judeu ortodoxo praticante, sobre as lições do Livro de Miquéias.

“O que me tocou é que li o verso de Miquéias de forma completamente diferente”, disse ela. “Como um judeu praticante da Torá, ele a lê e vai embora pensando que Miquéias está chamando todos os judeus para melhor observar as leis como parte de suas obrigações da aliança. Eu li isso como um chamado para eu modelar esses atributos, assim como Cristo fez, que viveu Sua vida na terra, para nos mostrar o que Deus nos chamou para fazer”.

“Então lá estávamos nós, ambos lendo o mesmo lindo versículo, e ele está saindo com a convicção de que ele precisa ser um judeu melhor e eu que eu preciso ser uma cristã melhor.”

Com base nessa experiência, o projeto de Shelley revelou uma forma de estudo bíblico que é benéfica tanto para cristãos quanto para judeus.

“Encorajamos uns aos outros”, disse ela. “Como judeus e cristãos que adoram o mesmo Deus e leem, pelo menos parcialmente, a mesma escritura, nos afastamos dos profetas com as mesmas perguntas.”

Método de ensino

Shelley não adapta suas lições para serem mais palatáveis ​​para os ouvintes judeus, abstendo-se de fazer referência ao Novo Testamento.

“Fiquei surpresa ao descobrir o quanto até mesmo os profetas menores são citados no Novo Testamento”, disse ela. “Qualquer estudioso da Bíblia judaica lhe dirá que o Novo Testamento é uma fonte importante para eles entenderem como as escrituras hebraicas foram lidas e compreendidas no Judá do primeiro século. Eles não podem ignorar a inclusão das escrituras hebraicas no Novo Testamento. Então, certamente, como cristão, não vou ignorar como os profetas menores são citados por Paulo, Tiago ou Jesus.”

Um de seus alunos judeus ortodoxos disse: “Eu rezo, estudo e como com o povo judeu o tempo todo. Tenho espaço em minha vida para um pequeno estudo bíblico cristão sem que isso seja uma ameaça. Eu sei como aplicar meu próprio filtro.”

A única adequação que ela faz aos seus alunos judeus ortodoxos é enviar seu podcast na sexta-feira antes do Shabat.

Ela explica que seu podcast é inspirado nas gravações do falecido rabino Jonathan Sacks e que ela mergulhou nas obras de Abraham Joshua Heschel sobre os profetas. Os podcasts a convenceram de que judeus e cristãos se beneficiariam ao enfatizar o estudo dos profetas bíblicos.

“Por muito tempo, eu realmente pensei que os judeus conheciam todas as Escrituras Hebraicas melhor do que os cristãos poderiam entendê-las. E para a Torá, isso é principalmente verdade”, diz.

“Mas eu me lembro de sentar em uma mesa de Shabat em Beersheba uma vez e o assunto de Isaías surgiu”, continuou ela. “Isaías é o principal profeta que os cristãos realmente conhecem e tentam entender por causa de todos os perfis messiânicos no livro e também sua relevância para o Novo Testamento. O homem da casa, um grande amigo nosso, olhou para nós e disse: 'Os judeus não conhecem os profetas.' Ele sabia que as outras pessoas na mesa não podiam se envolver na discussão porque não tinham

Oponente da Teologia da Substituição (de que a Igreja substitui a nação de Israel), Shelley acredita que essa crença impediu o estudo da Bíblia cristã, dando como exemplo os profetas.

“Como cristã sionista, rejeito a teologia da substituição como um veneno que penetrou em nossa religião muitos anos atrás, quando os cristãos tentaram se separar do povo judeu. Quero que os cristãos leiam a Bíblia e entendam que não precisamos afirmar o cristianismo negando o judaísmo”, justifica.

“Nós apoiamos Israel como uma forma de corrigir nossos erros”, disse Shelley. “Nosso objetivo é transformar as aflições do passado em bênçãos do presente.”

Siga-nos

Mais do Guiame

O Guiame utiliza cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência acordo com a nossa Politica de privacidade e, ao continuar navegando você concorda com essas condições