Confronto entre palestinos e israelenses continua: Hamas dispara mísseis contra Israel

Israel não mostra nenhuma indicação de que está interessado em um cessar-fogo imediato.

fonte: Guiame, com informações de The Times of Israel

Atualizado: Terça-feira, 11 Maio de 2021 as 9:55

Palestinos correm para se proteger do gás lacrimogêneo disparado pelas forças de segurança israelenses no complexo da mesquita de Al-Aqsa, Jerusalém, em 10 de maio de 2021. (Foto: Ahmad Gharabli/ AFP via Getty Images)
Palestinos correm para se proteger do gás lacrimogêneo disparado pelas forças de segurança israelenses no complexo da mesquita de Al-Aqsa, Jerusalém, em 10 de maio de 2021. (Foto: Ahmad Gharabli/ AFP via Getty Images)

Grupos terroristas palestinos na Faixa de Gaza dispararam massivas barragens de foguetes no sul de Israel durante a manhã de terça-feira (11), ferindo pelo menos 24 pessoas e provocando ataques aéreos de retaliação mortais das Forças de Defesa de Israel.

O grupo que controla Gaza havia dado um ultimato a Israel para que retirasse as forças policiais na região da mesquita de Al Aqsa até as 18 horas (12 horas em Brasília), da segunda-feira (10).

Mas os ataques continuaram em uma noite de quase constantes disparos de foguetes contra as comunidades israelenses perto da Faixa de Gaza, com alguns disparos de foguetes contra Jerusalém, onde os palestinos estão em confronto com a polícia há dias.

Sobre o ataque do Hamas

Oficiais palestinos relataram que pelo menos 24 pessoas foram mortas e cerca de 103 ficaram feridas nos ataques aéreos lançados por Israel contra a Faixa de Gaza. 

Durante a escalada do Dia de Jerusalém, militantes do Hamas dispararam mais de 200 foguetes contra Israel, ao que um porta-voz das Forças de Defesa de Israel chamou de “ataque severo e flagrante”, conforme relatou a NBC News. 

Um porta-voz do grupo militante Hamas e a entidade governante da Faixa de Gaza, disseram que o ataque com foguete foi uma resposta aos “crimes e agressões” israelenses em Jerusalém. O porta-voz disse que o “inimigo” deve entender bem essa mensagem.

O tenente-coronel Jonathan Conricus das Forças de Defesa de Israel prometeu que “o Hamas vai pagar um preço alto” pelo ataque com mísseis. Os militares israelenses alegaram que seus ataques aéreos tinham como alvo instalações militares e operacionais do Hamas, observou a Associated Press.

 

Desentendimentos

Tudo começou quando distúrbios em Jerusalém levaram os organizadores a redirecionar a marcha anual pela primeira vez em décadas. A marcha normalmente vai para a Cidade Velha através do Portão de Damasco. Mas, a entrada do Portão de Damasco no bairro muçulmano foi bloqueada por dois grandes caminhões.

A mídia judaica foi alertada sobre a violência potencial que poderia explodir devido à Marcha das Bandeiras. Amos Gilad, ex-chefe da Inteligência Militar e ex-alto funcionário do Ministério da Defesa, disse à Rádio do Exército que a marcha não deveria ser realizada este ano devido ao aumento das tensões. 

“Eu eliminaria qualquer coisa que crie atrito. Jerusalém é atualmente um barril de pólvora que pode explodir ”, disse Gilad. E a violência veio enquanto a raiva estava crescendo há semanas entre os palestinos devido a uma demora na decisão do tribunal sobre se as autoridades podem despejar dezenas de palestinos de um bairro da Cidade Velha para dar as casas a colonos judeus.

Em uma reunião de gabinete especial antes do Dia de Jerusalém, o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu disse que Israel “não permitirá que nenhum extremista desestabilize a calma em Jerusalém”. “Vamos fazer cumprir a lei e a ordem de forma decisiva e responsável”, disse ele.

Previsão para os próximos dias

O serviço médico de emergência do Crescente Vermelho Palestino disse que mais de 600 palestinos ficaram feridos nos confrontos em Jerusalém. A polícia de Israel disse que pelo menos 32 policiais foram feridos durante a operação. 

Hidai Zilberman, o porta-voz das Forças de Defesa de Israel (FDI) disse que Israel está tomando medidas para evitar baixas de civis palestinos, mas que podem ocorrer de qualquer maneira, já que o Hamas opera deliberadamente dentro de uma área densamente povoada, usando os residentes da Faixa como escudos humanos.

 Israel não mostra nenhuma indicação de que está interessado em um cessar-fogo imediato, já que Zilberman disse que o conflito deveria durar pelo menos vários dias e que as próximas horas seriam particularmente punitivas para o Hamas.

“Temos um dia intenso pela frente”, disse Zilberman aos repórteres na manhã de terça-feira, acrescentando: “Temos uma meta e não vamos parar até que a alcancemos.”

O secretário de Estado norte-americano, Antony Blinken, disse que os ataques com foguetes de Gaza contra Israel deveriam parar "imediatamente", e pediu a todos os lados que tomem medidas para reduzir as tensões.

veja também