Domo de Ferro está salvando vidas em Israel; entenda como o sistema funciona

O sistema de defesa israelense detecta e intercepta mais de 90% dos foguetes lançados contra o país. A tecnologia foi desenvolvida há 10 anos em parceria com os EUA.

fonte: Guiame, com informações de Faithwire

Atualizado: Quinta-feira, 20 Maio de 2021 as 10:26

O Domo de Ferro tem protegido Israel dos ataques de seus inimigos. (Foto: Mohammed Abed/Getty).
O Domo de Ferro tem protegido Israel dos ataques de seus inimigos. (Foto: Mohammed Abed/Getty).

No atual conflito entre Israel e Palestina, mais de 3.700 foguetes foram lançados contra Israel pelo grupo islâmico Hamas, obrigando 4 milhões de israelenses a correrem para abrigos anti-bombas.

Mas, Israel conta com um sistema de defesa poderoso que tem protegido o país de ataques aéreos, o chamado Domo de Ferro. A tecnologia detecta e intercepta mais de 90% dos foguetes no céu.

Em entrevista à CBN News, um dos responsáveis pela criação do Domo de Ferro, General Doron Gavish contou como foi a implantação do sistema anos atrás. 

“Há dez anos, era apenas o começo. Você sabe, nós meio que tivemos que inventar a roda. Não há nenhum outro lugar no mundo onde algo assim esteja acontecendo”, disse o militar israelense.

O sistema, projetado pela companhia Rafael Advanced Defense System LTD, parceira do Exército Israelense, foi desenvolvido em cooperação e financiamento dos EUA. A implantação da defesa aérea custou cerca de R$ 1 bilhão.

Para o Gen. Gavish, o Domo de Ferro é um verdadeiro salva-vidas em ambos os lados da luta. Muitos acreditam que sem a tecnologia, Israel seria forçado a uma guerra terrestre, causando mortes em massa. 

“No final do dia, poderíamos nos olhar no espelho e dizer que fizemos algo pela defesa de Israel. Fizemos algo pelos civis e estamos salvando vidas e é isso que a defesa antiaérea está fazendo ”, declarou o general.

Como o Domo de Ferro funciona


Unidades móveis e estáticas identificam foguetes que podem cair em áreas civis e os interceptam no ar. (Foto: Jack Guez/Getty).

O sistema antimísseis israelense, também conhecido como Cúpula de Ferro, possui radares que identificam onde os foguetes dos inimigos irão pousar. A tecnologia diferencia entre mísseis que irão atingir áreas urbanas e aqueles que vão errar o alvo.

Então, o sistema de comando analisa quais foguetes serão interceptados e lança os mísseis que os destroem no ar, a partir de unidades móveis ou fixas. 

O complexo sistema do Domo de Ferro não é 100% eficaz e não consegue interceptar todo foguete disparado por militantes palestinos. Sendo assim, o contraste entre o alto número de foguetes lançados e o baixo número de vítimas tem sido encarado como favor de Deus sobre a nação de Israel.

Foi o que confirmou um operador do Domo de Ferro ao site Israel Today. O homem, que não foi identificado, relata que viu a bateria do sistema falhar três vezes para derrubar um míssil que seguia em direção a Tel Aviv, em 2014.


Nos últimos 10 anos, o Domo de Ferro protegeu Israel dos foguetes lançados pelo Hamas. (Foto: Jack Guez/Getty).

“Um míssil foi disparado de Gaza. O Domo de Ferro calculou precisamente [sua trajetória]. Sabemos onde esses mísseis irão pousar em um raio de 200 metros. Esse míssil em particular ia atingir os prédios do Azrieli Center, a Kirya Tower ou uma estação ferroviária central de Tel Aviv. Centenas poderiam ter morrido”, disse o operador.

"Nós disparamos o primeiro [interceptador]. Ele errou. Disparamos o segundo. Ele errou. Isso é muito raro. Eu estava em choque. Neste momento, tínhamos apenas quatro segundos até o míssil pousar. Nós já havíamos notificado os serviços de emergência e avisamos sobre um incidente em massa”, acrescentou.

“De repente, o Domo de Ferro mostrou um grande vento vindo do leste, um forte vento que enviou o míssil para o mar. Ficamos todos atordoados. Eu me levantei e gritei: ‘Existe um Deus!’”, ele relatou.

“Eu testemunhei esse milagre com meus próprios olhos. Não foi contado ou relatado para mim. Eu vi a mão de Deus mandar esse míssil para o mar”, ele destaca.

 

veja também