Israel oferece ajuda ao Líbano após explosão devastadora em Beirute

Apesar de serem inimigos em tempos de guerra, Israel afirmou através de um comunicado de seu presidente que 'compartilha da dor do povo libanês'.

fonte: Guiame, com informações da CBN News

Atualizado: Quarta-feira, 5 Agosto de 2020 as 8:04

A explosão originada na região do porto de Beirute atingiu e destruiu o que encontrou em um raio de 10 quilômetros. (Imagem: CNN)
A explosão originada na região do porto de Beirute atingiu e destruiu o que encontrou em um raio de 10 quilômetros. (Imagem: CNN)

Israel está deixando de lado as divergências e conflitos com o Líbano para oferecer ajuda humanitária ao país após uma explosão catastrófica na última terça-feira, causando estragos em Beirute, matando pelo menos 100 pessoas e ferindo milhares.

"Compartilhamos a dor do povo libanês e sinceramente tentamos oferecer nossa ajuda neste momento difícil", disse o presidente de Israel, Reuven Rivlin.

O gabinete do primeiro-ministro Benjamin Netanyahu disse que instruiu o chefe do Conselho de Segurança Nacional de Israel a falar com o coordenador especial da ONU para o processo de paz no Oriente Médio Nickolay Mladenov para discutir como o Estado judeu pode ajudar o Líbano.

"Israel abordou o Líbano através da defesa internacional e dos canais diplomáticos para oferecer ajuda humanitária médica ao governo libanês", disseram o ministro da Defesa Benny Gantz e o ministro das Relações Exteriores Gabi Ashkenazi em comunicado conjunto.

Embora Israel e o Líbano sejam inimigos em tempos de guerra, as Forças de Defesa de Israel disseram que "este é o momento de transcender o conflito".

Estima-se que o Líbano não aceitará a oferta de ajuda feita por Israel. Enquanto isso, o Irã (outro inimigo de Israel) também se ofereceu para ajudar.

Contexto

Atualmente, o Líbano abriga o grupo terrorista Hezbollah, apoiado pelo Irã, contra o qual Israel travou uma guerra sangrenta em 2006.

As tensões entre Israel e o Hezbollah aumentaram nos últimos dias, depois que as Forças de Defesa de Israel disseram que frustraram uma tentativa de infiltração do grupo terrorista. O Hezbollah nega que seus homens estejam envolvidos no incidente, mas ameaçou atacar o Estado judeu depois que disse que um de seus combatentes foi morto em um ataque aéreo na Síria no mês passado.

Israel disse que não é responsável pela explosão em Beirute.

A explosão matou pelo menos 100 pessoas e mais de 4.000 ficaram feridas. Funcionários da Cruz Vermelha Libanesa esperam que o pedágio suba. A explosão atingiu um rio de 10 quilômetros, desmoronando silos, prédios e o que encontrasse pelo caminho.

Investigação

Ainda não está claro o que causou a explosão no porto, que parecia ter sido desencadeada por um incêndio. A TV local informou inicialmente que um armazém de fogos de artifício estava envolvido.

O ministro do Interior Mohammed Fahmi disse a uma emissora de televisão local que a explosão foi causada pela detonação de mais de 2.700 toneladas de nitrato de amônio que estavam sendo armazenadas em um depósito no porto depois de serem confiscadas de um navio de carga em 2014.

Testemunhas relataram ter visto uma nuvem laranja do que parecia ser gás dióxido de nitrogênio tóxico após a explosão.

A tragédia ocorre no momento em que o Líbano está em completo tumulto. A explosão que destruiu casas e prédios deixará muitos libaneses desabrigados, enquanto o país está à beira do colapso econômico. Muitos não têm emprego nem economias devido à devastadora crise cambial do país.

Os cidadãos realizam protestos em massa desde o segundo semestre do ano passado, pedindo mudanças políticas amplas, mas a crise econômica só piorou.

O porto onde a explosão aconteceu é por onde o Líbano importa quase todos os seus bens vitais. Há preocupações de que a escassez de alimentos seja exacerbada e as estimativas sugerem que cerca de 85% dos grãos do país estava sendo armazenado nos silos agora destruídos.

O primeiro-ministro do Líbano disse na terça-feira que os responsáveis ​​pela explosão "pagarão o preço".

veja também