Pesquisadores desenvolvem vacina promissora contra câncer de pele, em Israel

A equipe de pesquisadores espera que esta nova vacina possa ajudar a medicina a superar o câncer antes mesmo de se desenvolver.

fonte: gospel, câncer, Israel, pesquisa, vacina

Atualizado: Quinta-feira, 8 Agosto de 2019 as 11:17

Da esquerda para a direita: Prof. Helena Florindo, Dr. João Conniot, Prof. Ronit Satchi-Fainaro e Dra. Anna Scomparin na Universidade de Tel Aviv. (Foto: Reprodução/Galia Tiram)
Da esquerda para a direita: Prof. Helena Florindo, Dr. João Conniot, Prof. Ronit Satchi-Fainaro e Dra. Anna Scomparin na Universidade de Tel Aviv. (Foto: Reprodução/Galia Tiram)

Pesquisadores da Universidade de Tel Aviv disseram ter desenvolvido uma nova vacina para o melanoma, a forma mais agressiva e letal de câncer de pele.

Esta nova “nano-vacina” tem se mostrado eficaz na prevenção do desenvolvimento de melanoma e no tratamento de tumores em camundongos.

Para criar a vacina, os pesquisadores coletaram partículas minúsculas, com cerca de 170 nanômetros de tamanho, e as “embalaram” com duas cadeias curtas de aminoácidos encontradas nas células cancerígenas da pele. Eles então injetaram esta nano-vacina em um modelo de camundongo portador de melanoma.

“As nanopartículas agiam como vacinas conhecidas para doenças transmitidas por vírus”, explica o Prof. Ronit Satchi-Fainaro.

“Eles estimularam o sistema imunológico dos camundongos e as células do sistema imunológico aprenderam a identificar e atacar as células contendo os dois peptídeos - ou seja, as células do melanoma. Isso significa que, a partir de agora, o sistema imunológico dos camundongos imunizados atacará as células do melanoma se e quando elas aparecerem no corpo”, declarou o pesquisador.

Os cientistas então testaram a vacina sob três condições diferentes.

Primeiro, eles injetaram a vacina em camundongos saudáveis. Em seguida, eles infectaram os ratos com células de melanoma. A vacina combateu com sucesso o melanoma e os camundongos não desenvolveram câncer de pele.

"O resultado foi que os ratos não ficaram doentes, o que significa que a vacina impediu a doença", diz o professor Satchi-Fainaro.

Em segundo lugar, a vacina foi usada para um tumor primário em camundongos que desenvolveram câncer de pele. A vacina atrasou significativamente a progressão da doença e prolongou a vida dos ratos.

Por fim, os pesquisadores testaram a vacina em tecidos retirados de camundongos cujo câncer de pele metastatizou para o cérebro.

“Os pesquisadores validaram sua abordagem em tecidos retirados de pacientes com metástases cerebrais de melanoma. Isso sugeriu que a nano-vacina também pode ser usada para tratar metástases cerebrais”, disse a Universidade de Tel Aviv em um comunicado.

As descobertas do laboratório foram publicadas para revisão por pares no periódico Nature Nanotechnologyscientific.

A equipe de pesquisadores israelenses espera que esta nova vacina possa ajudar os médicos a superar o câncer antes mesmo de se desenvolver.

"Nossa pesquisa abre as portas para uma abordagem completamente nova - a abordagem da vacina - para o tratamento eficaz do melanoma, mesmo nos estágios mais avançados da doença", diz o Prof. Satchi-Fainaro.

“Acreditamos que nossa plataforma também pode ser adequada para outros tipos de câncer e que nosso trabalho é uma base sólida para o desenvolvimento de outras nano-vacinas contra o câncer”, avalia.

veja também