54 cristãos foram libertados após 6 meses de prisão, em Mianmar

Grupo foi mantido em cativeiro pelo Exército de Arakan, que os havia sequestrado em fevereiro.

fonte: Guiame, com informações do Premier

Atualizado: Terça-feira, 6 Agosto de 2019 as 12:22

Grupo de cativos pelo Exército de Arakan inclui crianças. (Foto: Reprodução/ Khonumthung News)
Grupo de cativos pelo Exército de Arakan inclui crianças. (Foto: Reprodução/ Khonumthung News)

A organização cristã International Christian Concern (ICC) confirmou a libertação de aldeões em 1 de agosto, que foram mantidos por seis meses em um campo de fronteira, depois que soldados os levaram de sua comunidade após uma batalha com as forças do governo.

O Exército de Arakan (AA), um grupo insurgente que luta por maior autonomia para o Estado, sequestrou os aldeões de Khumi em 2 de fevereiro. As 54 pessoas foram levadas para a base do AA na fronteira entre Mianmar e Bangladesh.

Enquanto o AA alegou que havia "resgatado" esses moradores, ajudando-os a fugir para a segurança, onde o exército birmanês (Tatmadaw) vem realizando uma ofensiva contra o AA, os aldeões que escaparam depois negaram isso.

Os aldeões disseram que foram levados contra sua vontade, e foram usados ​​como escudos humanos em um ponto quando o Tatmadaw atacou com helicópteros de combate.

Quatorze dos aldeões conseguiram escapar do campo nos últimos meses e um morreu enquanto estava sob custódia do AA.

Após a sua libertação, os aldeões foram enviados a líderes comunitários na aldeia de Ohnthee Wa para que pudessem ser levados para um campo de deslocados internos em Meezar.

Confirmações

Em entrevista à Radio Free Asia, o Pastor Moses disse que foi informado sobre a chegada dos aldeões em Ohnthee Wa, mas que ele ainda não os havia conhecido.

"Eles disseram que voltaram, mas ainda estão na vila de Ohnthee Wa", disse ele. "Eles disseram que todos foram libertados e ficarão em Meezar, onde fica o campo de deslocados", declarou.

A Organização dos Direitos Humanos Chin (CHRO), que pediu repetidamente a libertação dos aldeões, disse que saudou a notícia.

“Congratulamo-nos com a libertação dos aldeões do rei Talin. Somos gratos por isso. Esperamos que esse tipo de problema não ocorra novamente ”, disse o diretor de campo da CHRO, Salai Terah, ao Khonumthung News.

Gina Goh, gerente regional do ICC para o sudeste Asiático, disse: "Para os prisioneiros jin que foram mantidos contra sua vontade por meses, esta é definitivamente uma notícia encorajadora de que eles finalmente poderiam voltar para casa”.

A gerente da organização cristã afirmou que “nós nos alegramos com eles e seus entes queridos. AA não deveria tê-los tomado em primeiro lugar. Os civis têm o direito de viver sem medo apesar dos conflitos armados em andamento entre o AA e o Tatmadaw."

veja também