Ataques a igrejas deixam 4 mortos em meio à repressão militar em Mianmar

A violência foi particularmente severa na cidade de Mindat, no estado ocidental de Chin.

fonte: Guiame, com informações da CSW

Atualizado: Quarta-feira, 26 Maio de 2021 as 9:16

Destroços de igreja que sofreu ataque em 24 de maio. (Foto: Reprodução / CSW)
Destroços de igreja que sofreu ataque em 24 de maio. (Foto: Reprodução / CSW)

Quatro civis morreram e outros oito ficaram feridos em um ataque do exército de Mianmar (antiga Birmânia) a uma igreja católica na vila de Kayan Thar Yar, no estado de Kayah (Karenni), na última segunda feira, 24 de maio.

Um morador usou as mídias sociais para denunciar um dos ataques: “Três mulheres e um homens foram mortos numa igreja cristã do desfiladeiro às 3 da manhã”.

O incidente marcou o último de uma série de investidas a cristãos e igrejas que ocorrem em meio a uma repressão mais ampla contra civis após o golpe militar de 1º de fevereiro.

De acordo com um comunicado do Ministério de Cooperação Internacional do Governo de Unidade Nacional de Mianmar, aproximadamente à 1h do dia 24 de maio, as forças militares dispararam um projétil de artilharia pesada contra a igreja católica em Kayan Thar Yar, onde idosos e crianças teriam se escondido depois de fugindo de suas casas após ataques anteriores em sua aldeia.

O bombardeio ocorreu apenas dois dias depois que forças militares invadiram uma Igreja Batista Karen em Insein, Yangon, em 22 de maio. O pastor da igreja e dois outros jovens foram violentamente espancados e detidos, a igreja foi saqueada e suas propriedades destruídas.

Em 1º de fevereiro, o exército de Mianmar, conhecido como Tatmadaw, tomou o poder em um golpe. Isso gerou protestos nacionais generalizados, marchas e greves que encontraram uma resposta violenta do exército e da polícia, envolvendo canhões de água, balas de borracha e munições reais.

Os líderes da Igreja também têm sido particularmente visados. Em 13 de maio, o padre Columban Labang Lar Di, da diocese de Banmaw no estado de Kachin, foi preso por forças militares enquanto viajava de Banmaw para Myitkyina. Ele foi libertado em 17 de maio, após repetidos apelos de líderes religiosos e membros da comunidade internacional.

‘Violações horríveis’

Benedict Rogers, analista sênior da CSW para o Leste Asiático e autor de três livros sobre Mianmar disse que “civis em Mianmar foram submetidos a violações horríveis nas mãos do Tatmadaw por mais de 100 dias.”

“Expressamos nossas mais profundas condolências a todos aqueles que perderam entes queridos no recente ataque à Igreja Católica em Kayan Thar Yar e continuamos a apelar ao Tatmadaw para que cesse todos os alvos de civis inocentes e desarmados”, declarou.

Ele diz que as sanções internacionais introduzidas até agora são bem-vindas, mas os Estados podem e devem fazer mais para cortar o financiamento ao Tatmadaw e aumentar a pressão sobre ele para interromper seu ataque ao povo de Mianmar.

“Instamos o governo do Reino Unido e seus aliados a assumirem a liderança na implementação de novas sanções contra os militares e suas empresas e a coordenar a imposição de um embargo global de armas”, disse.

A violência foi particularmente severa na cidade de Mindat, no estado ocidental de Chin. Os confrontos em curso entre o Tatmadaw e os exércitos étnicos de Mianmar resultaram no deslocamento de dezenas de milhares de civis que vivem em condições terríveis.

veja também