Cerca de 800 cristãos foram assassinados por terroristas de janeiro a abril, na Nigéria

As informações foram divulgadas pela Sociedade Internacional pelas Liberdades Civis e pelo Estado de Direito (Intersociety)

fonte: Guiame, com informações do Christian Post

Atualizado: Sexta-feira, 3 Maio de 2019 as 9:20

Massacres contra cristãos crescem na Nigéria e número de mortos já chega a 800, somente nestes primeiros 4 meses de 2019. (Foto: Forbes)
Massacres contra cristãos crescem na Nigéria e número de mortos já chega a 800, somente nestes primeiros 4 meses de 2019. (Foto: Forbes)

Pelo menos 100 cristãos na Nigéria foram assassinados e centenas de outros feridos, somente em abril, de acordo com um grupo de defesa dos direitos humanos, alertando que os ataques dos terroristas Fulani contra comunidades agrícolas cristãs parecem estar se espalhando para o sul do país.

A organização não-governamental com sede em Anambra, conhecida como Sociedade Internacional pelas Liberdades Civis, e o Estado de Direito (Intersociety) divulgaram um relatório especial nesta semana, afirmando que os 100 cristãos foram mortos por terroristas Fulani e outros grupos jihadistas armados, como o Boko Haram no mês de abril.

O relatório detalha que entre 750 e 800 cristãos foram mortos por grupos jihadistas armados na nação africana durante os primeiros quatro meses de 2019.

Desses assassinatos, a ONG afirma que cerca de 550 a 600 mortes foram perpetradas por milícias islâmicas Fulani ligadas à Associação de Criadores de Gado Miyetti Allah da Nigéria, MACBAN, um grupo federal que defende os pastores Fulani que organizações humanitárias pediram para ser rotulado como um grupo terrorista "terrorista".

“Nos últimos quatro meses de 2019 (janeiro a abril), o grupo jihadista matou de 550 a 600 cristãos, com centenas de residências e dezenas de igrejas incendiadas ou destruídas”, informa a ONG.

Os outros 200 assassinatos até agora em 2019, segundo relatórios da Intersociety, foram cometidos pelo grupo extremista islâmico Boko Haram e o Estado Islâmico na África Ocidental, que aterrorizou o nordeste da Nigéria, partes do Níger, Chade e Camarões.

Embora as estimativas do número de pessoas mortas na violência social na Nigéria variem frequentemente, o presidente do conselho da Intersociety Emeka Umeagbalasi, um criminologista cristão e ativista de direitos humanos, disse ao The Christian Post que os números apresentados pela organização são baseados em evidências “empíricas”. defendido em juízo.

Enquanto os ataques às comunidades agrícolas cristãs nos últimos anos ocorreram em grande parte no Cinturão Intermediário do país, enquanto os pastores Fulani do norte migraram, o relatório adverte que as vítimas no sudeste do estado de Anambra e no sul do estado do Delta também foram incluídas na última rodada assassinatos em abril.

“A última rodada de assassinatos ou massacres anti-cristãos no país não apenas se traduz em uma média mensal de 180–200 nos últimos quatro meses, com média diária de seis a sete mortes de cristãos, mas os massacres estão cada vez mais rastejando em direção ao sul da Nigéria, particularmente do Sudeste e extremo Sul. Isso é capaz de desencadear ‘guerra santa’ e limpeza intertribal", diz o relatório.

Massacres

Em 12 de abril, terroristas Fulani invadiram um assentamento de fazenda em West Anambra e matado seis pessoas, enquanto feriam outras 30. Os extremistas também teriam matado pessoas, queimado casas e estuprado mulheres.

O jornal The Guardian relatou que até 11 pessoas foram mortas por ataques de pastores contra comunidades agrícolas no Delta no início de abril, levando uma autoridade estadual a pedir a Buhari e outros detentores de cargos para ajudar a impedir ataques de Fulani contra pessoas inocentes em fazendas do estado.

O relatório também destaca mais assassinatos na área do governo local de Kajuru, no estado de Kaduna, uma área que tem sido afetada por ataques nos últimos meses.

No dia 8 de abril, a ONG informou que pelo menos 22 cristãos foram mortos em um ataque realizado por terroristas Fulani. O jornal ‘The Punch’ relatou que dois meninos cristãos foram espancados, enquanto voltavam para casa do mercado na semana passada, em Kajuru. Um menino foi levado para o hospital, onde morreu mais tarde.

A Intersociety critica há muito tempo a incapacidade do governo federal de responsabilizar os perpetradores dos ataques.

O relatório da Intersociety foi altamente crítico em relação ao MACBAN, uma organização que a Associação Cristã da Nigéria já havia convocado o presidente Muhammadu Buhari, um Fulani, para processar.

"O MACBAN também tem Muhammadu Buhari como seu patrocinador vitalício", enfatiza o relatório da Intersociety. “A totalidade desses elementos fortaleceu o grupo e intensificou suas atividades jihadistas, que aumentaram de maneira alarmante desde junho de 2015, um mês depois que Buhari se tornou o presidente da Nigéria”;

Quanto ao Boko Haram, também conhecido como o Estado Islâmico da África Ocidental, continua a impor seu terror em aldeias na área do Lago Chade.

No final de abril, foi relatado que terroristas do grupo mataram cerca de 25 pessoas que retornavam de um casamento na aldeia de Kuda-Kaya, no estado de Adamawa.

veja também