China destrói seminários para cortar cristianismo pela raiz, denunciam cristãos

Regime comunista tenta eliminar a crença religiosa nas escolas teológicas antes que seja ensinada aos novos crentes.

fonte: Guiame, com informações do Bitter Winter

Atualizado: Terça-feira, 5 Fevereiro de 2019 as 11:30

O Seminário Internacional de Endao foi destruído pelo Partido Comunista Chinês. (Foto: Reprodução/Bitter Winter)
O Seminário Internacional de Endao foi destruído pelo Partido Comunista Chinês. (Foto: Reprodução/Bitter Winter)

O Partido Comunista Chinês (PCC) está dificultando o estudo das pessoas que têm vocação ministerial. A perseguição religiosa agora tem como alvo as escolas de teologia e os estudantes vocacionados para o ministério – aqueles que serão os pastores e formadores dos novos crentes.

Além das restrições que os estudantes enfrentam para participar de seminários privados ou estrangeiros, por causa do rígido controle ideológico nas escolas “oficiais”, agora as próprias escolas estão sendo atacadas e destruídas.

Críticos dizem que o PCC está “indo às raízes” para tentar eliminar a crença religiosa antes que ela possa ser passada para novos crentes.

Em maio de 2018, o diretor do Seminário Internacional de Endao, localizado no alto planalto tibetano da província de Qinghai, recebeu uma denúncia interna de que o governo local iria demolir o seminário. Temendo o pior, ele urgentemente transferiu mais de 40 estudantes e pastores para outros lugares. No dia seguinte, o seminário foi arrasado.

Comerciantes da região descreveram a cena: “Funcionários do Departamento de Administração Urbana da cidade de Xining e do Departamento de Segurança Pública se uniram à polícia armada para assistir a uma escavadeira derrubar o seminário”.

O Seminário Internacional de Endao era um seminário subterrâneo, o que significa que não era uma das 21 escolas aprovadas pelo governo para o clero protestante.

A escola foi estabelecido em conjunto por um eminente pregador da cidade de Wenzhou, província de Zhejiang, e um conhecido seminário de Hong Kong. Nos últimos dez anos, o Endao treinou mais de 100 estudantes de teologia de Xinjiang, Mongólia Interior, Henan e outras regiões.

Outros seminários subterrâneos estão sob o mesmo tipo de pressão que enfrentou Endao.

Um pregador na cidade de Fengzhen, na Região Autônoma da Mongólia Interior, disse a Bitter Winter que o seminário que ela fundou foi fechado duas vezes desde 2005. Depois da primeira vez em que foi fechado, ela mudou a escola da Mongólia Interior para a província vizinha de Shanxi. Infelizmente, pouco tempo depois, o seminário foi novamente descoberto pelo governo e fechado.

Seminários subterrâneos

Assim como existem as igrejas subterrâneas, ou seja, aquelas que funcionam sem autorização do governo, os seminários chineses também acabam funcionando na clandestinidade.

Segundo algumas estimativas, há pelo menos 60 milhões de cristãos na China, cerca de metade adorando em igrejas não oficiais ou domésticas. Apesar de um número tão grande de cristãos, o sistema educacional do clero é limitado.

A maioria dos cristãos das igrejas domésticas não quer estudar em seminários oficiais aprovados pelo governo. Em vez disso, eles escolhem estudar em seminários subterrâneos como o Seminário Internacional de Endao. Agora, no entanto, o governo está se movendo para fechar essas faculdades teológicas não aprovadas.

Para os cristãos das igrejas domésticas, ir secretamente a Hong Kong para treinar em um seminário já foi uma maneira fácil de aprofundar seus estudos.

Essa facilidade começou após a introdução do programa “Visita Individual” de Hong Kong (permitindo que viajantes de 49 cidades da China Continental visitem Hong Kong e Macau individualmente) com vistos em 2003, alguns cristãos de igrejas domésticas usaram vistos de turismo como forma de receber treinamento de curto prazo nos seminários privados de Hong Kong. Mas agora, esse caminho também foi bloqueado pelo governo.

De acordo com a Revista U-Beat de Hong Kong, o número de estudantes de teologia que vêm de igrejas domésticas na China continental para seminários em Hong Kong caiu drasticamente nos últimos anos.

Analistas citam o novo Regulamento sobre Assuntos Religiosos, introduzido em fevereiro do ano passado como a principal causa da queda. A lei estipula que “grupos não religiosos, escolas e locais de atividades” não devem organizar cidadãos indo para o exterior para participar de treinamento religioso.

A revista cita Ying Fuk-Tsang, diretor da Faculdade de Divindade do Chung Chi College da Universidade Chinesa de Hong Kong, que acredita que os regulamentos foram emitidos especificamente para suprimir o pessoal da igreja que procura ir ao exterior para estudar teologia.

Aulas de política partidária

Ao mesmo tempo em que as escolas privadas e estrangeiras são negadas ao futuro clero, os poucos seminários aprovados pelo governo foram submetidos a um controle rigoroso, praticamente transformados em centros de treinamento político e partidário, segundo alguns críticos.

Um estudante do Seminário Teológico do Nordeste, o seminário oficial na cidade de Shenyang, disse a Bitter Winter: “Toda semana, o governo providencia alguns estudantes de doutorado e pós-graduação e pessoal do Departamento de Trabalho da Frente Unida para nos dar palestras. O conteúdo das palestras é principalmente política, literatura e algumas notícias internacionais”.

Os estudantes também são obrigados a assistir filmes sobre a ‘Guerra de Resistência contra o Japão’ [a Segunda Guerra Sino-Japonesa, travada entre 1937 e 1945]. Eles dizem que a escola oferece um curso de treinamento chamado ‘A Sinicização do Cristianismo’, no qual os alunos são repetidamente doutrinados.

“O PCC é muito claro. A erosão da religião deve começar com os membros do clero”, disse um estudante de teologia no Seminário do Monte das Oliveiras, oficialmente aprovado na cidade de Harbin, província de Heilongjiang. “Mas ironicamente, o governo realmente enviou a polícia para nos dizer como discernir crenças erradas. Isso é tão ridículo!”

Os cristãos – especialmente os cristãos das igrejas domésticas – têm poucas opções para estudar para o clero. Essas escolhas que existem foram suprimidas ou controladas pelas autoridades. O objetivo do PCC parece estar “beliscando a crença religiosa na raiz” desencorajando e controlando a educação dos líderes da igreja. ideologia “ame seu partido, ame seu país”.

veja também