China obriga igrejas a trocarem 10 Mandamentos por citações do presidente Xi Jinping

Em algumas igrejas, os mandamentos como 'Não terás outros deuses além de mim' e 'Não farás para ti nenhum ídolo' foram trocados frases do atual presidente.

fonte: Guiame, com informações do Christian Post

Atualizado: Quarta-feira, 18 Setembro de 2019 as 8:41

Cristãos chineses oram durante celebração da Páscoa. (Foto: Getty Images/Kevin Frayer
Cristãos chineses oram durante celebração da Páscoa. (Foto: Getty Images/Kevin Frayer

Igrejas na província central de Henan, na China, foram forçadas a substituir os Dez Mandamentos pelas citações do presidente Xi Jinping em meio à pressão do Partido Comunista, revelou uma revista de direitos humanos.

A revista sobre liberdade religiosa ‘Bitter Winter’ relatou que os Dez Mandamentos foram removidos de quase todas as igrejas das Três Autonomias e locais de reunião em um município da cidade de Luoyang e substituídos pelas citações do presidente como parte dos esforços do Partido Comunista Chinês para "sinicizar" (adequar à ideologia comunista) o cristianismo no país.

Os mandamentos bíblicos dados a Moisés, que incluem "Não terás outros deuses além de mim” e “Não farás para ti nenhum ídolo, nenhuma imagem de qualquer coisa no céu, na terra, ou nas águas debaixo da terra” (Êxodo 20:3,4) foram substituídos nessas igrejas por citações do atual presidente Xi Jinping, incluindo trechos de seu discurso na Frente Unida Central Reunião de trabalho do Departamento de Trabalho em 2015:

“Os valores socialistas centrais e a cultura chinesa ajudarão a imergir várias religiões da China", disse Jinping. "Apoiar a comunidade religiosa na interpretação de pensamentos, doutrinas e ensinamentos religiosos de uma maneira que esteja de acordo com as necessidades do progresso dos tempos. Resolutamente, proteja-se da infiltração da ideologia ocidental e conscientemente resista à influência do pensamento extremista”.

Desobedecer a tais ordens é visto como uma oposição ao Partido Comunista. Algumas igrejas associadas ao Movimento Patriótico das Três Autonomias (legalizadas pelo governo) foram fechadas por não implementar a regra, enquanto outras congregações foram ameaçadas de serem incluídas na lista negra pelo governo, disse uma fonte anônima à revista.

“Tomar o lugar de Deus”

O pastor de uma igreja protestante legalizada pelo governo disse ao Bitter Winter que o Partido Comunista Chinês está destruindo metodicamente a igrejas (até mesmo as ligadas ao Movimento das Três Autonomias), corroendo a doutrina cristã.

"O primeiro passo do governo é proibir versos religiosos. Em seguida, desmonta as cruzes e começa a implementar os 'quatro requisitos', ordenando que a bandeira nacional e os 'valores socialistas centrais' sejam colocados nas igrejas”, disse o pastor. “Câmeras de vigilância para monitorar os fiéis e atividades religiosas são então instaladas. O último passo é substituir os Dez Mandamentos pelos discursos de Xi Jinping”.

"O objetivo final do Partido Comunista é tomar o lugar de Deus. Isso é o que o diabo sempre quis", acrescentou.

Outro crente disse ao Bitter Winter que os cristãos “não têm liberdade alguma”, acrescentando: “A China é uma ditadura de partido único. As pessoas só podem obedecer ao Partido Comunista e ser controladas por ele”.

Esta não é a primeira vez que o Partido Comunista Chinês exige a remoção de parte dos Dez Mandamentos: em novembro, as autoridades ordenaram que uma Igreja das Três Autonomias no condado de Luoyang retirasse o primeiro mandamento bíblico porque Xi "se opõe à declaração".

“Quem ousa não cooperar? Se alguém não concorda, está lutando contra o país ", alertou o funcionário. “Esta é uma política nacional. Você deve ter uma compreensão clara da situação. Não vá contra o governo".

Em esforços para libertar a religião da “influência estrangeira”, as autoridades comunistas fecharam igrejas, prenderam congregações e tentaram reescrever a Bíblia após a implementação das regras de regulamentação religiosa revisadas em fevereiro de 2018.

A campanha da China para sinicizar a religião teve origem em um discurso de Xi na Conferência Nacional de Trabalho Religioso, em abril de 2016. Na época, Xi afirmou que, para “orientar ativamente a adaptação das religiões à sociedade socialista, uma tarefa importante é apoiar as religiões da China, persistindo na direção da sinicização. ”

A Missão Portas Abertas (EUA) classificou a China na posição número 27 da lista de países em que os cristãos enfrentam a mais severa perseguição por causa de sua fé.

O grupo alertou em seu relatório que "o aumento do poder do governo e o governo do Presidente Xi Jinping continuam dificultando a liberdade de culto em algumas partes do país".

veja também