Cristãos presos no Irã se recusam a renunciar a fé em troca de liberdade

Eles foram condenados por agir contra a segurança nacional e promover o cristianismo.

fonte: Guiame, com informações do Christian Post

Atualizado: Quarta-feira, 23 Janeiro de 2019 as 9:54

Cristãos iranianos firmes em sua fé. (Foto: Raheb Homavandi/Reuters)
Cristãos iranianos firmes em sua fé. (Foto: Raheb Homavandi/Reuters)

Dois cristãos estão presos e condenados por discutirem doutrina cristã em uma igreja doméstica, o que foi considerado um ataque ao Islã, a religião dominante no Irã. Eles foram ordenados por um tribunal a renunciar a sua fé cristã para ganhar sua liberdade, mas se recusaram.

De acordo com Christian Solidarity Worldwide, os cristãos Saheb Fadaie e Fatemeh Bakhteri tiveram audiência em Teerã na terça-feira (15), quando se recusaram a obedecer a ordem dos juízes Hassan Babaee e Ahmad Zargar de se afastarem de sua religião.

Condenados por “espalhar propaganda contra o regime”, eles estão aguardando o veredicto final. Em setembro, Fadaie foi sentenciado a 18 meses de prisão, juntamente com dois anos de exílio interno, enquanto Bakhteri foi condenado a um ano de prisão.

Fadaie já cumpre pena de 10 anos de prisão na notória prisão de Evin, em Teerã, condenada em julho de 2017 juntamente com três outros cristãos “por agir contra a segurança nacional” ao “promover o cristianismo sionista”.

Liberdade religiosa

O presidente-executivo da CSW, Mervyn Thomas, argumentou que as condenações de Fadaie e Bakhteri não só iriam contra o seu direito à liberdade religiosa, mas também “criminaliza a fé cristã, que a Constituição iraniana pretende reconhecer”.

“É profundamente preocupante que os juízes Babaee e Zargar estejam presidindo seu apelo, especialmente em vista da exigência inaceitável de que renunciem à sua fé; a rejeição por parte desses juízes de um recurso anterior envolvendo o Sr. Fadaie e as alegações de que ambos os juízes estão implicados em violações de direitos humanos”, acrescentou Thomas.

O chefe da CSW insistiu que os dois cristãos merecem o devido processo e que seus veredictos sejam anulados.

“Também continuamos a pedir ao governo iraniano que cesse todas as formas de assédio e intimidação de comunidades religiosas pacíficas, e que liberte todos os detidos em conexão com sua religião ou crença”, disse ele.

Perseguição e crescimento

Em outubro, o Ministério Heart4Iran, que ajuda os fiéis iranianos, disse ao The Christian Post que estava testemunhando um dos “movimentos da igreja clandestina que mais cresce no mundo”.

Mike Ansari, presidente da instituição, disse que “a perseguição às minorias tem sido uma constante sob o atual regime islâmico no Irã. Os convertidos iranianos ao cristianismo foram sistematicamente presos e perseguidos como hereges”.

Ele atestou que a perseguição é decorrente de um “crescimento histórico e orgânico do cristianismo dentro do Irã, evidenciado por um dos movimentos de igreja clandestina que mais crescem no mundo”.

O líder do ministério revelou que a maioria dos cristãos que são presos “são coagidos a divulgar informações sobre as atividades de suas igrejas domésticas e de seus amigos, sob ameaça de perseguição criminal ou prisão de familiares”.

Igreja forte

Em uma entrevista ao CP em novembro, Ansari disse que é importante lembrar que a Igreja era forte no Irã antes mesmo da ascensão do Islã.

“Grande parte do mundo islâmico de hoje, incluindo o Irã, já foi cristão. As igrejas do Irã e do Iraque já foram igrejas grandes e duradouras, que enviaram os primeiros missionários à China. Mas com o surgimento do Islã, essas comunidades foram marginalizadas e vezes completamente destruída”, disse Ansari antes do Dia Internacional de Oração pela Igreja Perseguida naquele mês.

“Parece que há um ressurgimento orgânico do cristianismo em todo o Irã. Deus está em movimento e construindo Sua Igreja. Com o crescimento vem a perseguição”.

veja também