Estado Islâmico mata cristãos enquanto expande domínio na Nigéria

O grupo Província do Estado Islâmico da África Ocidental (ISWAP) se espalhou para o nordeste do país.

Fonte: Guiame, com informações de Morning Star NewsAtualizado: terça-feira, 3 de maio de 2022 13:41
Grupos extremistas se espalharam para o nordeste da Nigéria. (Foto: Reprodução).
Grupos extremistas se espalharam para o nordeste da Nigéria. (Foto: Reprodução).

O grupo extremista Província do Estado Islâmico da África Ocidental (ISWAP), uma ramificação do Boko Haram, está expandindo sua dominação na Nigéria, enquanto mata cristãos em atos terroristas.

De acordo com o Morning Star News, os radicais islâmicos chegaram ao estado de Taraba, no nordeste do país, e assassinaram seis cristãos em um ataque com bomba a um mercado em Isware, no dia 19 de abril.

O ISWAP divulgou um comunicado em seu canal no Telegram confirmando a autoria do atentado. O grupo afirmou que detonou um explosivo em “uma reunião de cristãos infiéis”.

Segundo a polícia local, o ataque também deixou 12 pessoas feridas, que recebem tratamento no hospital. O mercado atacado é propriedade de uma cristã. 

“Uma forte explosão ocorreu em uma loja de propriedade de uma mulher cristã cujo nome é Elizabeth Danjuma”, disse o líder local Martins Lauje, ao Morning Star News.

O grupo extremista ISWAP, que é reconhecido pelo Estado Islâmico, também assumiu a autoria de um segundo ataque em Taraba, que feriu 11 pessoas, incluindo crianças, no dia 22 de abril, no distrito de Nukkai.

O presidente estadual da Associação Cristã da Nigéria em Taraba, Reverendo Isaiah Magaji Jirapye, condenou o ataque em um comunicado à imprensa e cobrou respostas do governo nigeriano para deter a migração do ISWAP ao estado.

“O governo federal não está fazendo o suficiente para vencer a luta contra o terrorismo no país, pois a cada dia os terroristas continuam avançando. Para isso, a CAN quer que o governo federal adote imediatamente estratégias viáveis ​​contra qualquer forma de organização terrorista no país e interrompa sua migração, já que várias delas migraram para o estado de Taraba”, afirmou Magaji.

O Escritório das Nações Unidas para a Coordenação de Assuntos Humanitários (OCHA) alertou para a expansão do ISWAP no nordeste da Nigéria, afirmando que o movimento deve ser monitorado de perto.

“Esses últimos incidentes são um sintoma da  disseminação de insurgências islâmicas que estão ativas no nordeste da Nigéria há mais de uma década, à medida que grupos afiliados ao Estado Islâmico expandem suas áreas operacionais”, disse o OCHA em seu site.

Ataques no estado de Yobe

O Estado de Yoba, no nordeste da Nigéria, também foi palco de ataques extremistas. No dia 20 de abril, radicais mataram 12 cristãos que estavam hospedados na cidade de Geidam.

“Os terroristas cortaram as gargantas de 12 cristãos ao todo. Os crentes foram identificados por sua incapacidade de recitar passagens do Alcorão. Os terroristas pediram às vítimas que recitassem passagens do alcorão e, como não puderam, foram mortos”, relatou o morador local Adamu. 

Em 24 de abril, mais um ataque foi registrado no estado. Os militantes detonaram explosivos em um bar de um cristão na cidade de Gashua. matando uma pessoa e ferindo sete.

Perseguição constante na Nigéria

A Nigéria liderou o mundo em cristãos mortos por sua fé no ano passado (1º de outubro de 2020 a 30 de setembro de 2021) em 4.650, acima dos 3.530 do ano anterior, de acordo com o relatório da Open Doors 2022 Lista Mundial da Perseguição. 

O número de cristãos sequestrados também foi maior na Nigéria, com mais de 2.500, acima dos 990 do ano anterior, de acordo com o relatório da WWL.

Na Lista Mundial da Perseguição de 2022 dos países onde é mais difícil ser cristão, a Nigéria saltou para o sétimo lugar, sua classificação mais alta de todos os tempos, do 9º lugar no ano anterior.

 

Siga-nos

Mais do Guiame

O Guiame utiliza cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência acordo com a nossa Politica de privacidade e, ao continuar navegando você concorda com essas condições