Ex-muçulmano preso por se entregar a Jesus é libertado após 6 anos de prisão no Irã

Ebrahim Firouzi foi condenado em 2013, acusado de apostasia, de evangelizar e de associação com grupos externos.

fonte: Guiame, com informações do BosNewsLife

Atualizado: Sexta-feira, 1 Novembro de 2019 as 12:16

Ebrahim Firouzi preso no Irã por se tornar cristão. (Foto: Reprodução/ BosNewsLife)
Ebrahim Firouzi preso no Irã por se tornar cristão. (Foto: Reprodução/ BosNewsLife)

Ebrahim Firouzi, de 30 anos, deixou a prisão de Rajaei Shahr na cidade de Karaj, no Irã, no último fim de semana de outubro depois de passar seis anos atrás das grades, segundo confirmaram cristãos locais e familiares.

Várias fontes alertaram que ele começará em breve a servir o exílio interno de dois anos em Sarbaz, na fronteira com o Paquistão.

Os problemas de Ebrahim com as autoridades iranianas começaram em janeiro de 2011, por causa de sua conversão ao cristianismo. Ele foi acusado pelos promotores de evangelizar, de apostasia, pois deixou de ser muçulmano, e por associação com grupos externos.

Ele foi interrogado e mantido na prisão de Ghezel-Hessar em Karaj por 154 dias antes de ser libertado condicionalmente, de acordo com cristãos familiarizados com a situação.

Em março de 2013, Firouzi teria sido detido novamente, quando quatro agentes de segurança à paisana invadiram seu escritório. Ele ficou detido por 53 dias na notória ala 209 da prisão de Evin, em Teerã. Ativistas cristãos disseram que, durante esse período, ele foi submetido a "intenso interrogatório" por dez dias consecutivos.

Sentenciado novamente

Depois de ser libertado temporariamente sob fiança, ele foi condenado por um tribunal iraniano a um ano de prisão e dois anos de exílio interno em Sarbaz, pelo que seus amigos consideram acusações falsas.

As autoridades iranianas alegaram que ele era responsável por "propaganda contra o regime islâmico, evangelismo, contato com agentes anti-islâmicos no exterior e administração de um site cristão".

Depois de concluir sua sentença, ele foi mantido em detenção e, por fim, condenado a mais cinco anos de prisão por acusações de "ações contra a segurança nacional", "estar presente em uma reunião ilegal" e "conluio com entidades estrangeiras".

Durante suas lutas, ele recusou ofertas das autoridades para evitar mais sentenças ao retornar ao Islã, segundo cristãos iranianos familiarizados com as circunstâncias.

Dificuldades pessoais acompanharam sua prisão. Em dezembro de 2018, enquanto ele ainda estava na prisão, sua mãe idosa, Kobra Kamrani, morreu de câncer. A mulher frágil, com deficiência visual, apelou em mensagens emocionais para seu filho poder visitá-la por motivos de compaixão. Ela disse que estava muito doente para ir encontrá-lo na prisão.

Mensagem da mãe

Em julho de 2016, a mãe deEbrahim enviou uma mensagem em vídeo aos funcionários do tribunal pedindo que eles tratassem o caso do filho de maneira justa e o libertassem, lembrou a instituição de caridade irlandesa Church in Chains.

“Chorando ao entregar sua mensagem, ela disse que, por causa de sua deficiência, não podia ir de tribunal em tribunal para acompanhar o caso, nem visitar o filho na prisão. Ela também disse acreditar que o estresse de não ver Ebrahim era a principal causa de seu câncer”, acrescentou a instituição.

As autoridades iranianas recusaram seu pedido, disseram várias fontes. Ebrahim Firouzi também não foi autorizada a comparecer ao funeral dela. Permanece a incerteza sobre os membros sobreviventes da família. “Ebrahim Firouzi foi o ganha-pão de sua mãe e irmã, e sem ele, em casa, eles lutaram. O irmão mais novo ajudou a cuidar da mãe”, disse Church in Chains.

Após sua libertação, as autoridades da prisão queriam mandá-lo para o exílio imediatamente. Ele finalmente teve liberdade temporária "para resolver assuntos pessoais", incluindo recuperar documentos pessoais ainda mantidos pelos serviços de segurança iranianos, disseram os cristãos.

Em uma mensagem divulgada pelo grupo de defesa do Oriente Médio Concern (MEC), o convertido cristão disse que está "de boa saúde" e ficou "muito feliz em receber ligações de amigos".

Ele pediu orações por um amigo na prisão "com necessidades urgentes" e por si mesmo. Ele teria dito que precisava de oração, "especialmente por paciência", quando se sentiu "chateado e com raiva".

Greves de fome

Ebrahim fez várias greves de fome para protestar contra suas condições nas prisões do Irã.

Os cristãos iranianos disseram que estão "agradecidos" por sua libertação. Eles também oraram para que ele "aproveite a oportunidade de encontrar-se com familiares e amigos antes de sair para o exílio em Sarbaz".

O MEC, que defende os cristãos iranianos, disse à BosNewsLife que os crentes locais também pediram orações para que "seu amigo tenha suas necessidades atendidas por Deus e que Ebrahim tenha paciência e paz de Deus quando se sentir chateado".

Os cristãos também queriam orações para que ele "pudesse encontrar um lugar para alugar e trabalhar em Sarbaz e que Deus o tornasse um local de bênção". Eles acrescentaram que era crucial que "todos os cristãos iranianos presos por acusações relacionadas a sua fé sejam encorajados pelas orações da igreja.”

Prisão e morte

Muitos cristãos estão atrás das grades em várias prisões como parte do que os ativistas veem como uma repressão mais ampla a cristãos dedicados na nação islâmica. A apostasia e a disseminação do cristianismo geralmente levam a longas penas de prisão e possivelmente a uma sentença de morte no Irã.

No mês passado, um tribunal iraniano condenou um pastor e oito colegas do proeminente movimento evangélico da Igreja do Irã a longas penas de prisão por deixar o Islã.

Apesar dessas dificuldades, os grupos missionários sugerem que há pelo menos 360.000 cristãos estimados no país.

Eles incluem muitos ex-muçulmanos buscando liberdade contra regras islâmicas estritas.

veja também