Extremistas matam pastor batista após visitar a mãe, na Nigéria

A Nigéria ficou em 12º lugar na Lista Mundial da Portas Abertas 2020 de países onde os cristãos sofrem mais perseguição.

fonte: Guiame, com informações do Morning Star News

Atualizado: Terça-feira, 1 Dezembro de 2020 as 10:33

O Pr. Johnson Oladimeji, assassinado por extremistas Fulani. (Foto: Reprodução / Morning Star News)
O Pr. Johnson Oladimeji, assassinado por extremistas Fulani. (Foto: Reprodução / Morning Star News)

O Pr. Johnson Oladimeji foi assassinado por extremistas Fulani enquanto viajava para casa em Ikere-Ekiti, no sudoeste da Nigéria, onde lidera uma congregação da Convenção Batista Nigeriana.

As informações foram passadas pelo presidente da Conferência da Igreja Batista de Ekiti em um comunicado. Não se sabe a data exata do crime, que pode ter ocorrido na quinta ou sexta-feira (26 a 27 de novembro)

Os membros da família do pastor Oladimeji fizeram uma série de telefonemas quando ele não voltou da visita de sua mãe no estado de Osun em 26 de novembro, disse o reverendo Adeyinka Aribasoye.

O corpo do pastor Oladimeji foi encontrado em seu carro no dia seguinte.

“Os extremistas que estavam escondidos na floresta ao longo da rodovia atiraram em seu veículo”, disse o pastor Aribasoye ao Morning Star News. “O rev. Oladimeji foi atingido por balas disparadas pelos criminosos. Uma equipe de busca formada por membros da Igreja Batista descobriu que ele havia sido morto na rodovia.”

O velório do pastor morto foi planejado para segunda-feira (30 de novembro), com sepultamento marcado para o dia seguinte.

Ideologia islâmica

Na casa dos milhões em toda a Nigéria e Sahel, predominantemente muçulmanos os Fulani compreendem centenas de clãs de muitas linhagens diferentes que não têm pontos de vista extremistas, mas alguns Fulani aderem à ideologia islâmica radical, o Grupo Parlamentar de Todos os Partidos do Reino Unido para a Liberdade Internacional ou Crença (APPG), observado em um relatório recente.

“Eles adotam uma estratégia comparável a Boko Haram e ISWAP [Província do Estado Islâmico da África Ocidental] e demonstram uma intenção clara de atingir os cristãos e símbolos poderosos de identidade cristã”, afirma o relatório do APPG.

Os líderes cristãos na Nigéria disseram acreditar que os ataques dos Fulani às comunidades cristãs são inspirados pelo desejo de tomar as terras dos cristãos à força e impor o Islã, pois a desertificação tornou difícil para eles sustentar seus rebanhos.

Genocídio

O relatório do APPG observou que a lealdade tribal não pode ser negligenciada.

“Em 2015, Muhammadu Buhari, um Fulani, foi eleito presidente da Nigéria”, relatou o grupo. “Ele não fez praticamente nada para lidar com o comportamento de seus companheiros de tribo no Cinturão Médio e no sul do país.”

Em 30 de janeiro, o Christian Solidarity International (CSI) emitiu um alerta de genocídio para a Nigéria, conclamando o Membro Permanente do Conselho de Segurança das Nações Unidas a agir.

O CSI emitiu o apelo em resposta a "uma onda crescente de violência dirigida contra os cristãos nigerianos e outros classificados como ‘infiéis’ por militantes islâmicos nas regiões do cinturão central e norte do país.’”

A Nigéria ficou em 12º lugar na Lista Mundial da Portas Abertas 2020 de países onde os cristãos sofrem mais perseguição, mas o segundo lugar em número de cristãos mortos por sua fé, atrás do Paquistão.

veja também