Família de ex-muçulmanos tem casa incendiada por causa da fé em Jesus

Zinabu Mohammad e sua família ainda temem por suas vidas depois de fugir da vila predominantemente muçulmana.

fonte: Guiame, com informações do Christian Headlines

Atualizado: Quinta-feira, 24 Outubro de 2019 as 9:40

: Família de oito pessoas no Quênia vive uma vida nômade desde que sua casa foi incendiada em março de 2019. (Foto: Reprodução/IMB)
: Família de oito pessoas no Quênia vive uma vida nômade desde que sua casa foi incendiada em março de 2019. (Foto: Reprodução/IMB)

Mais de três anos depois de deixar o Islã, Zinabu Mohammad e sua família ainda temem por suas vidas depois de fugir da vila predominantemente muçulmana de Madogo, no condado de Garissa, região nordeste do Quênia. Eles tiveram a casa incendiada à meia-noite de 15 de março.

"Meus dois filhos da escola primária estão sempre perguntando qual foi o erro cometido pela família que causou o incêndio da casa, bem como sobre a mudança de um lugar para outro", disse Zinabu.

“Eu sempre fico quieto ou digo apenas a eles que em breve as coisas melhorarão e que Deus é o provedor. Às vezes choro a noite toda quando penso na trilha de destruição deixada para trás”, diz a mulher.

Zinabu estava participando de uma conferência cristã em Nairóbi na noite do ataque. Seu marido, Ibrahim Juma, disse ao Morning Star News que pelo menos seis pessoas mascaradas atearam fogo em sua casa depois que ele e seus filhos escaparam pela porta dos fundos.

"Tem sido muito difícil para a educação dos meus filhos - estamos constantemente em movimento, o que afetou negativamente a educação dos meus cinco filhos", disse Juma ao Morning Star News por telefone.

Ele e seus dois filhos da escola primária estavam em casa na noite do ataque, contou.

"Por volta da meia-noite, ouvi barulho perto da propriedade", disse Juma. “Olhando pela janela, vi mais de seis pessoas usando máscaras se aproximando da minha casa e sabia que não estávamos seguros. Acordei rapidamente meus filhos e fugimos pela porta dos fundos.”

Um vizinho disse ao Morning Star News que os moradores da área suspeitam que a casa tenha sido inundada com gás antes de ser incendiada.

"Depois de um tempo, toda a casa estava em chamas", disse Juma. "Os vizinhos correram para o local do incidente, mas não puderam salvar nada devido à grande explosão quando a casa pegou fogo."

Eles caminharam à luz da lua para a casa de uma família missionária cristã de outra parte do Quênia que trabalha na área, contou.

"Eles nos receberam com meus dois filhos sem roupas extras, exceto as roupas de nossos corpos", disse Juma. “Os livros escolares das crianças e seus uniformes foram todos destruídos. Nossa casa de quatro quartos foi destruída; roupas de cama e outros objetos de valor e dinheiro foram todos destruídos pelo incêndio.”

Eles vivem em um lugar improvisado. Juma disse que “a estação das chuvas está em andamento e o teto da barraca está vazando”.

Busca urgente de oração

Locomovendo-se primeiro a 20 quilômetros da vila e depois a 40 quilômetros, eles ainda não conseguem se circular pela área sem cobrir o rosto, disse ele. Eles esperam poder vender sua fazenda em Madogo e se mudar para mais longe.

Temos muito medo por nossas vidas", disse Juma. "Começamos a receber mensagens telefônicas curtas de nossos parentes muçulmanos exigindo que retornemos ao Islã para que nossa vida continue".

Zinabu disse que os muçulmanos de sua aldeia natal estão monitorando seus movimentos.

A família se tornou cristã em junho de 2016, quando começaram a realizar cultos secretos à noite em sua casa na área predominantemente muçulmana, disse ela.

Juma parou de assistir às orações de sexta-feira na mesquita e os muçulmanos da área ficaram cada vez mais desconfiados de que haviam deixado o Islã, contou a mulher.

A família busca urgentemente a oração para poder se mudar para mais longe e encontrar um comprador para sua fazenda em Madogo, disse Juma.

"Precisamos sinceramente de orações pela paz da família e para crescer na fé cristã", pediu ele.

Garissa

A população da cidade de Garissa, a cerca de 160 quilômetros da fronteira com a Somália, é predominantemente étnica.

Em 2 de abril de 2015, 148 pessoas no Garissa University College perderam a vida em um ataque do extremista muçulmano Al Shabaab, um grupo rebelde na Somália afiliado à Al Qaeda, e vários ataques a igrejas e cristãos ocorreram em Garissa.

Os somalis geralmente acreditam que todos os somalis devem ser muçulmanos. A constituição da Somália estabelece o Islã como a religião do estado e proíbe a propagação de qualquer outra religião, de acordo com o Departamento de Estado dos EUA. Também exige que as leis cumpram os princípios da sharia (lei islâmica), sem exceções no pedido de não-muçulmanos.

O Quênia ocupa a 40ª posição na lista de observação mundial do grupo de apoio cristão Portas Abertas dos 50 países onde é mais difícil ser cristão; Somália está em 3º lugar.

veja também