Fulanis matam nove cristãos em mais um ataque a vila na Nigéria

Só em janeiro deste ano já aconteceram dezenas de assassinatos por Fulanis no país, mesmo com ataques subnotificados.

Fonte: Guiame, com informações do Morning Star NewsAtualizado: segunda-feira, 31 de janeiro de 2022 14:37
Moradia típica de vila nigeriana. (Foto: Reprodução / Pixabay)
Moradia típica de vila nigeriana. (Foto: Reprodução / Pixabay)

Em mais um ataque Fulani, ocorrido no domingo (30 de janeiro) no norte da Nigéria, pelo menos nove cristãos foram assassinados, disseram fontes ao Morning Star News.

Segundo Danjuma Enoch, sua avó, conhecida como Mama Fide, foi queimada até a morte no ataque às 3h da manhã na vila de Kurmin Masara, no sul do estado de Kaduna, no condado de Zangon Kataf.

“A vovó não conseguiu escapar quando o ataque ocorreu porque ela era muito velha e cega”, disse Enoch. “Enquanto outras pessoas corriam para escapar, a vovó ficou em seu quarto, que serviu como seu último refúgio de salvamento.”

Mama Fide (à direita), queimada até a morte na vila de Kurmin Masara, Kaduna, Nigéria, no domingo, 30 de janeiro de 2022. (Foto: Reprodução / Blessing Gimbia Auta)

O rapaz disse que os agressores eram Fulanis e fizeram vários ataques na região.

“Ela era nossa avó sobrevivente e bisavó de muitos de nossos filhos mais novos”, disse Enoch. “Nós só podemos imaginar o quão horrível foi para ela dar seu último suspiro dessa maneira depois de viver muito tempo em sua velhice. Doloroso e triste. O sangue da vovó certamente subirá e falará contra seus assassinos e seus patrocinadores.”

Morador do local, Moses Zamani Kambai confirmou que os agressores eram Fulanis e que queimaram muitas casas.

“Eles queimaram quase completamente a comunidade Kurmin Masara”, disse Kambai ao Morning Star News. “Até agora, nove cadáveres foram encontrados, incluindo o de Mama Fide, que foi queimada até a morte dentro de seu quarto. Outras vítimas cristãs desaparecidas ainda estão sendo procuradas”.

Os Fulanis atacaram várias vezes em janeiro, disse Kambai.

“Alguns desses acontecimentos malignos são subnotificados e muitos não são relatados”, contou o homem. “Pedimos ao governo que duplique sua luta contra os terroristas nas comunidades afetadas.”

Outra moradora da região, Grace Bamaiyi disse que Fulanis incendiaram mais de 20 casas em Kurmin Masara.

“Kurmin Masara sofreu vários ataques da milícia Fulani”, disse Bamaiyi ao Morning Star News.

Gloria Jerry, outra residente local, contou que seu primo foi morto no ataque.

“Isso é de partir o coração”, lamentou a mulher.

Agressões anteriores

No condado de Chikun, no estado de Kaduna, Fulanis em colaboração com outros terroristas extremistas islâmicos atacaram Gbagyi Villa nos arredores da cidade de Kaduna em 10 de janeiro, matando um cristão e sequestrando principalmente mulheres e crianças, disseram moradores.

John Amos, que mora na região, disse que os agressores chegaram por volta das 22h.

“Eles mataram um membro de nossa comunidade e sequestraram 10 membros, a maioria mulheres e crianças”, disse Amos em uma mensagem de texto. “Eles ainda estão sendo mantidos em cativeiro.”

Pastores Fulani atacaram outra área do condado de Chikun fora da cidade de Kaduna, vila de Maraban Rido, em 4 de janeiro, segundo moradores.

“Os Fulanis, trabalhando ao lado de bandidos armados, atacaram nossa comunidade, a vila de Maraban Rido, por volta das 23h e capturaram cerca de seis cristãos em nossa comunidade”, disse Donatus Yohanna ao Morning Star News por mensagem de texto. “As vítimas ainda estão sendo mantidas em cativeiro até agora.”

O Rev. Joseph John Hayab, presidente do Capítulo Estadual de Kaduna da Associação Cristã da Nigéria (CAN), chamou as agências de segurança para ajudar nos esforços conjuntos para reduzir os ataques.

“Esses bandidos brincaram o suficiente com a alegria e a paz do povo Kaduna e não devem ter espaço novamente para atormentar cidadãos inocentes neste ano novo”, disse Hayab. “Continuaremos a orar e apoiar nossos homens e mulheres de segurança, assim como nunca pararemos para dizer a verdade quando eles falharem em seus deveres”.

O Rev. Ali Buba Lamido, arcebispo anglicano da província de Kaduna e reitor da Igreja da Nigéria (Comunhão Anglicana), pediu ao governo que declare estado de emergência no norte da Nigéria.

“Cristãos são atacados e pessoas indefesas estão sendo mortas ou sequestradas no país”, disse Lamido. “Na maioria das vezes, os cristãos estão sendo mortos e suas casas destruídas por pastores e terroristas. É preciso que o governo proteja essas comunidades”.

O porta-voz do governo do estado de Kaduna, Samuel Aruwan, informou que dois cristãos foram mortos no condado de Zangon Kataf em 2 de janeiro em Ungwan Romi-Afana e Ungwan Zallah.

“Bandidos armados atacaram passageiros ao longo da estrada Ungwan Rimi-Afana em Zangon Kataf LGA”, disse Lamido. “Um Joshua Kawu sofreu ferimentos de bala no peito e foi levado às pressas para um hospital, onde infelizmente foi confirmado morto.”

No condado de Chikun, assaltantes mataram a tiros Moses Jajaa em Ungwan Zallah, Udawa, disse Aruwan.

A Nigéria liderou o mundo em cristãos mortos por sua fé no ano passado (1º de outubro de 2020 a 30 de setembro de 2021) em 4.650, acima dos 3.530 do ano anterior, de acordo com o relatório da Open Doors 2022 Lista Mundial da Perseguição. O número de cristãos sequestrados também foi maior na Nigéria, com mais de 2.500, acima dos 990 do ano anterior, de acordo com o relatório da WWL.

A Nigéria ficou atrás apenas da China no número de igrejas atacadas, com 470 casos, segundo o relatório.

Na Lista Mundial da Perseguição de 2022 dos países onde é mais difícil ser cristão, a Nigéria saltou para o sétimo lugar, sua classificação mais alta de todos os tempos, do 9º lugar no ano anterior.

Com milhões na Nigéria e no Sahel, os Fulani predominantemente muçulmanos compreendem centenas de clãs de muitas linhagens diferentes que não têm visões extremistas, mas alguns Fulani aderem à ideologia islâmica radical, o Grupo Parlamentar de Todos os Partidos do Reino Unido para a Liberdade Internacional ou Crença (APPG) observado em um  relatório recente .

“Eles adotam uma estratégia comparável ao Boko Haram e ISWAP [Província do Estado Islâmico da África Ocidental] e demonstram uma clara intenção de atingir os cristãos e símbolos potentes da identidade cristã”, afirma o relatório da APPG.

Líderes cristãos na Nigéria disseram acreditar que os ataques de pastores às comunidades cristãs no Cinturão Médio da Nigéria são inspirados por seu desejo de tomar à força as terras dos cristãos e impor o Islã, pois a desertificação tornou difícil para eles sustentar seus rebanhos.

Siga-nos

Mais do Guiame

O Guiame utiliza cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência acordo com a nossa Politica de privacidade e, ao continuar navegando você concorda com essas condições