Igreja necessita de mais de 20 mil Bíblias por mês para novos convertidos, na China

A igreja é fruto de uma iniciativa da Portas Abertas que levou mais de um milhão de Bíblias para a China no início dos anos 80.

fonte: Guiame, com informações da Portas Abertas (EUA)

Atualizado: Quarta-feira, 19 Junho de 2019 as 9:54

Cristãos Chineses mostram suas Bíblias em culto. (Foto: Bible Society - Australia)
Cristãos Chineses mostram suas Bíblias em culto. (Foto: Bible Society - Australia)

A mobilização conhecida como #ProjectPearl é uma das maiores e mais arriscadas operações que a Portas Abertas (EUA) já realizou. A missão: entregar 1 milhão de Bíblias para os cristãos chineses. Na época em que o Projeto Pearl foi realizado pela primeira vez, a China comunista ainda estava se recuperando da Revolução Cultural de Mao Tsé Tung (1966-1976), que tentou esmagar o cristianismo. O país ainda estava fechado para pessoas de fora, que não sabiam se o cristianismo na China havia sobrevivido.

Em vez de apenas sobreviver, o cristianismo prosperou, como normalmente acontece em um contexto de intensa perseguição. Apesar disso, milhões de cristãos chineses precisavam de Bíblias, que o Partido Comunista Chinês confiscou, queimou e proibiu de serem impressas.

Financiado e liderado pela Portas Abertas (EUA), o Projeto Pearl foi composto por uma equipe de voluntários de 20 cristãos da Austrália, Canadá, Nova Zelândia, Holanda, Filipinas, Reino Unido e Estados Unidos.

Testemunho

Na última terça-feira, 18 de junho, foi comemorado o 38º aniversário da mobilização que leva esta preciosa carga para a igreja na China. Paul Estabrooks, um dos voluntários do Projeto Pearl, compartilha a história da noite de um milhão de milagres.

Um rebocador de cem metros de comprimento, chamado de Michael, avançou com a velocidade sonolenta de três nós. Rebocou a balsa semi-submersível, chamada Gabriella, carregada com 1 milhão de Bíblias chinesas em 232 pacotes de uma tonelada embalados à prova d'água.

Às 21h, naquela noite histórica de 18 de junho de 1981, Michael e sua tripulação de 20 homens atravessaram um labirinto de navios da Marinha chinesa ancorados na escuridão, perto da cidade portuária de Shantou, no sul da China.

Milhares de cristãos locais esperavam pacientemente na escuridão da praia designada pela missão para a entrega.

As embalagens flutuantes [com Bíblias] descarregadas foram rebocadas para a costa por pequenos barcos de borracha. Os crentes chineses não aguentaram esperar os botes chegarem até a areia e pularam na água, foram nadando até os barcos. Ansiosos, eles puxaram os blocos de Bíblias para a praia e os abriram com tesouras, entregando as caixas de pouco mais de 20 kg, de mão em mão até a a área das árvores, na praia.

Duas horas depois, Michael e Gabriella e as tripulações deixaram aquele local, com 1 milhão de Bíblias aos cuidados dos crentes chineses. Esses cristãos secretos prometeram fazer as escrituras circularem por todo o país. Em alguns casos, esse processo levou cinco anos; e muitos cristãos chineses pagaram caro por isso.

Nos últimos 38 anos, a Portas Abertas recebeu diversos testemunhos documentados - muitas vezes de lugares e situações incomuns - sobre o impacto dessas Bíblias na igreja chinesa, que atualmente é uma das igrejas que mais cresce no mundo. As Bíblias do Projeto Pearl chegaram a praticamente todas as províncias do país.

Um líder da igreja em Cingapura compartilhou que na década de 1990 ele conheceu uma grande rede de igrejas domésticas de cristãos na China central que ainda não tinha nenhum contato com estrangeiros de fora do país. Eles testificaram que o recebimento das Bíblias entregues pelo Projeto Pearl os encorajou e os motivou a compartilhar amplamente o Evangelho e, assim, aumentar seus números significativos atuais.

Frutificando

Uma daquelas Bíblias de bolso acabou nas mãos de um jovem cristão que estava orou por uma Bíblia durante três anos. Depois de receber o livro, ele o leu três vezes em três semanas e sentiu Deus o chamando para se tornar um dos muitos evangelistas itinerantes, pregando no interior da China.

Após 15 anos de ministério, ele pastoreou uma rede de igrejas domésticas que cresceu para mais de 400.000 membros. O crescimento continua de forma tão notável que a denominação continua precisando de mais de 20.000 Bíblias por mês, apenas para novos crentes.

O Projeto Pérola não apenas levou 1 milhão de Bíblias para os cristãos em toda a China e adicionou combustível ao avanço do Evangelho no país, mas também transformou o próprio governo chinês em sua gráfica bíblica chinesa.

Depois de perder a cara depois que um artigo da revista Time sobre o Projeto Pérola destacou a falta de Bíblias na China, o Partido Comunista Chinês ordenou apressadamente que as Bíblias fossem impressas. Até que as impressoras Nanjing Amity Printing estivessem online, as primeiras 3 milhões de Bíblias chinesas foram impressas nas impressoras chinesas do Exército Comunista.

Hoje, louve a Deus pela Bíblia que você tem e a liberdade de lê-la; e orar com os cristãos que ainda estão esperando pela primeira cópia da Palavra de Deus.

veja também