Igrejas ajudaram mais de 13 mil pessoas atingidas pelas chuvas em 2020, em MG

Igrejas ligadas à Convenção Batista Mineira prestaram assistência a mais de 13 mil pessoas em Minas Gerais.

fonte: Guiame, com informações da Convenção Batista Brasileira

Atualizado: Quinta-feira, 21 Janeiro de 2021 as 12:09

Fortes chuvas causaram mortes e destruição em MG no ano passado. (Foto: AFP)
Fortes chuvas causaram mortes e destruição em MG no ano passado. (Foto: AFP)

O ano de 2020 foi o segundo mais chuvoso da história de Belo Horizonte, segundo o Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet). O volume de 2.338 milímetros do ano passado só foi menor do que o registrado em 1983, quando 2.509,8 milímetros de chuva caíram na capital de Minas Gerais.

O maior volume de água dos últimos 110 anos em Minas provocou consequências devastadoras na capital, com mortes, destruição de casas, prédios comerciais e avenidas. A Defesa Civil estima que mais de 45 mil tiveram que sair de suas casas por estarem em perigo.

Entendendo seu papel social, a Convenção Batista Mineira (CBM) prestou assistência a mais de 13 mil pessoas através da Gerência de Ação Social da organização. As ações foram de socorro às famílias atingidas não só pelas chuvas, mas também pela pandemia da Covid-19.

“Em parceria com as igrejas de Belo Horizonte, cidades da região metropolitana e do interior, e contanto com o apoio dos CRAS (Centro de Referência de Assistência Social) de cada município, temos conseguido diagnosticar os problemas urgentes e estabelecer os meios de atender necessidades básicas e mais complexas, além de identificarmos situações de risco social, de forma a trabalhar a promoção e garantia dos direitos das famílias assistidas”, explica Doroti Campos, gerente de Ação Social da CBM.

No início de 2020, mais de 2 mil famílias de cidades atingidas pelas chuvas foram assistidas pelo Projeto Vida na Estrada, através do recebimento de alimentos, kits de higiene pessoal, kits de limpeza, móveis e eletrodomésticos. 

Na cidade de Espera Feliz, foi montada uma lavanderia — a mesma que assistiu aos bombeiros em Brumadinho — onde foram lavadas cerca de 20 mil peças de roupas das famílias atingidas pelas inundações.

Desde o início da pandemia, mais de 5 mil famílias têm sido assistidas pelo plano emergencial de enfrentamento à situação de calamidade pública.

“Temos ido a comunidades mais isoladas, como quilombolas e ciganos, na região metropolitana de Belo Horizonte, e também alcançado famílias circenses e estudantes estrangeiros, que com a pandemia perderam suas fontes de renda, implicando em dificuldades para sustento e manutenção da vida familiar”, explica Doroti.

“O que nos chama a atenção, é o número de crianças que temos conseguido auxiliar, ao todo foram mais de 7 mil. É um público que merece nossa atenção, pois a situação de isolamento, imposta pela pandemia, aumenta as situações de risco e vulnerabilidade”, acrescenta.

Missão de servir

Em Belo Horizonte, 18 igrejas se apresentaram para contribuir na assistência às famílias que tiveram suas rendas afetadas pela pandemia. Um exemplo disso é a Igreja Batista do Palmares, liderada pelo pastor Ronan Eustáquio Pinheiro, que auxiliou mais de 250 famílias e mais de 1000 crianças. 

“Atender estas famílias, no contexto da pandemia, foi muito importante para a igreja em, pelo menos dois aspectos: o contato com uma realidade social que desconhecíamos, com famílias apresentando várias necessidades, tais como materiais, físicas, emocionais e relacionais. E o segundo aspecto é a oportunidade de dar continuidade a assistência das famílias, de maneira próxima, guardando as devidas precauções sanitárias, e sendo um ponto de apoio para elas, enquanto ainda lidamos com os desdobramentos da pandemia”, afirmou o pastor Ronan.

A Igreja Batista do bairro Aarão Reis assistiu mais de 250 famílias e 500 crianças. “A justiça social tem sido uma ação da Igreja, imitando Jesus que se envolvia com o ser humano integralmente”, destaca o pastor da igreja, Paulo Júnior.

“Servir as pessoas é expressar o coração do Pai e cumprir nosso propósito exercendo misericórdia, através da capacidade de estar junto, perto, no sofrimento do outro. É sentir a dor do outro como se fosse a nossa. As pequenas atitudes de amor da nossa igreja local tem alcançado famílias e minimizado dores e sofrimento. Dessa forma, a Igreja tem cumprido a sua missão de revelar o amor de Jesus”, completou o pastor Paulo Júnior.

Em 2021, a Convenção Batista Mineira segue implantando projetos socioassistenciais em parceria com as Igrejas e CRAS. Segundo Doroti, o objetivo é promover a garantia e defesa dos direitos das crianças e adolescentes e dos idosos em todo o estado de Minas Gerais.

veja também