Ministro do Irã teme crescimento da Igreja e convoca novos convertidos para interrogatório

O ministro da Inteligência do Irã, Mahmoud Alavi falou em tom de alerta sobre as conversões em massa do islamismo para o cristianismo.

fonte: Guiame, com informações da Portas Abertas (EUA)

Atualizado: Segunda-feira, 12 Agosto de 2019 as 8:39

Ministro da Inteligência do Irã, Mahmoud Alavi. (Foto: AP)
Ministro da Inteligência do Irã, Mahmoud Alavi. (Foto: AP)

Enquanto a perseguição contra os cristãos se intensifica no Irã, a igreja está cada vez mais forte. Na verdade, está crescendo cada vez mais. Neste país do Oriente Médio, onde a conversão do Islã e a partilha de qualquer outra fé são ilegais, os muçulmanos estão rapidamente chegando a Cristo — tão rapidamente que os líderes do governo do Irã estão reconhecendo o crescimento exponencial da igreja.

Dirigindo-se a um encontro de líderes muçulmanos xiitas, o ministro da Inteligência do Irã, Mahmoud Alavi, admitiu abertamente que convoca cristãos convertidos para interrogatório, dizendo que as conversões em massa "estão acontecendo bem debaixo dos nossos olhos".

Alavi admitiu que sua agência está colaborando com seminários religiosos muçulmanos para combater a "ameaça" que se tornou o cristianismo no país, levando a conversões em massa.

Em seu discurso, Alavi também admitiu que "esses convertidos são pessoas comuns, que trabalham vendendo sanduíches ou coisas semelhantes".

Segundo Mansour Borji, diretor de advocacia da organização de direitos humanos 'Artigo 18', essa admissão representa uma "grande mudança" da retórica usual do Irã, que antes afirmava que os convertidos são agentes do Ocidente que passaram por treinamento significativo para minar a segurança nacional.

"Também é interessante ver o ministro da Inteligência admitir a conversão de 'famílias inteiras", disse Borji, observando que se trata de "uma admissão de que tais conversões estão longe de ser um evento raro; em vez disso, elas estão acontecendo em massa e em todo o país".

Testemunhas de um movimento de Deus

As recentes observações de Alavi (maio de 2019) ecoam as dos líderes da Igreja no Irã — bem como outros funcionários do governo iraniano.

Segundo relatos, os clérigos islâmicos estão expressando séria preocupação sobre muitos jovens se convertendo ao cristianismo. Um líder do seminário islâmico, o aiatolá Alavi Boroujerdi, observou que “relatórios precisos indicam que os jovens estão se tornando cristãos em Qom e frequentam igrejas domésticas.” A sétima maior cidade do Irã, Qom, é o epicentro do país para estudos islâmicos.

Relatos de parceiros da Missão Portas Abertas dentro do país que é assumidamente fechado para o Evangelho revelam que a fidelidade de crentes corajosos está contribuindo para a expansão da Igreja no país. Nossos parceiros nessas áreas ouviram e compartilharam relatos repetidos da movimentação de Deus e muçulmanos vindo a Cristo.

Em comparação com cerca de 500 cristãos de que se tinha conhecimento no Irã em 1979, existem agora cerca de 500.000 (algumas fontes dizem até 1 milhão de crentes que praticam sua fé em segredo). De acordo com Elam Ministries, uma organização fundada em 1990 por líderes de igrejas iranianas, mais iranianos se tornaram cristãos nos últimos 20 anos do que nos 13 séculos anteriores juntos desde que o Islã chegou ao Irã.

Em 2016, a organização de pesquisa missionária Operation World nomeou o Irã como a igreja evangélica que mais cresce no mundo.

O que está impulsionando o crescimento exponencial?

Ministérios e especialistas dizem que o crescimento explosivo do cristianismo no Irã tem sido impulsionado pela fome e desilusão espiritual quase palpáveis ​​com o regime islâmico, diante da fidelidade dos cristãos que arriscam tudo para compartilhar suas Boas Novas, apesar da inevitável perseguição.

A violência em nome do Islã causou desilusão generalizada com o regime e levou muitos iranianos a questionarem suas crenças. Vários relatórios indicam que até mesmo filhos de líderes políticos e espirituais estão deixando o Islã para abraçar a fé cristã.

Como os cultos de língua farsi não são permitidos, a maioria dos convertidos reúne-se em encontros informais de igrejas domésticas ou recebe informações sobre o cristianismo via mídia, como televisão por satélite e sites. O movimento ilegal das igrejas domésticas — incluindo milhares de cristãos — continua a crescer em tamanho e impacto à medida que Deus trabalha através de vidas transformadas.

Os líderes da Igreja no Irã acreditam que milhões possam se converter ao cristianismo nos próximos anos.

“Se permanecermos fiéis ao nosso chamado, nossa convicção é que poderemos ver a nação transformada ainda em vida”, compartilhou um líder de igreja doméstica. "Como o Irã é uma nação estratégica, a crescente igreja no Irã afetará as nações muçulmanas em todo o mundo islâmico".

A história da Igreja de Atos mostra a perseguição que os crentes sofreram como um grupo de discípulos comprometidos — inspirados e inflamados pelo Espírito Santo — tornou-se um catalisador para a multiplicação de crentes e igrejas.

Quando a perseguição chegou, eles não se dispersaram, mas permaneceram na cidade onde era mais estratégica e mais perigosa. Eles foram presos, envergonhados e espancados por sua mensagem. Ainda assim, eles ficaram para estabelecer as bases para um movimento de sacudir a terra.

De modo semelhante acontece no Irã. Quando a revolução iraniana de 1979 estabeleceu um regime islâmico de linha-dura, as duas décadas seguintes deram início a uma onda de perseguição que continua até hoje. Todos os missionários foram expulsos, o evangelismo foi banido, Bíblias em persa ou farsi foram banidas e vários pastores foram mortos. Muitos temiam que a pequena e incipiente igreja iraniana não sobrevivesse. Em vez disso, a igreja, alimentada pela devoção e paixão desses cristãos remanescentes, se multiplicou exponencialmente. Os iranianos se tornaram o povo muçulmano mais aberto ao evangelho no Oriente Médio.

Intensificação da perseguição

Como a igreja no Irã se multiplica, a perseguição segue o exemplo. Nos últimos meses, o Portas Abertas aprendeu sobre a prisão de numerosos cristãos no Irã. A repressão às igrejas domésticas continua a se intensificar, à medida que as autoridades buscam e prendem qualquer pessoa envolvida nessas bolsas tipicamente minúsculas. Frases de prisão de duração variável são resultados inevitáveis ​​para qualquer um que desafie a lei "sem igreja doméstica" do Irã. Portas Abertas relatou numerosas atrocidades contra os cristãos nas prisões iranianas, infames por seu tratamento de presos políticos.

Em 2019, pelo menos 37 cristãos foram presos: oito em Bushehr, nove em Rasht, 12 em Amol, dois em Ahvaz e um em Hamedan, Shiraz e Isfahan.

veja também