Novo governo sinaliza liberdade religiosa aos cristãos e judeus, no Sudão

O ministro de Assuntos Religiosos reiterou que as propriedades cristãs confiscadas sob o regime anterior podem ser devolvidas.

fonte: Guiame, com informações do Evangelical Focus

Atualizado: Quarta-feira, 6 Novembro de 2019 as 2:30

Várias igrejas e propriedades cristãs foram confiscadas pelo anterior governo sudanês. (Foto: Reprodução/World Watch Monitor).
Várias igrejas e propriedades cristãs foram confiscadas pelo anterior governo sudanês. (Foto: Reprodução/World Watch Monitor).

Reconhecendo que os cristãos foram perseguidos e sofreram “práticas muito ruins” sob o regime do ex-presidente Omar al-Bashir, o ministro de Assuntos Religiosos do Sudão, Nasr al-Din Mufreh, foi citado, no domingo (03), pelo jornal árabe Asharq Al-Awsat como favorável à devolução das propriedades roubadas dos cristãos sudaneses, através de processos judiciais.

Mufreh também havia dito à mídia em setembro que propriedades confiscadas da igreja deveriam ser devolvidas.

No artigo de domingo, o ministro convidou os judeus expulsos a retornarem ao Sudão - como havia feito em setembro, recebendo críticas de radicais muçulmanos. Mufreh disse que cristãos e pessoas de outras crenças são livres para praticar sua fé no Sudão.

"Eles [cristãos] são sudaneses e sua religião é celestial com seus valores e crenças", disse Mufreh ao Asharq Al-Awsat, justificando que os cristãos têm uma presença tão grande no Sudão que não devem ser descritos como minoria.

Os cristãos sudaneses esperam que os comentários marquem uma mudança radical da campanha islâmica de Bashir, derrubada pelo exército em 11 de abril após o início de protestos em dezembro de 2018.

Depois da secessão do Sudão do Sul em 2011, Bashir prometeu adotar uma versão mais rígida da sharia (Lei islâmica) e reconhecer apenas a cultura islâmica e a língua árabe.

Líderes da igreja disseram que as autoridades sudanesas demoliram ou confiscaram igrejas e limitaram a literatura cristã sob o pretexto de que a maioria dos cristãos deixou o país após a secessão do Sudão do Sul.

Em abril de 2013, o então ministro sudanês de Orientação e Doações anunciou que não seriam concedidas novas licenças para a construção de novas igrejas no Sudão, citando uma diminuição na população do sul do Sudão.

Perseguição cruel

O Sudão, desde 2012, expulsou cristãos estrangeiros e destruiu igrejas. Além de invadir livrarias cristãs e prender cristãos, as autoridades ameaçaram matar cristãos do Sudão do Sul que não os deixam ou cooperam com eles em seus esforços para encontrar outros cristãos.

Após a deposição de Bashir, os líderes militares formaram inicialmente um conselho militar para governar o país, mas outras demonstrações os levaram a aceitar um governo de transição de civis e figuras militares, com um governo predominantemente civil a ser eleito democraticamente em três anos.

Espera-se que os cristãos tenham maior voz sob o novo governo.

Em setembro, o pastor Mobarak Hamaad, ex-chefe do Conselho da Igreja do Sudão, exigiu que o governo de transição devolvesse todos os edifícios, terras e propriedades das igrejas confiscadas injustamente pelo antigo regime.

Sem punição

O ministro de Assuntos Religiosos disse a Asharq Al-Awsat que seu ministério lutaria contra o terrorismo, extremismo e noções de takfiri - punições por deixar o Islã.

Ele disse que o Estado Islâmico (EI) não possui células estabelecidas no país, embora reconheça que os membros provavelmente entraram. "O projeto do Movimento Islâmico Sudanês foi derrotado na vida política e comunitária graças à gloriosa revolução", disse ele a Asharq Al-Awsat, embora reconhecendo que vários elementos islâmicos começaram a tentar espalhar ideias extremistas nas mesquitas sudanesas.

"Vamos cercar essas mesquitas com um discurso sério pedindo moderação e luta contra o extremismo", disse Mufreh à agência de notícias em língua árabe.

Mufreh trabalhou anteriormente como líder na mesquita de Al-Ansar em Rabak, ao sul de Cartum.

Transição

O novo governo empossado em 8 de setembro, liderado pela primeira-ministra Abdalla Hamdok, uma economista, tem a tarefa de governar durante um período de transição de 39 meses.

A nova administração enfrenta os desafios de erradicar a corrupção de longa data e um "estado profundo" islâmico enraizado nos 30 anos de poder de Bashir.

Bashir, que chegou ao poder em um golpe islâmico em 1989, enfrenta acusações de aquisição ilegal e uso de fundos estrangeiros.

Na prisão de Kobar em Cartum, ele é acusado de "incitar e participar" da morte de manifestantes.

Em março de 2009, o Tribunal Penal Internacional o indiciou por dirigir uma campanha de assassinato em massa, estupro e pilhagem contra civis em Darfur.

Hamad, ex-presidente do Conselho de Igrejas do Sudão, disse que o governo deve recuperar todas as propriedades confiscadas sob o regime anterior.

O edifício da Igreja Interior do Sudão, usado pela Igreja Internacional de Cartum e outras organizações cristãs, foi transformado em escritório do notório Serviço Nacional de Inteligência e Segurança (NISS).

Em 29 de julho, o presidente do Conselho Militar Abdul Fattah Al-Burhan emitiu uma decisão de alterar o nome de NISS para o Serviço de Inteligência Geral.

A medida também congelou o artigo 50 da Lei de Serviço de Segurança, que concedeu ao NISS amplos poderes de inspeção e detenção sem justa causa, amplamente utilizados contra cristãos e opositores políticos.

Guerra civil

O Sudão travou uma guerra civil com o sul do Sudão de 1983 a 2005 e, em junho de 2011, pouco antes da secessão do Sudão do Sul no mês seguinte, o governo começou a combater um grupo rebelde nas montanhas de Nuba que tem suas raízes no sul do Sudão.

Devido ao tratamento dado aos cristãos e outras violações de direitos humanos, o Sudão foi designado país de preocupação especial pelo Departamento de Estado dos Estados Unidos desde 1999.

O Sudão ficou em 6º lugar na Lista Mundial de Perseguição de 2019 da organização Portas Abertas dos países onde é mais difícil ser cristão.

veja também