Paquistão mantém mais de 200 cristãos presos pela lei de blasfêmia

Pastor diz que cristãos são marginalizados e vivem vidas de terceira classe.

fonte: Guiame, com informações do Evangelical Focus

Atualizado: Quarta-feira, 19 Junho de 2019 as 10:57

Cristãos adoram em uma igreja em Lahore, Paquistão. (Foto: Reprodução/Getty)
Cristãos adoram em uma igreja em Lahore, Paquistão. (Foto: Reprodução/Getty)

O Rev. Iftikhar Indryas, fundador da Escola Cristã do Novo Pacto, chama para orar pelo "bem-estar espiritual, físico e intelectual" dos cristãos paquistaneses. Segundo o líder, "os cristãos no Paquistão vivem vidas marginalizadas de terceira classe".

O país ocupa a quinta posição da Lista Mundial da Perseguição 2019 da Portas Abertas o Paquistão está

Apesar da recente libertação de Asia Bibi, 218 cristãos ainda estão presos no Paquistão, devido às leis de blasfêmia. Igrejas e comunidades cristãs são alvos do terrorismo islâmico, e a liberdade religiosa está longe de ser uma realidade no país.

De acordo com o Ver. Iftikhar Indryas, as escolas cristãs também são ameaçadas por radicais, e muitas vezes as autoridades oficiais não as protegem, prejudicando a educação das crianças em um país que a Unesco (Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura) classifica como um dos países mais analfabetos do mundo.

A Escola da Nova Aliança foi fundada em 2012 pelo Rev. Iftikhar Indryas em Faisalabad, Paquistão, “para resgatar a comunidade cristã da escravidão, pobreza e miséria, e proporcionar oportunidades iguais, prosperidade, liberdade e valiosa vida espiritual”, disse ele em entrevista à Evangelical Focus.

Adjacente à escola havia um espaço aberto onde a autoridade municipal costumava despejar o lixo, o que é “um enorme risco ambiental para os estudantes, bem como para a comunidade”, disse Indryas.

O pessoal da escola escreveu uma carta às autoridades, solicitando-lhes que retirassem o lixo e distribuíssem a terra para a escola, para que pudessem fazer um playground para os alunos.

“Autoridades do governo consentiram”, e a diretoria da escola, depois de retirar o lixo, construiu o muro da fronteira para a segurança das crianças, “gastando milhões de rúpias para restaurá-lo e mantê-lo”, explicou Indryas.

No entanto, em abril, a Agência de Água e Saneamento, sem aviso prévio, chegou à escola com força policial ​​e destruiu a parede, perseguindo as crianças e os professores. Nada aconteceu desde então. Enquanto isso, o Rev. Iftikhar foi ameaçado pelo Taleban e teve que deixar o país e ir para a Espanha para proteger sua esposa e filhos.

“Os cristãos são alvos de agentes estatais e não estatais. Eles são perseguidos. Eles são martirizados, suas colônias e igrejas são queimadas, suas escolas são atacadas por forças radicais e, às vezes, também pelas forças do Estado”, ressaltou.

O reverendo diz que, segundo relatos e pesquisas, quase 2,8 milhões de crianças menores estão fora da escola. Em termos da população cristã, a proporção é bem maior. Além disso, os cristãos no Paquistão vivem vidas de terceira classe, desprivilegiadas e marginalizadas.

Iftikhar conta que eles são negligenciados e carecem de necessidades básicas da vida, como educação, saúde, abrigo e empregos.

“Nosso sonho é levantar as próximas gerações para o reino de Deus. Uma geração que se destaca nas áreas física, social, espiritual e intelectual da vida”, declarou.

veja também