Pastor chinês é condenado a 9 anos e pede a Deus para “ser usado” na prisão

O pastor Wang Yi é líder de uma das maiores igrejas domésticas da China, que foi invadida por oficiais do regime comunista há pouco mais de um ano.

fonte: Guiame, com informações do Christian Post

Atualizado: Quinta-feira, 2 Janeiro de 2020 as 1:15

Pastor Wang Yi foi condenado a 9 anos de prisão na China. (Foto: Early Rain Covenant Church/Facebook)
Pastor Wang Yi foi condenado a 9 anos de prisão na China. (Foto: Early Rain Covenant Church/Facebook)

O pastor Wang Yi, chefe de uma das maiores igrejas não registradas pelo governo da China, foi condenado a nove anos de prisão sob acusações de “subversão de poder” e “operações comerciais ilegais”, em meio ao aumento da perseguição religiosa na China.

O pastor da igreja de 5.000 membros, Early Rain Covenant Church, na cidade de Chengdu, foi condenado na segunda-feira (30), de acordo com um comunicado do Tribunal Popular Intermediário do Município de Chengdu. 

Como parte de sua sentença, o pastor será privado de seus direitos políticos por três anos e terá US$ 7.200 (50.000 renminbi) de seus bens pessoais serão apreendidos.

Um post no Facebook de um grupo afiliado à igreja publicou um comunicado do pastor Wang Yi, expressando seu desejo de ser usado por Deus até mesmo na prisão.

“Espero que Deus me use, por meio da perda da minha liberdade, para dizer aos que me privaram da liberdade que há uma autoridade mais alta do que a autoridade deles, e que há uma liberdade que eles não podem conter, uma liberdade que preenche a igreja do crucificado e ressurreto Jesus Cristo”

O pastor disse ainda que sente compaixão pelos oficiais do regime comunista chinês que executaram sua prisão. “Ore para que o Senhor me use, para que Ele me conceda paciência e sabedoria, para que eu possa levar o Evangelho até eles”, pediu.

Wang Yi ainda acrescentou: “Me separaram da minha esposa e filhos, estragaram a minha reputação, destruíram a minha vida e a minha família — as autoridades são capazes de fazer todas estas coisas. No entanto, ninguém neste mundo pode me forçar a renunciar à minha fé”.

Contexto de perseguição

A Early Rain Covenant Church foi invadida pela primeira vez durante um culto de domingo em dezembro de 2018, depois que as autoridades alegaram que a congregação violava os regulamentos religiosos por não estar registrada no governo. Wang foi detido junto com sua esposa, Jiang Rong, e mais de 100 membros da igreja.

O Partido Comunista da China exige que os protestantes sejam membros apenas em igrejas reconhecidas e regulamentadas pelo Movimento Patriótico das Três Autonomias sancionado oficialmente.

A maioria dos membros da Early Rain acabou sendo libertada, incluindo Jiang. No entanto, em novembro, um tribunal chinês sentenciou outro líder da igreja, Qin Defu, a quatro anos de prisão por acusação de operações comerciais ilegais.

A sentença de Wang foi amplamente condenada por defensores dos direitos humanos. Patrick Poon, pesquisador da Anistia Internacional na China, disse que a sentença “é terrível e injusta”.

“Wang Yi estava apenas praticando sua religião e defendendo pacificamente os direitos humanos na China”, escreveu.

Bob Fu, presidente da organização cristã China Aid, disse que a sentença de Wang foi uma das mais pesadas recebidas pelos líderes de igrejas domésticas nos últimos anos.

“Acho que o regime tem muito medo do impacto nacional e internacional de Wang, especialmente a crescente influência do movimento evangélico reformado que ele liderava em todo o país”, disse Fu ao South China Morning Post.

veja também