“Podem fazer o que quiserem, não paro de defender a liberdade”, diz pastor preso em Cuba

Defensor da liberdade religiosa, Ricardo Fernández Izaguirre foi preso pela segunda vez este ano.

fonte: Guiame, com informações do CSW

Atualizado: Segunda-feira, 18 Novembro de 2019 as 1:19

Pastor Ricardo Fernández Izaguirre denuncia abusos do regime cubano. (Foto: Reprodução/Facebook)
Pastor Ricardo Fernández Izaguirre denuncia abusos do regime cubano. (Foto: Reprodução/Facebook)

Ricardo Fernández Izaguirre, um importante defensor da liberdade religiosa em Cuba, foi libertado depois de ser arbitrariamente detido e ter deixado incomunicável por 29 horas.

Agentes de segurança do estado o alertaram, no entanto, de que ele provavelmente ainda enfrentará acusações criminais.

Fernández Izaguirre apresentou-se na delegacia de Camagüey às 13h de terça-feira, 12 de novembro, em resposta a uma convocação verbal da polícia. Ele não foi visto ou ouvido até sua libertação às 18h na quarta-feira, 13 de novembro.

Enquanto estava detido, um policial disse à esposa e colegas de Fernández Izaguirre que ele estava sob investigação e ficaria incomunicável por quatro dias.

Ele estava em uma cela sem janelas, que ele descreveu para a CSW (Christian Solidarity Worldwide) como “pequena demais e desconfortável para alguém do meu tamanho”.

O pastor disse que “eu não sabia se era dia ou noite, porque não podia ver do lado de fora, havia apenas uma luz muito forte, que foi deixada o tempo todo acesa. Enquanto eu estava lá, eles tiraram meus óculos, o que me deu uma forte dor de cabeça, porque eu preciso usá-los o tempo todo e não consigo ver sem eles”.

Fernández Izaguirre também disse à CSW como ele foi repetidamente levado entre a cela intensamente quente e uma sala de interrogatório extremamente fria e com ar-condicionado.

Durante os interrogatórios, ele foi repetidamente ameaçado por vários oficiais, incluindo um tenente-coronel e um major.

Fernández Izaguirre documentou mais de 60 violações da liberdade de religião ou de crença (FoRB) este ano e foi anteriormente detido e mantido sem acusação em julho. Ele ficou incomunicável por quatro dias e liberado após dez dias.

Logo após essa experiência, ele manifestou preocupação com a CSW de que o governo cubano tentaria inventar um processo criminal contra ele, preocupações que pareciam ser confirmadas quando muitos de seus vizinhos e colegas relataram que foram abordados pelos agentes de segurança do Estado cubano fazendo perguntas sobre o ativista.

"Mantive minha posição e mantenho-a hoje", acrescentou Fernández Izaguirre. "Eles podem fazer o que quiserem comigo, mas eu não paro de defender os direitos dos cidadãos cubanos à liberdade de religião ou crença."

Anna-Lee Stangl, diretora de advocacia da CSW, disse: “Apesar de termos recebido com agrado a libertação de Ricardo Fernández Izaguirre, ele nunca deveria ter sido detido em primeiro lugar. As autoridades cubanas não devem criminalizar a defesa pacífica dos direitos humanos e permitir que Fernández Izaguirre continue seu trabalho de defesa da liberdade de religião ou crença para todos, sem mais interferências ou obstruções”.

Para Anna-Lee, a comunidade internacional precisa “continuar monitorando de perto seu caso e os de outros defensores dos direitos humanos, enquanto realizam seu trabalho corajoso, mas arriscado”.

veja também