Projeto Umodzi oferece alimento e educação para crianças de aldeia no Malawi

O projeto Umodzi está atendendo às necessidades básicas de mais de 60 crianças na aldeia de Hatone, juntamente à Missão Mãos Estendidas (MME).

fonte: Guiame, Luana Novaes

Atualizado: Quinta-feira, 12 Setembro de 2019 as 1:02

O projeto Umodzi atende crianças que vivem na aldeia de Hatone, na província de Chikwawa, no Malawi. (Foto: MME)
O projeto Umodzi atende crianças que vivem na aldeia de Hatone, na província de Chikwawa, no Malawi. (Foto: MME)

O projeto Umodzi está mudando a realidade de mais de 60 crianças que vivem na remota aldeia de Hatone, na província de Chikwawa, na região sul do Malawi.

Inicialmente, as crianças da região — em sua maioria órfãs — não tinham acesso à itens básicos como energia e água potável. Com a ajuda do projeto, iniciado pela Missão Mãos Estendidas (MME), elas estão recebendo comida, educação e o ensino da Palavra de Deus.

A MME atua há mais de 20 anos em países como Moçambique, Malawi, Zimbábue e Zâmbia, capacitando pastores, missionários e líderes e atendendo a população carente. Pelo menos 350 igrejas vinculadas à missão estão espalhadas pelos quatro países africanos. O projeto Umodzi está diretamente vinculado à MME.

Depois que a única sala de aula da Umodzi School foi destruída pelo Ciclone Idai em março, foram levantadas duas salas de aula e iniciada a construção de um banheiro de alvenaria.


Crianças atendidas pelo projeto Umodzi receberam carteiras novas para as aulas, no Malawi. (Foto: MME)

De acordo com o coordenador do projeto Umodzi, Marcos Corrêa, os planos são de instalar um poço artesiano e construir salas de aula de alvenaria. Mas o ponto principal está em continuar atendendo mensalmente às necessidades básicas, como alimentação, roupas e materiais escolares.

“A intenção do projeto é melhorar cada dia mais a vida dessas crianças”, disse Marcos ao Guiame. “A ideia é fazer com que as pessoas entendam que a gente pode melhorar a vida dessas crianças, que em sua grande maioria são órfãs e dependem 100% da ajuda de pessoas que têm o coração na África”.

Por ser uma aldeia remota, localizada a quase 400 km de Lilongwe, capital do Malawi, os desafios são grandes. “O centro de acolhimento está no meio de uma floresta, por isso a comunidade é carente de absolutamente tudo. É uma das regiões mais pobres do Malawi”, explica Marcos.

O projeto Umodzi visa buscar parcerias “com pessoas que queiram realmente cumprir o mandato de Deus, que é fazer o bem e levar o amor”, segundo Marcos. “E o amor, nesse caso em específico, pode ser expressado através das doações”, acrescenta.


Marcos Corrêa, diretor do Guiame, ao lado do pastor Elias Caetano, diretor da MME. (Foto: Guiame/Marcos Corrêa) 

Para doações e mais informações sobre o projeto Umodzi, entre em contato com o coordenador Marcos Corrêa:

WhatsApp: +55 11 96170-9559
E-mail: [email protected]

veja também