Aproveito minha vida de oração mais do que nunca, diz Tim Keller enquanto enfrenta o câncer

O pastor afirmou que este período de luta contra a enfermidade o tem ajudado a entender melhor o que é depender de Deus.

fonte: Guiame, com informações do Christian Post

Atualizado: Quinta-feira, 26 Novembro de 2020 as 8:31

Tim Keller está lutando contra o câncer de pâncreas desde junho deste ano. (Imagem: ABC News)
Tim Keller está lutando contra o câncer de pâncreas desde junho deste ano. (Imagem: ABC News)

Enquanto luta contra o câncer de pâncreas, o pastor Tim Keller explicou que seu "maior medo" é retornar ao estado espiritual em que estava antes do diagnóstico, pois aprendeu a realmente depender de Deus em meio à sua doença.

“Não estou apenas dizendo isso: nosso maior medo é que se eu obtiver um diagnóstico realmente bom, uma resposta realmente boa sobre o câncer, se eu realmente me saísse bem e realmente fosse capaz de viver por mais alguns anos, nunca queremos voltar espiritualmente para onde estávamos antes do diagnóstico de câncer”, disse Keller em uma entrevista recente para o pastor Nick Gumbel, da igreja HTB (Londres).

“Nunca queremos voltar a isso, porque, apesar de todas as coisas que já preguei, eu não era exatamente um hipócrita, mas a realidade é que a maioria de nós diz que precisamos depender de Deus, mas na verdade pensamos que já resolvemos tudo”, explicou Keller.

"Sentimos que temos tudo sob controle porque pensamos nisso, temos economias, temos essas pessoas [em nossa vida]", acrescentou.

Apesar de acreditar que Deus está no controle, as pessoas muitas vezes não abraçam totalmente essa crença "até que a vida fique além da sua capacidade de controlá-la", disse o autor best-seller.

O pastor afirmou que é nesses momentos de dor que muitas pessoas reconhecem que Deus "realmente está lá ”E que Ele é“ suficiente”.

Vida de oração

Keller observou que hoje, apesar ele está “realmente mais feliz” do que nunca.

“Eu gosto das coisas ao meu redor de uma maneira que nunca gostei antes - eu as vejo como dádivas de Deus - e eu aproveito minha vida de oração mais do que jamais aproveitei em minha vida, e simplesmente não queremos voltar desse ponto”, disse.

O pastor agora aposentado da Igreja Presbiteriana Redeemer na cidade de Nova York e co-fundador da organização ‘The Gospel Coalition’ também é um sobrevivente de câncer de tireoide, que teve em 2002.

Keller admitiu a Gumbel que, em comparação com o câncer de pâncreas, o câncer de tireoide era "um passeio no parque". Quando seu médico o informou sobre seu diagnóstico no início deste ano, eles lhe disseram: “virtualmente não há cura para isso”.

“É um câncer muito difícil de tratar”, disse Keller, acrescentando que houve uma “pequena inversão de papéis” entre ele e sua esposa, Kathy, enquanto ela lutava contra a doença de Crohn.

“Agora Deus decidiu bem, vamos inverter os papéis aqui e vocês dois terão que se acostumar com o que significa confiar em mim neste novo papel”, disse Keller.

Contexto

Embora cerca de 80% das "pessoas que são diagnosticadas com câncer de pâncreas morram dentro de um ano após o diagnóstico", o pastor e autor best-seller disse que "Deus foi muito gentil" em sua situação, pois seu câncer foi descoberto enquanto ele estava no hospital por causa de outra doença.

“Portanto, tratando-o bem cedo, e alguns dos primeiros tratamentos parecem bons, portanto, a possibilidade de mantê-lo sob controle por um longo período de tempo é muito boa”, disse ele. “Não é provável agora que eu esteja morrendo dentro de um ano, mas eu teria mais tempo”.

Quando questionado se ele tinha algum medo em torno de seu prognóstico, Keller confessou que ele e Kathy “choram quase todos os dias” temendo que ela pudesse acabar vivendo sem ele algum dia.

Keller disse a Gumbel: “Meu medo não é estar morrendo. Meu medo é realmente deixá-la para trás e esse é o seu maior medo também. É um medo terrível”.

No entanto, os Keller acreditam que, se isso acontecer, é porque "há coisas que Deus tem para ela fazer".

Desde que anunciou seu diagnóstico de câncer em junho, Keller, de 70 anos, continuou a escrever, pregar e se envolver com eventos atuais.

Ele revelou a Gumbel que, na época de seu diagnóstico, ele estava trabalhando em um livro sobre a ressurreição de Jesus Cristo.

veja também