Atleta desafia militantes da ‘justiça racial’ a lutar por cristãos perseguidos na Nigéria

O atleta cristão Benjamin Watson chamou a atenção dos que lutam por 'justiça racial' nos EUA para também olharem o sofrimento de negros em outros países.

fonte: Guiame, com informações do Christian Post

Atualizado: Quinta-feira, 17 Setembro de 2020 as 11:41

Benjamin Watson é um jogador aposentado da Liga de Futebol Americano e defensor dos direitos da Família, além de abertamente combater o racismo nos EUA. (Imagem: Reprodução / Zoom)
Benjamin Watson é um jogador aposentado da Liga de Futebol Americano e defensor dos direitos da Família, além de abertamente combater o racismo nos EUA. (Imagem: Reprodução / Zoom)

O ex-jogador da Liga de Futebol Americano (NFL), Benjamin Watson está convocando os americanos que lutam por ‘justiça racial’ nos EUA para também pedirem o fim da violência contra os cristãos na Nigéria, já que ativistas alertam que “o mundo pode estar ignorando um possível genocídio de negros”.

Watson, de 39 anos, que é um cristão confesso, participou de uma coletiva de imprensa na quarta-feira em Washington, DC, onde se sentou ao lado da ex-candidata presidencial democrata e congressista Tulsi Gabbard, D-Hawaii, para se manifestar contra a violência perpetrada por radicais Fulani e outros grupos extremistas como o Boko Haram.

Organizado pelo Comitê Internacional da Nigéria, o evento foi projetado para aumentar a conscientização sobre a violência vivida pelas comunidades cristãs na Nigéria, já que as estimativas sugerem que milhões de pessoas foram deslocadas e milhares foram mortas nos últimos anos, devido à violência extremista que ocorre no nordeste e a violência levada a cabo por radicais islâmicos contra comunidades agrícolas predominantemente cristãs na região do Cinturão Médio da Nigéria.

“Estou aqui pelos mesmos motivos que todo mundo está”, explicou Watson. “Lembro-me há vários anos que fiquei impressionado com o fato de o Corpo de Cristo aqui nos Estados Unidos estar lidando com nossos próprios problemas. Mas, em comparação com o que está acontecendo ao redor do mundo em muitos aspectos, precisamos de pessoas que defendam aqueles que estão sendo perseguidos. Em algum momento, podemos ser nós”.

O evento, que também contou com comentários de outros defensores dos direitos humanos, ocorre depois que milhares de pessoas em todo o território dos Estados Unidos tomaram as ruas nos últimos meses para protestar contra a brutalidade policial, após a morte do afro-americano George Floyd, que morreu sob custódia policial de Minneapolis, e de outros afro-americanos.

Mais de 20 pessoas foram mortas durante os protestos liderados pelo movimento ‘Black Lives Matter’, alguns dos quais se transformaram em distúrbios violentos e ataques incendiários, que causaram US $ 2 bilhões em danos a empresas locais em cidades dos EUA.

“Estamos em um momento de avaliação racial em nosso condado”, enfatizou Watson. “ O termo ‘justiça racial’ é muito usado. Mas se estamos sinceramente preocupados com a justiça, devemos entender que a justiça deve ser defendida em casa, sim, mas também no exterior”.

Watson, que tem falado sobre questões raciais nos EUA e também é autor do livro ‘Under Our Skin’ (‘Sob Nossa Pele’), de 2015, desafiou aqueles que “se preocupam com a justiça racial e social” e estão “lutando pela igualdade dos cidadãos negros” nos EUA a “ lembrar-se e defender a justiça na pátria”.

“Este momento de ajuste de contas, por mais importante que seja para todos nós aqui nos Estados Unidos, não deve ser limitado às nossas costas, pois a injustiça persiste”, Watson insistiu. “Cada pequena ajuda conta”.

Olhos Abertos

O atleta, que falou sobre muitas injustiças ao longo dos anos, incluindo abortos e tráfico sexual, explicou que tem se informado sobre o que está acontecendo no nordeste da Nigéria com a insurgência do Boko Haram, desde quando os terroristas sequestraram 276 estudantes cristãs de uma escola em Chibok, no estado de Borno, em 2014.

“Podemos nos lembrar da hashtag de #BringBackOurGirls (#TragamNossasMeninasDeVolta) preenchendo nossas timelines. Nós nos lembramos até mesmo da primeira-dama dos Estados Unidos e celebridades tuitando sobre isso”, lembrou Watson. “Hoje, seis anos depois, mais de 100 dessas meninas ainda estão desaparecidas. As hashtags e as campanhas de mídia social cessaram, mas para muitos desses amigos, famílias e comunidades, suas vidas não foram esquecidas”.

O campeão do Super Bowl XXXVIII explicou que, embora o sequestro das meninas Chibok tenham conquistado os corações do mundo, foi "apenas um dos fatos entre milhares de assassinatos e sequestros, destruição de comunidades inteiras e queimas de igrejas que aconteceram a uma taxa genocida para o últimos 20 anos”.

“Não é apenas o Boko Haram”, disse ele. “Mais recentemente, também surgiram os pastores Fulani [criadores nômades de gado], que têm operado com impunidade e tem atacado e atacado comunidades cristãs”.

“A matança na região é maior do que a cometida pelo Estado Islâmico no Iraque e na Síria juntos”, acrescentou Watson, repetindo uma estatística mencionada anteriormente na conferência.

“Mais de 60.000 nigerianos foram mortos e cerca de 2 a 3 milhões foram deslocados”, continuou ele, citando uma estimativa da campanha Abate Silencioso da Nigéria. “Isso é algo a se considerar porque eles foram removidos de suas terras natais e morreram de fome, e esse tipo de coisa também está acontecendo”.

A Nigéria é classificada como o país com a terceira maior pontuação no Índice de Terrorismo Global de 2019, atrás apenas do Afeganistão e do Iraque.

veja também