Cidade sem Hemocentro recebe projeto cristão Vida por Vidas

Cidade sem Hemocentro recebe projeto cristão Vida por Vidas

Atualizado: Quarta-feira, 27 Abril de 2011 as 12:07

A costureira Maria Inês Meggiolaro foi a primeira doadora apta a doar sangue na manhã do feriado do dia 21 de abril, na cidade de Santo Augusto, junto à Associação Comercial - ACISA. "Fiquei feliz em saber que meu bom estado de saúde pode ajudar outras pessoas", comenta. Devido à iniciativa dos jovens adventistas do município, por meio do projeto Vida por Vidas outras 50 pessoas, assim como Maria Inês, participaram da ação solidária que iniciou às 8h com término às 17h.

A atitude dos jovens adventistas em proporcionar que a coleta fosse realizada na cidade, já que a mesma não possui um hemocentro, levou o motorista aposentado Delazzir Porazzi, 64 anos, a doar sangue pela primeira e provavelmente única vez, pois logo completará a idade de 65 anos, não podendo mais ser um doador. Diante disso, Porazzi garante: "Só precisei de boa vontade para fazer a doação".

Já para a estudante de administração, Fabiane Aguiar de Camargo, 18 anos, a ação lhe motivou para que essa fosse a primeira de muitas outras doações que ainda fará em sua vida, pois promete tornar o ato constante. A jovem incentiva a doação salientando: "Não doeu nada, é super fácil e ainda proporciona felicidade, pois esse ato salva vidas", lembra a futura administradora.

O repórter Leonardo Juliani, além de ajudar na divulgação do projeto, também colaborou fazendo sua doação.  "Confesso que o medo da agulha atrapalhou um pouco, mas saber que posso ajudar alguém, sem dúvidas, me motivou a ser um doador e vencer o medo", comemora. Para ele, o projeto liderado pelos jovens adventistas foi excelente, e o que prova isso, foi o acolhimento da comunidade", comenta.

Diretora do Hemocentro Regional de Cruz Alta, a bióloga Carla Coelho destaca que "mais uma ‘sementinha’ foi plantada, juntamente com o projeto Vida por Vidas em mais um município sem presença de um hemocentro". Carla também lembra que o sangue ali doado representa a vida e a esperança. "O hemocentro se sente privilegiado em contar com projetos como o Vida por Vidas e se coloca a disposição para uma segunda ação. As expectativas foram superadas, coletamos 51 bolsas de sangue e fizemos 50 cadastros de possíveis doadores de medula óssea. Foi excelente", avalia a diretora do hemocentro.

A coordenadora do projeto na cidade, Andréia Wichinheski, salienta que o sucesso alcançado é resultado primeiro da bênção e direção de Deus e também devido à parcerias formadas com empresários, imprensa e ainda a disponibilidade dos doadores, que disseram na prática: "Eu tenho tempo" e fizeram a doação. "Em nome dos jovens adventistas agradeço a todos, que de alguma forma se envolveram e se doaram para tornar possível esse gesto de solidariedade em nossa comunidade". Segundo Andréia, o projeto será realizado novamente em 2011.

Cada doador recebeu de presente o livro Ainda Existe Esperança.

veja também