Corretora de imóveis é proibida de assinar emails de trabalho com "Jesus te ama"

Hadassah Carter entrou com um processo para lutar pelo direito de incluir versos bíblicos frases cristãs em seus emails.

fonte: Guiame, com informações do Christian Head Lines

Atualizado: Quinta-feira, 22 Agosto de 2019 as 8:23

Hadassah Carter foi proibida de assinar seus emails de trabalho com uma mensagem que incluía "Jesus te ama". (Foto: Getty Immages)
Hadassah Carter foi proibida de assinar seus emails de trabalho com uma mensagem que incluía "Jesus te ama". (Foto: Getty Immages)

Uma corretora de imóveis da Virgínia entrou com um processo na semana passada, depois que um conselho estadual a proibiu de incluir versículos da Bíblia ou mensagens com temas cristãos em suas assinaturas de e-mail ou site de negócios.

Hadassah Carter era um agente imobiliária licenciado pelo governo em 2017, quando o Conselho Estadual da Virginia apresentou uma queixa contra ela por suas mensagens de fé em sua correspondência pública, de acordo com o processo.

Especificamente, sua assinatura de e-mail dizia: “Pela fé e liberdade, Jesus te ama e com Deus todas as coisas são possíveis”. Seu site incluía esta mensagem: "'Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu seu Filho unigênito, para que todo o que cresse. Nele não pereça, mas tenha a vida eterna' (João 3:16). Estou disponível para você quando você precisar de mim".

Ambas as mensagens, segundo o conselho, violaram o código de moradias da Virginia Fair, que afirma que o "uso de palavras ou símbolos associados a uma determinada religião" devem ser "evidências de uma preferência ilegal".

A diretoria chegou a um acordo com o empregador de Carter que a impediu - bem como a qualquer outro funcionário - de postar declarações religiosas em qualquer material de comunicação ou propaganda. Embora Carter tenha renunciado, seus empregadores a avisaram que a diretoria havia dito que rastrearia sua licença e "arquivaria outra queixa contra ela se ela voltasse a escrever suas 'declarações religiosas' anteriores a suas comunicações e website", diz o processo.

Desde 2017 Carter não exerce mais sua profissão de corretora e "teme fazer declarações religiosas em conexão com sua prática real por causa da possível ação da diretoria", diz o processo.

O Centro Americano de Direito e Justiça entrou com uma ação contra um tribunal estadual, alegando violações da liberdade de expressão e da liberdade religiosa garantidas pela Virgínia e pelas Constituições dos EUA.

"Ninguém deveria ter que justificar sua liberdade de expressão ou sua religião para um órgão regulador", escreveu Jordan Sekulow, da ACLJ. "Ameaçar o trabalho de alguém porque essa pessoa expressa sua fé viola a liberdade de expressão, e por isso devemos combater essas agressões à liberdade religiosa, sempre que surgirem".

veja também