Crescimento de evangélicos avança na Argentina, diz pesquisa

Dados oficiais mostram que os evangélicos agora são 15,3% da população.

fonte: Guiame, com informações do Evangelical Focus

Atualizado: Segunda-feira, 25 Novembro de 2019 as 1:55

Serviço de batismo de uma igreja evangélica na Argentina. (Foto: Reprodução/Evangélico Digital)
Serviço de batismo de uma igreja evangélica na Argentina. (Foto: Reprodução/Evangélico Digital)

O governo da Argentina publicou esta semana os números da Segunda Pesquisa Nacional sobre Crenças e Atitudes Religiosas. É uma pesquisa detalhada que compara a evolução social e religiosa dos argentinos nos últimos 11 anos (de 2008 até hoje).

Segundo os dados desta pesquisa, o número de pessoas que se identificaram como cristãos evangélicos na Argentina aumentou de 9% em 2008 para 15,3% em 2019.

Enquanto isso, a Igreja Católica Romana do país latino-americano perdeu membros. Em 2019, 76,5% da população identificada com o catolicismo, agora o número caiu para 62,5%.

O declínio é mais acentuado se a afiliação católica for comparada à década de 1960, quando mais de 90% dos argentinos foram identificados como católicos.

Por outro lado, quase 2 em cada 10 cidadãos argentinos dizem agora que não se identificam com uma religião (18,9%), um aumento significativo em comparação a 2008 (10%).

Desconfiança das instituições

"A pesquisa mostra que a crença em Deus é de cerca de 80%, mas estamos em um contexto de desconfiança nas instituições em geral, uma realidade que afeta também as organizações religiosas", disse o sociólogo Fortunato Mallimaci, líder do grupo de pesquisa contratado pelo Ministério da Sociedade, Cultura e Religião.

"Isso pode ser o que explica por que 60% dos crentes admitem que seu relacionamento com Deus é administrado por conta própria e apenas 30% frequentam um edifício da igreja", diz Mallimaci.

O debate do aborto na Argentina

A pesquisa oficial também perguntou aos argentinos questões controversas, como o aborto. No momento, a maioria está longe de ter uma mentalidade pró-vida.

18,7% da população é contra o aborto sob quaisquer circunstâncias. Por outro lado, 27,3% acreditam que o aborto deve ser um direito das mulheres.

A posição dos católicos é muito parecida com o resto da população: 22,3% acreditam que deveria ser um direito e 17,3% são contra o fim da vida dos bebês ainda não nascidos.

Os evangélicos são mais claramente pró-vida, mostra a pesquisa. 4 em 10 se opõem totalmente ao aborto e apenas 7,3% dizem que deve ser um direito das mulheres.

Cultura cristã

Apesar do crescimento do laicismo, a Argentina continua sendo um país com maioria que se identifica com a cristandade.

82,9% dizem que têm algum grau de devoção por Jesus Cristo, 81,9% acreditam em Deus e 75,9% no Espírito Santo - embora todas as três crenças tenham diminuído desde 2008.

O fato de os cidadãos se identificarem com o catolicismo e o evangelicalismo não significa que eles são cristãos comprometidos com uma implicação regular em uma igreja local.

Os números mostram que há cada vez mais pessoas que ignoram a igreja e adotam crenças "à la carte".

43% das pessoas assistem a missas ou cultos "apenas em ocasiões especiais" e 29,6% nunca o fazem. O restante da população frequenta uma igreja mensalmente (9,6%), semanalmente (11%) e todos os dias (6,2%). Entre os que se relacionam com a fé cristã “institucionalmente”, os evangélicos são os que mais participam de celebrações coletivas e visitam um edifício da igreja (55,3%). Entre os católicos, a frequência da igreja cai para 25%.

veja também