Cristão acusado de blasfêmia é libertado após fiança; caso é inédito no Paquistão

De acordo com advogado de defesa, essa é a primeira vez que isso acontece na história judicial do país.

Fonte: Guiame, com informações de Portas AbertasAtualizado: sexta-feira, 28 de janeiro de 2022 17:39
Muitos cristãos são acusados falsamente de blasfêmia no Paquistão. (Foto representativa: Portas Abertas)
Muitos cristãos são acusados falsamente de blasfêmia no Paquistão. (Foto representativa: Portas Abertas)

Após passar cerca de cinco anos na prisão, o cristão acusado de blasfêmia, Nadeem Samson (nome fictício por razões de segurança), foi libertado após pagar fiança.

De acordo com o advogado de Nadeem, é a primeira vez que isso acontece na história judicial do Paquistão. A libertação da prisão preventiva, porém, não significa que ele foi absolvido.

Os tribunais locais são conhecidos por rejeitar regularmente os apelos de fiança das vítimas da lei de blasfêmia, especialmente quando as acusações feitas são graves e puníveis com pena de morte. 

Entenda o caso

Preso em novembro de 2017, Nadeem foi acusado de blasfêmia após uma discussão sobre pagamento de aluguel de uma propriedade. 

O caso permanece pendente no Tribunal Distrital de Lahore, onde um resultado pode levar anos. Porém, Nadeem não está totalmente seguro fora dos muros da prisão.  

A blasfêmia é uma questão volátil para a maioria muçulmana do Paquistão, o “crime” resulta em pena de morte. As leis são usadas para acertar contas ou para atingir aqueles que pertencem às minorias religiosas, como o cristianismo.

Outro caso semelhante

Neste mês de janeiro, um Tribunal de Sessão em Rawalpindi condenou o pastor protestante Zafar Bhatti à morte por enviar mensagens de texto com blasfêmias, uma acusação que ele nega.  

O cristão falsamente acusado de blasfêmia chegou a ser torturado para confessar o crime. O advogado de defesa disse que não há nenhuma evidência para sua condenação.

“Na verdade, todas as evidências físicas e eletrônicas sugerem que ele realmente é inocente”, afirmou o advogado. O Guiame divulgou na quarta-feira (26), que ele pode ser enforcado nas próximas semanas

Bhatti havia apelado para uma sentença de prisão perpétua proferida por um tribunal em 2017. O líder cristão de 56 anos foi preso e detido em 2012, o que faz dele o prisioneiro sob acusação de blasfêmia com a pena mais longa do Paquistão.  

Siga-nos

Mais do Guiame

O Guiame utiliza cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência acordo com a nossa Politica de privacidade e, ao continuar navegando você concorda com essas condições