Cristãos nigerianos estão abandonados à própria sorte, diz advogado local

Dalyop Solomon tem se empenhado em apoiar famílias cristãs atingidas pela violência de grupos terroristas e relatou a situação desesperadora dessas comunidades.

fonte: Guiame, com informações do Christian Post

Atualizado: Segunda-feira, 7 Dezembro de 2020 as 11:02

A violência no Cinturão Médio da Nigéria aumentou nos últimos anos e especialistas dizem que "assumiu dimensões religiosas e étnicas perigosas". (Foto: AFP)
A violência no Cinturão Médio da Nigéria aumentou nos últimos anos e especialistas dizem que "assumiu dimensões religiosas e étnicas perigosas". (Foto: AFP)

Três cristãos nigerianos foram assassinados na última terça-feira (1º), enquanto tentavam se defender de um ataque armado de terroristas Fulani, que também teriam sequestrado uma mulher.

A noite que parecia pacífica acabou se tornando violenta quando os terroristas armados entraram disparando contra os moradores da vila cristã de Gura-Pwana, ao sul da cidade nigeriana de Jos, segundo o relato do residente Swanta Kumai, em entrevista ao Centro de Emancipação para Vítimas em Crise na Nigéria (ECCVN).

O tiroteio acordou seu filho de 28 anos, Joseph Swanta, de seu sono. Mesmo estando desarmados, eles saíram correndo de sua casa, na tentativa de afugentar os terroristas e alertar os vizinhos. Eles se separaram quando o filho dele correu para avisar os vizinhos que eles deveriam desligar o gerador de energia da vila.

“Sem que ele soubesse, os terroristas já haviam notado seu movimento. Ao sair, eles foram atrás dele com fogo pesado e o mataram a tiros”, disse Kumai. “Os invasores agruparam-se em quatro, estrategicamente posicionados para que ninguém os surpreendesse. Foi assim que os vi atirando contra mim, de muito perto, mas [consegui] escapar com hematomas [de tanto rastejar para longe]”.

Joseph Swanta servia em um grupo de vigilantes desarmados que tentava proteger os cristãos dos ataques Fulani, segundo depoimento o coordenador do ECCVN, Dalyop Solomon, ao site ‘The Christian Post’. Após o ataque, Solomon investigou as consequências na aldeia para relatar o que aconteceu.

As leis da Nigéria proíbem a posse de armas e a polícia frequentemente deixa de ajudar as aldeias cristãs, por isso os cristãos muitas vezes tentam se defender, intimidando de alguma forma os homens armados, disse ele.

“Eles esperam correr para o local do incidente e, pela tempestade, criar a impressão de que as pessoas não estão psicologicamente ameaçadas”, disse Solomon. "É possível ver o quanto isso é suicida".

Swanta tentou impedir o ataque junto com outros dois homens desarmados, disse Solomon. Davou Mwanti, de 59 anos, e Dalyop Davou, de 70 anos. Mas os terroristas atiraram e mataram os três.

“[Dalyop Davou] foi um vigia morto em seu posto de serviço”, disse sua esposa de 62 anos, Shetu Davou, ao ECCVN. “Sempre dependemos dele e de seus ganhos para todas as necessidades materiais. Mas ele não existe mais hoje, deixando-nos para cuidar de nós mesmos. Eu não sei o que fazer agora”.

Terroristas Fulani mataram o filho de Davou em um ataque anterior em 2011. Este ano, milícias islâmicas na Nigéria assassinaram cerca de 1.202 cristãos nos primeiros seis meses do ano. Esses assassinatos equivalem a genocídio, de acordo com a ‘Jubilee Campaign USA’, que reuniu dados e pesquisas para entregar ao Tribunal Penal Internacional no ano passado, argumentando que o padrão para genocídio foi alcançado, já que se trata de violência especificamente contra os cristãos naquele país.

“Existem razões para o governo não permitir que as pessoas adquiram armas”, disse Solomon. “Em vez de desarmar os Fulanis, eles irão atrás das vítimas. [Entre] os Fulani que ameaçam indivíduos em plena luz do dia, não ouvimos falar de nenhuma prisão. As pessoas serão presas no local do incidente, transferidas e liberadas. Isso é incentivo ao assassinato [por parte do governo]”.

Cristãos enterram familiares em funeral coletivo, após ataques terroristas na Nigéria. (Foto: AFP / Getty Images)

O governo da Nigéria ameaça aqueles que relatam os ataques Fulani, de acordo com Solomon, que disse ao CP que a polícia o convocou várias vezes para pedir que ele altere seus relatórios sobre os ataques Fulani.

Durante o ataque de 1º de dezembro, os suspeitos fugiram depois que a polícia chegou e reagiu ao tiroteio, disse Solomon. Fotos tiradas por Solomon mostram os corpos de dois homens mortos no ataque, caídos na carroceria de um caminhão, manchados de sangue sob os raios de sol da manhã.

“As pessoas estão se sentindo muito tristes e desapontadas porque o governo tem a obrigação constitucional de proteger a vida de todos os cidadãos”, enfatizou Solomon. “As pessoas são abandonadas à sua própria sorte. Eles não têm permissão para adquirir armas para se defenderem, e o governo falha em seu dever constitucional de proteger o povo. Agora existe um medo perpétuo nas mentes das pessoas. Eles são cidadãos sem braços”.

Contexto

Terroristas do Boko Haram e militantes Fulani trabalham juntos e executam os mesmos tipos de ataques, disse Solomon. Eles atacam ao mesmo tempo em locais diferentes para sobrecarregar os respondentes (polícia, exército). O advogado também destacou que a falta de posicionamento firme do governo da Nigéria soa como um incentivo para ambos os grupos continuarem a atacar os cristãos.

“Os assassinos do Boko Haram e dos Fulani são as duas faces da mesma moeda. Quando os ataques [do Boko Haram] se intensificarem no nordeste, os Fulani também intensificarão seus ataques na região do Cinturão Médio”, disse ele. “Se você olhar para o modus operandi, o Boko Haram vai atacar grupos, saquear e destruir plantações em nome do Islã. Os Fulani também atacarão e matarão em nome do Islã. Eles demolem e, em seguida, renomeiam as comunidades que saqueiam com seus próprios nomes”.

O advogado pediu aos cristãos de todo o mundo que ajudem instituições de caridade como o ECCVN, que prestam apoio às vítimas nigerianas de ataques radicais islâmicos. Ele também pediu que os cristãos orem para que o governo nigeriano legalize a posse de armas, devolva as terras roubadas pelos Fulani e processe os agressores. Finalmente, ele pede aos cristãos que haja uma pressão sobre o governo nigeriano para apoiar a liberdade religiosa.

“Fomos abandonados ao nosso destino. Estamos apelando para os cristãos ”, disse Solomon.

Os Estados Unidos forneceram $ 355 milhões para a Nigéria em ajuda em 2019. Os cistãos nos EUA podem entrar em contato com a USAID para pedir ao governo dos EUA que tome medidas sobre a Nigéria.

veja também