Estudantes leem a Bíblia para ajudar jovens com depressão devido à pandemia, na França

Um estudo constatou que 92% dos estudantes estão preocupados com o atual contexto social e econômico e 69% com sua saúde mental.

fonte: Guiame, com informações do Evangelical Focus

Atualizado: Quinta-feira, 18 Fevereiro de 2021 as 11

Estudantes universitários reunidos para um passeio ao ar livre em Paris. (Foto: M. Poujol / GBU França)
Estudantes universitários reunidos para um passeio ao ar livre em Paris. (Foto: M. Poujol / GBU França)

Ansiedade e depressão são “questões importantes” em tempos de bloqueio, por isso muitos estudantes cristãos começaram a ler a Bíblia individualmente com amigos não crentes.

Os sinais de fadiga têm sido evidentes na França desde quando o governo anunciou que as restrições (incluindo o toque de recolher às 18h e o fechamento de restaurantes) continuariam.

“Há um sentimento de cansaço, dúvida e necessidade de questionar”, admitiu um porta-voz do partido político do presidente Emmanuel Macron ao serviço de notícias France 24.

“Saúde mental, problemas de depressão e isolamento” são uma realidade crescente para muitos. Pesquisas mostram que menos da metade da população aprovaria agora um terceiro bloqueio.

Desde o início da pandemia, mais de 77.000 pessoas morreram na França devido à Covid-19.

A luta de “não desistir”

Os estudantes universitários estão entre os mais afetados pelas restrições, já que tanto o estudo quanto a vida social foram severamente limitados, sendo forçados a estudarem em ambiente virtual.

“Ter sucesso na concentração para os cursos online” e “não desistir” é uma luta para muitos, diz Marion Poujol, líder da GBU França (Grupos Bíblicos Universitários). Mas a questão mais profunda, ela acrescenta, é aprender a “administrar essa solidão”.

Aaron Robinson, diretor nacional do Campus Agapé, concorda. O “isolamento” é o principal desafio, diz ele, e resulta em “falta de atividade física e motivação geral para muitas coisas, principalmente para se manter concentrado nos estudos”.

Patrick Nussbaumer, diretor nacional da Youth For Christ, aponta para um efeito colateral relacionado às restrições, ou seja, “tentações para quem está sozinho em casa”, como a pornografia on-line.

Cuidando dos alunos

Um estudo do jornal francês Le Figaro constatou que 92% dos estudantes estão preocupados com o atual contexto social e econômico e 69% estão preocupados com sua saúde mental.

Pode ser especialmente estressante “projetar-se no futuro quando tudo é incerto”, diz Poujol. “Muitos têm lutado para encontrar estágios e vagas no que é chamado de L'alternance, o programa francês de trabalho e estudo que serve de rampa para empregos após a graduação”, acrescenta Robinson.

Outros simplesmente não podem mais pagar os aluguéis ou mensalidades porque seus pais perderam seus empregos devido à pandemia.

Os ministérios cristãos iniciaram uma conversa sobre os “principais problemas” da ansiedade e da depressão. O Jovens Para Cristo, por exemplo, “transmitiu vídeos sobre esses assuntos e teve conversas individuais” com os jovens a quem servem.

Os membros da equipe da GBU estão em “contato com psicólogos e psiquiatras cristãos que podem acompanhar os alunos ou aconselhar a equipe” quando uma situação pessoal difícil é detectada.

Na Agapé, eles têm falado com os alunos “um a um, além de tentar oferecer o contexto da comunidade em nível local. Isso tomou principalmente a forma de estudo da Bíblia, oração e eventos sociais online, com passeios ocasionais fora da cidade, quando possível”.

O papel das igrejas locais

Como as igrejas podem apoiar os alunos? Alguns estão “chegando até eles, encontrando-os em seus campi, oferecendo comida de graça”, explica Nussbaumer. Em um contexto de pandemia, às vezes as igrejas podem se sentir impotentes, mas devem estar cientes da diferença que faz quando “se preocupam com os alunos” de maneira simples, diz Poujol.

Robinson dá alguns exemplos. “Posso pensar em três cidades diferentes nas quais bancos de alimentos que se uniram a igrejas e grupos de estudantes como o nosso para levar pacotes de alimentos com uma palavra de incentivo aos estudantes franceses e estrangeiros que estavam necessitados”. Outro grupo “fez parceria com a organização estudantil governamental CROUS e uma boulangerie local para pegar o pão e os doces que de outra forma seriam jogados fora e redistribuí-los para os alunos necessitados”.

Testemunho do Evangelho em uma pandemia

Mesmo no meio de uma pandemia, “a missão continua” para os estudantes cristãos, diz Poujol. Certamente, “é mais difícil encontrar estudantes não-cristãos porque os campi estão fechados”, mas “as reuniões evangelísticas continuam online. Na GBU, muitos estudantes cristãos começaram a ler a Bíblia um a um com amigos descrentes”.

Os alunos devem “fazer tudo o que é permitido”, o que inclui ir “passear ao ar livre sempre que puderem e encontrar alunos, principalmente estrangeiros que estão muito isolados”.

“Que a compaixão de Cristo nos preencha e flua através de nós neste momento”, diz Robinson. “Seja individualmente ou em grupo, os alunos cristãos podem ouvir e se preocupar com a situação de seus colegas”.

Os alunos cristãos “não precisam fingir que estão todos juntos, porque esta situação afetou a todos, mas eles podem dar o presente de sua presença e se oferecer para orar por seus amigos e ver como Deus os conduz a partir daí”.

Uma oportunidade oferecida pela Covid-19 é “ser inovador e ousado em encontrar soluções para ajudar quem precisa”, conclui Robinson.

veja também