Há cinco anos, ucranianos oram de joelhos em praça pública contra volta do comunismo

Cerca de 200 cristãos de diversas denominações chegam cedo para se reunirem em oração na Praça central de Kharkov.

fonte: Guiame, com informações da BPNews

Atualizado: Quinta-feira, 10 Outubro de 2019 as 11:53

Ucranianos se ajoelham e oram na neve em praça da cidade de Kharkov (Foto: Reprodução/IMB)
Ucranianos se ajoelham e oram na neve em praça da cidade de Kharkov (Foto: Reprodução/IMB)

Em março de 2014, tanques, armas e homens com máscaras apareceram nas ruas de Kharkov, na Ucrânia, levando agitação e ameaçando a liberdade religiosa de 23 anos que alimentou essa geração pós-comunista.

As cidades próximas de Lugansk e Donetsk também foram atacadas por separatistas, mas os que lutavam em Kharkov não sabiam o que estavam enfrentando.

Pastores e líderes evangélicos pediram oração às sete horas todas as manhãs, na praça da cidade, para quem quiser travar a ‘verdadeira batalha’ que estava ocorrendo em sua cidade - a batalha espiritual.

Dentro de uma semana, cerca de 200 crentes apareceram para ‘lutar de joelhos’ porque se lembraram das trevas espirituais que sombreavam suas terras sob o comunismo.

Esta não foi uma batalha política, foi e é uma batalha espiritual de proporção épica, já que a liberdade de adorar, se reunir como igreja, orar publicamente e compartilhar sua fé com os outros estava sendo ameaçada.

“Esta é a geração dos filhos cujos pais foram mortos por causa da fé, cujos pais passaram a maior parte do tempo na prisão por causa da fé. Conhecíamos a verdadeira face do comunismo, e ele estava tentando voltar”, conta um pastor batista.

“Estávamos de joelhos e dissemos: 'Senhor, não sabemos o que fazer. 'A única esperança estava no Senhor’”, disse o pastor V., que é um dos principais organizadores da reunião de oração.

Durante o governo comunista de 72 anos, as igrejas e atividades evangélicas foram proibidas. Os ucranianos que pregavam, ensinavam as Escrituras ou compartilhavam o Evangelho eram forçados a ser clandestinos e severamente perseguidos. Duas gerações de crianças cresceram sendo ensinadas na escola que não havia Deus.

Inspiração

“Ainda estava escuro lá fora, quando me levantei para orar. Um calafrio na sala me disse que seria uma milha gelada a pé até a praça. Eu queria rastejar de volta para debaixo das cobertas, mas resisti”, conta Nicole Leigh, moradora da Europa Central que decidiu participar daquelas orações matinais.

"Faço isso há apenas três dias, enquanto meus amigos ucranianos fazem isso todos os dias há cinco anos", disse a escritora.

Ela conta que saiu do hotel, caminhou em torno de pilhas de gelo e poças de lama profundas, inclinando a cabeça para longe do vento enquanto andava sob a luz da manhã para a Praça da Liberdade, em Kharkov.

“Estava 26 graus negativas: a neve caía e um vento forte batia em meu rosto”, conta Nicole, que ao chegar na praça diz ter encontrado “grandes sorrisos, apertos de mão e beijos quentes de um grupo jovial que parecia não notar o frio”.

Ela diz que “a alegria contagiante me aqueceu de dentro para fora e me fez feliz por ter vindo.”

Nicole conta que aquela reunião a inspirou e ela juntou pessoas em sua cidade para orar depois de ver a fidelidade e fortaleza dos cristãos ucranianos.

Prisões e castigos

Após a Segunda Guerra Mundial, as condições eram especialmente perigosas. Os batistas e outros crentes protestantes na antiga URSS foram enviados compulsivamente para hospitais psiquiátricos, foram forçados a suportar provações e prisões e até foram privados de seu direito parental em alguns casos.

"Nesse momento, eu teria medo de não orar", disse o pastor V. "Nós sabemos o que está em jogo".

Depois de anos orando e pagando caro por sua fé, Deus trouxe liberdade religiosa ao país. Desde então, a Ucrânia se tornou o cinturão bíblico da Europa Oriental. É o centro da vida evangélica em toda a antiga União Soviética, liderando o caminho em novas igrejas e enviando missionários.

Em contraste, o território ainda ocupado no leste da Ucrânia está atualmente vendo a mesma atitude em relação aos evangélicos que eles lembram muito bem desde a infância. Após a aquisição de separatistas de 2014, as igrejas evangélicas foram fechadas e ameaçadas de multas nas principais cidades do território ocupado.

Agora, quando esses irmãos e irmãs se reúnem, oram por aqueles na zona de guerra e por uma paz duradoura, sabendo que isso só acontecerá se o espírito de Deus se mover para levar as pessoas ao arrependimento e à fé em Jesus.

É por isso que os ucranianos oram todos os dias, de joelhos, independentemente do clima.

O pastor Alexander acredita que o grupo está causando impacto em toda a cidade ao se reunir na praça central todas as manhãs. "As pessoas estão preocupadas e desanimadas. E todas as notícias são controversas", disse o pastor Alexander. "Acredito que nosso ministério aqui trará paz às pessoas, trará a verdade, trará esperança ao povo de Deus."

veja também