Pastor é forçado a fugir com a família da Dinamarca por pregação bíblica

Torben Sondergaard foi para os EUA, onde aguarda autorização de asilo político após ter sido obrigado a sair de seu país por perseguição religiosa.

fonte: Guiame, com informações da CBN News

Atualizado: Terça-feira, 24 Setembro de 2019 as 4:09

Torben Sondergaard e família. (Foto: Reprodução/CBS News)
Torben Sondergaard e família. (Foto: Reprodução/CBS News)

O pastor Torben Sondergaard e sua família fugiram da Dinamarca, país que recentemente fez campanha para que cristãos desistam de sua fé.

Torben, a esposa e as filhas foram para os EUA este ano como refugiados que escapam de uma zona de guerra. Eles precisaram abandonar suas vidas na Dinamarca e levaram apenas oito malas.

Ele é o fundador da Última Reforma, um movimento mundial que busca retornar o cristianismo ao livro de Atos. Torben também é o fundador do “Jesus Center” na Dinamarca, que treinou discípulos de 30 nações para espalhar essa mensagem pelo mundo.

A saída da família Sondergaard da Dinamarca se deu após uma série de ataques contra o pastor e seu ministério.

Os ataques começaram em 2016, quando o “Jesus Center” foi investigado por seis agências governamentais dinamarquesas diferentes, desde segurança alimentar a impostos não pagos. Funcionários não encontraram nada errado.

Sem desistir de encontrar algo que incriminasse o pastor, no ano passado o governo começou a investigar sua família quando começaram a fazer homeschooling (estudos em casa). A família foi obrigada a colocar a filha na escola pública, mas isso não interrompeu as investigações.

Mas o pior ainda estava por vir. A vida e o ministério de Torben Sondergaard tomariam uma reviravolta dramática quando a TV dinamarquesa se aproximou dele e disse que queria traçar seu perfil. O que parecia ser algo positivo, tornou-se em uma repercussão ruim sobre o pastor, que diz ter sido exposto de forma equivocada e sensacionalista.

A TV dinamarquesa não apenas enviou uma equipe de filmagem para realizar a matéria. Torben diz que eles também enviaram dois repórteres disfarçados, um disse que queria seguir Jesus e até foi batizado, e outro fingiu ser doente mental.

O documentário resultante na TV nacional, chamado "Os melhores filhos de Deus", juntou Torben a outros ministérios chamados "cristãos radicais" que supostamente tiveram sérias falhas morais, éticas ou até atividades criminosas.

"Quando vi que estava assim, pensei ‘acabou, ninguém nunca mais confiará em mim'", disse Torben.

O pastor foi retratado como mentiroso, abusador e um 'charlatão' pela reportagem.

Torben conta que assistiu horrorizado o que foi retratado sobre ele na TV local, mostrando-o como mentiroso, como agressor de crianças e mentalmente instável por curas e "exorcismos", além de charlatão que tira o remédio dos doentes, algo que ele diz nunca ter feito.

Centro Jesus, fundado por Torben Sondergaard, na Dinamarca. (Foto: Reprodução/CBN News)

"Trabalho no ministério há 18 anos. Nunca tive problemas, nunca tive queixas", disse Torben. "Quando esses programas começaram, isso mudou toda a atmosfera da Dinamarca. Isso não vai parar."

Investigação policial

Torben se tornou um saco de pancadas na TV dinamarquesa, enquanto pressionavam por uma nova lei contra os cristãos que supostamente inflingiam violência mental às crianças através de curas e libertação.

"Eles entrevistaram um padre da igreja estatal falando sobre como éramos pessoas más vindo como predadores para encontrar os animais fracos que estão doentes e comê-los, e como queríamos levar as pessoas para o culto", disse Torben.

Em seguida, cresceram as demandas da mídia para que Torben fosse investigado pelo crime de "charlatanismo".

"E percebi que já era culpado na mente dos políticos", disse Torben, "já era culpado na mente das pessoas, por algo que não tenho nada a ver".

Saída da Dinamarca

Os amigos de Torben o alertaram para deixar a Dinamarca.

Torben agora era um homem marcado, visto como uma pessoa perigosa por muitos de seus compatriotas, e preocupado com a possibilidade de perder seus filhos. Durante suas últimas três semanas na Dinamarca, ele diz que não saiu de casa.

"Tivemos pessoas que nos ligavam e diziam: 'Você tem que sair da Dinamarca agora porque não vão parar' e ‘Eles querem pegar você’. Então, compramos passagens para a América. Dois dias depois, fizemos oito malas e saímos com nossos filhos para a América."

Torben Sondergaard ora por um jovem na igreja. (Foto: Reprodução/TV 2)

O pastor diz que tudo "foi muito estressante e agora nosso centro de [Jesus] está fechado. Tínhamos um centro de 25 mil quadrados na Dinamarca, agora fechado. Nosso trabalho está fechado. Tudo está parado."

Os Sondergaards apelaram ao governo dos EUA por asilo político. Torben testemunhou em depoimento juramentado que, se ele for mandado de volta à Dinamarca, corre o risco de ser preso e de ter sua filha menor tirada da família.

Aguardando uma decisão de asilo

O Conselho de Imprensa da Dinamarca decidiu que Torben foi enganado pelos jornalistas que fizeram o documentário. Mas não há nenhuma agência governamental no país que possa devolver a reputação a Torben ou garantir sua liberdade se ele voltar.

Torben agora espera para ver se seu pedido de asilo será aprovado e diz que sonha em iniciar um Centro Jesus como o da Dinamarca nos EUA.

veja também