Heróis da Fé: Gladys Aylward, uma notável missionária na China

Gladys Aylward atravessou a Europa, navegou até o Japão, e finalmente chegou ao seu destino, Yangcheng, no centro da China.

fonte: Guiame, com informações do Anglican

Atualizado: Quinta-feira, 8 Abril de 2021 as 2:09

Gladys Aylward se dedicou à pregação do Evangelho na China. (Foto: Reprodução / Nieuw Leven)
Gladys Aylward se dedicou à pregação do Evangelho na China. (Foto: Reprodução / Nieuw Leven)

Gladys Aylward nasceu no norte de Londres em 1902 em uma família da classe trabalhadora e teve apenas uma educação limitada. Ela era uma mulher de baixa estatura, com apenas 1,47 metro de altura, e sotaque cockney.

Ela trabalhou por vários anos como assistente social, e após participar de uma reunião de avivamento na qual o pregador falou sobre dedicar a vida ao serviço de Deus, Gladys respondeu à mensagem e logo se convenceu de que havia sido chamada para pregar o Evangelho na China.

Aos 26 anos, ela se inscreveu no China Inland Missi Centre em Londres para um curso de três meses para avaliar sua adequação. Gladys foi rejeitada após ser avaliada de que dificilmente aprenderia a difícil língua chinesa e seria incapaz de lidar com a vida no Extremo Oriente.

Decepcionada, Gladys voltou ao serviço anterior, mas sua visão para a China continuou a estimulá-la. Ela trabalhou em outros empregos e economizou dinheiro. Então ela ouviu falar de uma missionária de 73 anos, a Sra. Jeannie Lawson, que servia na China e estava procurando uma mulher mais jovem para continuar seu trabalho.

Gladys escreveu para a Sra. Lawson e foi aceita para ir para a China. Como ela não tinha dinheiro suficiente para a passagem do navio, decidiu ir de trem. Assim, em outubro de 1930 a jovem partiu de Londres com seu passaporte, sua Bíblia, suas passagens e duas libras e nove pence, para viajar para a China pela Ferrovia Transiberiana, apesar do fato de que a China e a União Soviética estavam envolvidas em uma guerra não declarada.

Após atravessar a Europa passando por Vladivostok e navegando até o Japão, em uma jornada perigosa, depois de cinco semanas e meia, ela finalmente chegou ao seu destino, Yangcheng, no centro da China.

Ao lado da missionária idosa, Gladys mergulhou na língua e na cultura chinesa, adotando as roupas locais. Enfim, ela se tornou fluente em chinês, o que havia sido dito que ela não conseguiria.

Ocorreu às duas mulheres que a maneira mais eficaz de pregar seria abrir uma pousada. Assim, uma antiga pousada foi alugada e batizada de A Pousada das Oito Felicidades em homenagem aos oito valores nobres: amor, virtude, gentileza, tolerância, lealdade, verdade, beleza e devoção.

Os clientes recebiam boa comida e camas quentes, suas mulas eram bem cuidadas e havia entretenimento gratuito à noite - os guardas contavam histórias sobre um homem chamado Jesus. A pousada ofereceu uma excelente oportunidade para compartilhar o Evangelho e, nos anos seguintes, Gladys levou muitas pessoas a Cristo.

As autoridades locais aprovaram Gladys e quando o governo proibiu a prática tradicional de amarrar os pés de meninas, ela foi nomeada como inspetora oficial para verificar se a lei estava sendo obedecida. Ela exigiu - e recebeu - o direito de falar às mulheres e meninas sobre Jesus no decorrer de seu trabalho. A missionária foi até chamada para intervir em um levante assassino na prisão e não apenas sufocou o motim, mas foi capaz de melhorar as condições para os prisioneiros. Gladys logo se viu cuidando de um número crescente de órfãos. Seus esforços em ajudar as pessoas lhe valeram o nome de ‘Ai-weh-deh’, que significa ‘Virtuosa’.

Em 1937, a China se envolveu em um complicado e sangrento conflito tripartido entre o governo, os insurgentes comunistas comandados por Mao Tse Tung e o exército japonês invasor. Querendo se identificar com aqueles a quem servia, Gladys abandonou sua nacionalidade britânica e tornou-se cidadã chinesa. Depois de um avanço japonês, ela se viu atrás das linhas inimigas; ela relatou informações às autoridades chinesas, uma ação que eventualmente a levou a aparecer em um pôster japonês de ‘Procurado’.

A guerra piorou e Gladys foi ferida em um bombardeio. Percebendo que seus órfãos precisavam ser tirados da luta, ela liderou mais de cem crianças em uma jornada épica pelas montanhas em busca de segurança. Quando, após 27 dias, Gladys finalmente entregou as crianças a um orfanato fora da zona de guerra, ela teve um colapso de tifo e desnutrição.

À medida que sua saúde melhorava gradualmente, ela começou uma igreja cristã em Sian e trabalhou em outro lugar, incluindo um assentamento para leprosos em Szechuan, perto das fronteiras do Tibete. Sua saúde foi permanentemente prejudicada pelos ferimentos sofridos durante a guerra e, em 1947, ela voltou à Inglaterra para uma operação extremamente necessária.

Embora ela quisesse voltar para a China, o novo governo comunista se opôs ao Cristianismo, tornando o retorno impossível.

Gladys permaneceu na Inglaterra, pregando amplamente, antes de finalmente ir para Hong Kong, administrada pelos britânicos, e finalmente se estabelecer em Taiwan. Lá ela fundou o Orfanato Gladys Aylward, com o qual trabalhou até sua morte em 1970.

Em 1957, Alan Burgess escreveu um livro sobre ela, The Small Woman. Foi condensado no Reader's Digest e transformado em um filme chamado The Inn of the Sixth Happiness, estrelado por Ingrid Bergman.

Gladys Aylward morreu de penumonia, aos 67 anos, em 3 de janeiro de 1970.

veja também