Heróis da Fé: William Wilberforce, um líder cristão que lutou pelo abolicionismo

Político e filantropo britânico que desde 1787 foi proeminente na luta para abolir o comércio de escravos.

fonte: Guiame, com informações do Wilberforce School

Atualizado: Quinta-feira, 6 Maio de 2021 as 2:36

William Wilberforce fez da abolição de escravos sua maior luta. (Foto: Reprodução / Adam Smith)
William Wilberforce fez da abolição de escravos sua maior luta. (Foto: Reprodução / Adam Smith)

William Wilberforce nasceu em 24 de agosto de 1759, em Hull, Yorkshire, Inglaterra, em uma família de comerciantes. Ele foi educado pela primeira vez na Hull Grammar School com Joseph Milner, um ministro anglicano evangélico.

O pai de Wilberforce morreu quando ele tinha nove anos, e sua mãe o mandou para ficar perto de Londres, onde foi criado por um tio e uma tia evangélicos. Por meio dessa influência, ele veio à fé aos 12 anos de idade. Nesta casa, o jovem entrou em contato com homens como George Whitefield, o grande evangelista, e John Newton, que se converteu de uma vida de tráfico de escravos e compositor do hino Amazing Grace.

A mãe de Wilberforce e outros amigos próximos da família ficaram alarmados com o "entusiasmo" religioso do jovem William e procuraram reverter esse curso. Quando ele chegou ao St. John's College em Cambridge em 1776, seu evangelicalismo estava bem para trás, e ele era tão mundano quanto qualquer um de seus amigos, e muito popular.

Espirituoso, charmoso, erudito, eloquente e hospitaleiro, para não mencionar extremamente rico, Wilberforce como um estudante de graduação exibiu o carisma de um líder natural que atraiu amigos e seguidores para seu mundo.

Vida política

Em 1779, Wilberforce mudou-se para Londres, onde se tornou amigo de William Pitt. Ambos estavam motivados para entrar na política e Wilberforce foi eleito para o Parlamento em setembro de 1780 com 21 anos, a idade mais jovem em que alguém poderia ser eleito. Pitt logo seria o chanceler do Tesouro e, aos 24 anos, primeiro-ministro da Grã-Bretanha, e como Wilberforce e Pitt eram inseparáveis, sua carreira política avançou rapidamente.

Em 1784, embora respeitado como um dos principais debatedores do Parlamento, Wilberforce decidiu fazer uma viagem pela Europa e convidou um amigo irlandês para acompanhá-lo. Quando o amigo recusou, Wilberforce pediu a Isaac Milner, irmão de Joseph Milner (seu ex-professor), que se juntasse a ele. Isaac, um clérigo anglicano, era conhecido como um brilhante cientista e matemático de Cambridge.

Sem saber das convicções evangélicas de Milner, Wilberforce ficou surpreso ao descobrir que alguém a quem ele pudesse respeitar intelectualmente também poderia abraçar uma cosmovisão cristã. Juntos, eles leram e revisaram o Novo Testamento grego e The Rise and Progress of Religion in the Soul, de Philip Doddridge. Ao final de duas viagens à Europa, o político foi condenado por seu pecado. Ele reconheceu "um sentimento de minha grande pecaminosidade por ter negligenciado por tanto tempo as indescritíveis misericórdias de meu Deus e Salvador".

Vida cristã

Após um longo período de autoquestionamento e oração, Wilberforce chegou à sua famosa conclusão de que "Deus colocou diante de mim dois objetivos: a supressão do comércio de escravos e a reforma dos costumes" [ou seja, moralidade].

Embora devido em parte à influência de Newton, um ex-traficante de escravos, a adoção de Wilberforce pela causa antiescravista foi o efeito direto de abraçar a cosmovisão cristã. Mas esta não era uma causa popular. Wilberforce foi alvo de tiradas e ameaças de assassinato.

Apesar das ameaças à sua vida, ele apresentou um projeto de lei na Câmara dos Comuns em 1793, defendendo a abolição gradual. Por Diversas vezes ele perdeu a causa por falta de apoio de seus pares.

Nesse ínterim, Wilberforce direcionou alguns de seus esforços para outras arenas, em grande parte evangélicas ou filantrópicas. Um historiador calculou que Wilberforce era membro do comitê de cerca de 69 sociedades voluntárias. Além de seu trabalho de abolição, ele esteve consistentemente envolvido no trabalho da igreja que incluiu a Sociedade Missionária da Igreja e o envio de missionários para a Índia e África, a Sociedade Bíblica Britânica e Estrangeira, a Sociedade de Proclamação Contra o Vício e a Imoralidade, a Sociedade Escolar, a Sociedade da Escola Dominical, Sociedade para Melhorar a Condição dos Pobres, a Vice Sociedade e outras.

Filantropia

Seus esforços filantrópicos públicos foram muitos, incluindo o alívio do sofrimento dos pobres da indústria e dos refugiados franceses e estrangeiros em perigo.

A história registra Wilberforce como tendo feito importantes contribuições financeiras para pelo menos setenta dessas sociedades, e como sendo ativo em vários movimentos de reforma que incluíam reforma em cuidados hospitalares, instituições de febre, asilos, enfermarias, refugiados e penitenciárias.

Ele apoiou publicações religiosas e educação, especialmente as escolas de Hannah More, uma amiga íntima e importante reformadora da educação britânica (Gathro, William Wilberforce e Seu Círculo de Amigos).

Em 1797, ele publicou um livro, Uma Visão Prática do Sistema Religioso Prevalente dos Cristãos Professos, uma obra de teologia evangélica popular que foi altamente influente e vendeu bem na publicação e ao longo do século XIX.

Foi também naquele ano, aos 37 anos, após um breve romance, ele se casou com Barbara Ann Spooner, começando "trinta e cinco anos de felicidade não diluída". Nos 10 anos seguintes, sua vida familiar tornou-se ainda mais ocupada com o nascimento de quatro filhos e duas filhas.

Wilberforce via seu próprio papel como pai como mais importante do que seu papel como político. A decisão de Wilberforce de acabar com a escravidão nunca diminuiu. Ele se uniu em seus esforços por amigos cristãos de mentes semelhantes, conhecidos como a “Seita Clapham”. Durante vinte anos, eles trabalharam para virar a opinião pública e os líderes políticos contra os males da escravidão e a maré começou a mudar.

Luta pela abolição

Wilberforce passou a fazer lobby junto aos governos de outras nações, incluindo os Estados Unidos, para que adotassem medidas semelhantes e garantissem que as leis fossem cumpridas.

Depois de interromper o comércio de escravos, ele se dedicou pelos próximos 25 anos a acabar com a própria instituição da escravidão. Três dias antes de sua morte em 1833, ele soube que a Câmara dos Comuns havia aprovado uma lei emancipando todos os escravos do Império Britânico.

A fé de Wilberforce em Jesus Cristo o transformou de um jovem político descuidado e rico em um servidor público incansável e compassivo. Ele desenvolveu e usou seus dons de liderança e persuasão para defender incontáveis ​​esforços para melhorar a sociedade. Ele era um líder moral que votou contra seu partido quando os princípios o exigiam.

Sua parceria com seus irmãos e irmãs cristãos da seita Clapham serve como um modelo para os cristãos que trabalham juntos para realizar uma reforma significativa na sociedade. Ele persistiu por décadas nas tarefas para as quais Deus o havia chamado, apesar da doença, ameaças físicas e enorme oposição.

Quando ele morreu, 29 de julho de 1833, a nação britânica homenageou Wilberforce enterrando-o na Abadia de Westminster e erguendo uma estátua em sua memória.

veja também