História dos Apóstolos: João, o discípulo que recebeu a visão extraordinária do Apocalipse

O Evangelho de João é tido como uma das melhores ferramentas de evangelismo que os cristãos têm; até não cristãos recitam suas passagens.

Fonte: Guiame, com informações do Overview BibleAtualizado: sexta-feira, 11 de fevereiro de 2022 18:03
O ator George Xanthis interpreta o apóstolo João em "The Chosen". (Foto: Reprodução / The Chosen)
O ator George Xanthis interpreta o apóstolo João em "The Chosen". (Foto: Reprodução / The Chosen)

O apóstolo João foi um dos 12 discípulos de Jesus Cristo e um líder proeminente na igreja cristã primitiva. Junto com Tiago e Pedro, João era um dos confidentes mais próximos de Jesus, então ele aparece em mais relatos bíblicos do que os outros discípulos.

João é tradicionalmente considerado o autor de cinco livros da Bíblia: o Evangelho de João, as epístolas 1 João, 2 João e 3 João, e o Livro do Apocalipse, embora alguns estudiosos da Bíblia contestem qual deles (se houver) ele realmente escreveu. Ele também se acredita ser o único discípulo que morreu de velhice (os outros foram supostamente martirizados).

Fontes antigas podem ou não se referir ao apóstolo João por vários outros nomes, incluindo João de Patmos (porque ele foi exilado na ilha de Patmos), João Evangelista, João, o Velho, João Presbítero e o Discípulo Amado, embora não está claro se todos (ou algum) desses nomes de fato se referem a este João. Também vale a pena notar: João, o discípulo de Jesus, não é a mesma pessoa que João Batista, que era primo de Jesus.

Vamos explorar o que a Bíblia diz sobre ele, o que podemos extrair de outras fontes antigas e as coisas que ainda não sabemos com certeza.

Para começar, aqui estão alguns fatos rápidos sobre essa conhecida figura bíblica.

Quem foi João?

A maior parte do que sabemos sobre João vem da própria Bíblia, particularmente dos Evangelhos. Curiosamente, o apóstolo João é mencionado pelo nome em todos os Evangelhos, exceto no que leva seu nome. De acordo com os Evangelhos Sinóticos (Mateus, Marcos e Lucas), João foi um dos primeiros discípulos que Jesus chamou para segui-lo. Como muitos dos discípulos de Jesus, ele era pescador de profissão.

“Saindo dali, viu outros dois irmãos, Tiago, filho de Zebedeu, e seu irmão João. Eles estavam em um barco com seu pai Zebedeu, preparando suas redes. Jesus os chamou, e logo eles deixaram o barco e seu pai e o seguiram.” — Mateus 4:21–22

Um pilar da igreja cristã primitiva

Quando Paulo escreveu sua carta aos Gálatas, um falso mestre lhes disse que para seguir a Cristo, eles precisavam seguir a Lei Mosaica. Isso é o oposto do que Paulo estava ensinando a eles. Para provar que estava certo em pregar o Evangelho aos gentios e ensinar que eles não precisavam seguir a Lei para serem salvos, Paulo apelou aos apóstolos. Particularmente, os três apóstolos que tinham mais autoridade: Pedro, Tiago e João.

Paulo faz questão de dizer que mesmo esses três apóstolos não tinham nada a acrescentar ao Evangelho que ele pregava - então por que os gálatas ouviriam outra pessoa e deixariam algum professor aleatório adicionar o peso da Lei às boas novas de Cristo?

“Pelo contrário, eles reconheceram que eu havia sido encarregado de pregar o evangelho aos incircuncisos, assim como Pedro aos circuncidados. Pois Deus, que operou em Pedro como apóstolo para os circuncisos, também operou em mim como apóstolo para os gentios. Tiago, Cefas [Pedro] e João, aqueles estimados como colunas, deram a mim e a Barnabé a mão direita da comunhão quando reconheceram a graça que me foi dada. Eles concordaram que deveríamos ir aos Gentios, e eles aos circuncidados.” — Gálatas 2:7–9

Paulo se refere a Pedro, Tiago e João como pilares da igreja porque eles desempenharam um papel integral no apoio, edificação e manutenção do movimento cristão. A igreja primitiva permaneceu em sua liderança. Quando houve disputas sobre como exatamente os cristãos deveriam se comportar e como era seguir a Jesus, a igreja apelou para esses três discípulos originais de Jesus, que testemunharam mais de seu ministério pessoal do que qualquer outra pessoa.

Parte do círculo íntimo de Jesus

João era um dos três discípulos mais próximos de Jesus. Há três vezes nos Evangelhos sinóticos em que Pedro, Tiago e João testemunham Jesus fazendo coisas que ninguém mais viu.

Jesus ressuscita a filha de Jairo dos mortos e não permite que mais ninguém assista além desses três (Marcos 5:37).

Jesus leva Pedro, Tiago e João ao topo de uma montanha, onde é transfigurado diante deles. Jesus fala com Moisés e Elias, e João é uma das três únicas pessoas a testemunhar sua glória (Mateus 17:1-11, Marcos 9:2-8, Lucas 9:28-36).

Na noite de sua traição, no Jardim do Getsêmani, Jesus leva consigo Pedro, Tiago e João para orar e pede-lhes que vigiem (Mateus 26:36-46).

Esses três momentos capturam o relacionamento especial que João teve com Jesus e, de acordo com o Evangelho que leva seu nome, João pode ter tido um relacionamento ainda mais privilegiado com Jesus (ou talvez esteja apenas se gabando).

Aquele a quem Jesus amava?

João (o discípulo) nunca é mencionado no Evangelho de João. Nos escritos antigos, era comum os escritores se omitirem de um relato ou usarem descrições de terceira pessoa para disfarçar sua identidade. No Evangelho de João, o autor usa “aquele a quem Jesus amava” cinco vezes para se referir a um discípulo que era particularmente próximo de Jesus. Aparece em João 13:23, João 19:26, João 20:2, João 21:7 e João 21:20.

Sabemos pelo contexto que este título não se refere a Pedro (“aquele a quem Jesus amava” interage com Pedro), e os estudiosos acreditam que Tiago morreu cedo demais para ter escrito este Evangelho (ele é executado em Atos 12:2).

O autor posiciona claramente “aquele a quem Jesus amava” como um dos discípulos mais importantes, talvez tendo o relacionamento mais próximo com Jesus. Curiosamente, com uma exceção, sempre que o discípulo amado é mencionado, tende a contrastar com Pedro.

Por exemplo, na Última Ceia, Pedro pede “aquele a quem Jesus amava” que pergunte a Jesus quem o trairá:

“Um deles, o discípulo a quem Jesus amava, estava reclinado ao lado dele. Simão Pedro acenou para este discípulo e disse: 'Pergunte-lhe qual ele quer dizer.' Recostando-se em Jesus, perguntou-lhe: 'Senhor, quem é?'” — João 13:23-24

E uma vez que Jesus é traído e preso no jardim do Getsêmani, apenas dois discípulos seguem Jesus ao seu julgamento à distância: Pedro e o discípulo amado. Enquanto o discípulo amado puxa algumas cordas para aproximar Pedro de Jesus, Pedro nega qualquer associação com o Senhor (João 18:15-17).

Mas talvez o exemplo mais conhecido de “aquele a quem Jesus amava” venha em João 20 depois que Jesus morreu na cruz, quando Maria Madalena descobre o túmulo vazio.

“Então ela veio correndo para Simão Pedro e o outro discípulo, aquele que Jesus amava, e disse: 'Eles tiraram o Senhor do sepulcro, e não sabemos onde o colocaram!' Então Pedro e o outro discípulo foram para o túmulo. Ambos corriam, mas o outro discípulo ultrapassou Pedro e chegou primeiro ao túmulo. Ele se inclinou e olhou para as faixas de linho que estavam ali, mas não entrou. Então Simão Pedro veio atrás dele e foi direto para o túmulo. Ele viu as faixas de linho ali, bem como o pano que havia enrolado a cabeça de Jesus. O pano ainda estava em seu lugar, separado do linho. Por fim, o outro discípulo, que havia chegado primeiro ao túmulo, também entrou”. — João 20:2–9

Caso você tenha perdido as três referências a ele, aquele a quem Jesus amava era mais rápido que Pedro. A tradição associa “o discípulo amado” a João desde pelo menos o segundo século, mas nem todos os estudiosos concordam que isso se refere a ele.

Um discípulo de João Batista?

É possível que João fosse realmente um discípulo de João Batista antes de começar a seguir Jesus. O autor do Evangelho de João nunca revela sua identidade, mas há indícios de que poderia ser João, o Apóstolo, e a tradição da igreja aceita sua autoria há mais de um milênio. No relato do Evangelho de João sobre Jesus chamando os discípulos, alguns especulam que o autor se omite da história (como o autor costuma fazer neste Evangelho), enquanto também sugere que eles eram um discípulo de João Batista:

“No dia seguinte, João estava lá novamente com dois de seus discípulos. Quando ele viu Jesus passando, ele disse: 'Olha, o Cordeiro de Deus!' Quando os dois discípulos o ouviram dizer isso, seguiram Jesus. Voltando-se, Jesus os viu seguindo e perguntou: 'O que vocês querem?' Eles disseram: 'Rabi' (que significa 'Professor'), 'onde você está hospedado?' 'Venha', ele respondeu, 'e você verá'. Então eles foram e viram onde ele estava hospedado, e passaram aquele dia com ele. Eram cerca de quatro horas da tarde. André, irmão de Simão Pedro, foi um dos dois que ouviram o que João havia dito e que seguiram Jesus. A primeira coisa que André fez foi encontrar seu irmão Simão e dizer-lhe: 'Encontramos o Messias' (isto é, o Cristo). E ele o trouxe a Jesus”. — João 1:35–42a

De qualquer forma, sabemos que João foi um dos seguidores mais próximos do primo de João Batista (Jesus).

O discípulo João escreveu o Evangelho de João?

No capítulo final do Evangelho de João, o autor afirma explicitamente que “o discípulo a quem Jesus amava” é o autor:

“Pedro virou-se e viu que o discípulo que Jesus amava os seguia. (Este era aquele que se recostou em Jesus na ceia e disse: “Senhor, quem vai trair você?”) Quando Pedro o viu, perguntou: “Senhor, e ele?” Jesus respondeu: “Se eu quero que ele permaneça vivo até que eu volte, o que é isso para você? Você deve me seguir.” Por causa disso, espalhou-se entre os crentes o boato de que esse discípulo não morreria. Mas Jesus não disse que não morreria; ele apenas disse: “Se eu quiser que ele permaneça vivo até eu voltar, o que é isso para você?” Este é o discípulo que dá testemunho destas coisas e que as escreveu. Sabemos que seu testemunho é verdadeiro.” — João 21:20–24

Este é o único Evangelho que afirma ter sido escrito por uma testemunha ocular. E alguns dos primeiros cristãos afirmaram que essa testemunha ocular foi o apóstolo João.

Em Contra as Heresias, o pai da igreja primitiva Irineu escreveu que o Evangelho foi escrito para abordar antigos ensinamentos gnósticos que circulavam ao mesmo tempo que a igreja. Irineu identifica especificamente o autor como João, o Apóstolo:

“João, o discípulo do Senhor, que também se apoiou em Seu peito [e] publicou ele mesmo um Evangelho durante sua residência em Éfeso, na Ásia . . .”

E Eusébio de Cesareia, conhecido como o pai da história da igreja, citou Clemente de Alexandria (não confundir com Clemente de Roma) dizendo:

“Tendo Pedro pregado a palavra publicamente em Roma e proclamado o Evangelho pelo Espírito, os que estavam presentes, que eram numerosos, suplicaram a Marcos, visto que ele o assistia desde cedo, e lembrava-se do que havia sido dito, que escrevesse abaixo o que foi falado. Ao compor o Evangelho, ele o entregou àqueles que lhe haviam feito o pedido; que chegando ao conhecimento de Pedro, ele não impediu nem encorajou. Mas João, o último de todos, vendo que o que era corpóreo foi estabelecido nos Evangelhos, a pedido de seus amigos íntimos, e inspirado pelo Espírito, compôs um Evangelho espiritual”.

João escreveu o livro do Apocalipse?

O livro do Apocalipse é tradicionalmente atribuído ao apóstolo João (embora também alguns cristãos contestam isso desde o século IV, atribuindo o livro a João de Patmos).

O Livro do Apocalipse é bastante enfático ao dizer que foi escrito por alguém chamado João, e que ele estava na ilha de Patmos quando recebeu a revelação de Jesus Cristo.

“Eu, João, seu irmão e companheiro no sofrimento e no reino e na paciência que temos em Jesus, estive na ilha de Patmos por causa da palavra de Deus e do testemunho de Jesus. No dia do Senhor eu estava no Espírito, e ouvi atrás de mim uma voz forte como uma trombeta, que dizia: 'Escreve num rolo o que vês e envia-o às sete igrejas: Éfeso, Esmirna, Pérgamo, Tiatira, Sardes, Filadélfia e Laodiceia.'” — Apocalipse 1:9–11

No início do segundo século, Justino Mártir foi o primeiro a sugerir que este João era o apóstolo João e, desde então, muitos cristãos presumiram que João, o apóstolo, foi exilado em Patmos por pregar o Evangelho.

Mas mesmo no século IV, alguns historiadores acreditavam que este era um escritor cristão diferente chamado João, que era próximo de Jesus. Eusébio de Cesareia argumentou que essa pessoa era João, o Presbítero, uma figura enigmática que aparece pela primeira vez nos escritos do pai da igreja do primeiro século, Papias de Hierápolis. Eusébio foi o primeiro a distinguir João, o Presbítero, de João, o Apóstolo, com base nos escritos de Papias.

João escreveu 1 João, 2 João e 3 João?

A maioria dos estudiosos hoje acredita que o mesmo autor escreveu 1 João, 2 João e 3 João, mas nem todos acreditam que esse autor foi o apóstolo João. A tradição afirma que ele escreveu todos eles, e 1 João tem muitas correlações de conteúdo com o Evangelho de João (luz, trevas, etc.), mas também há algumas diferenças no estilo gramatical. (Esses são bem complicados, com frases condicionais, pronomes demonstrativos, etc.)

Escritores antigos também contestaram a autoria das epístolas joaninas. Jerônimo, o teólogo do século IV que produziu a Vulgata Latina, concordou com a conclusão de Eusébio sobre João, o Presbítero, e prosseguiu argumentando que enquanto João, o Apóstolo, escreveu o Evangelho de João e 1 João, um João diferente escreveu 2 João e 3 João.

“Parece através deste catálogo de nomes que o João que é colocado entre os discípulos não é o mesmo que o João mais velho que ele coloca depois de Aristion em sua enumeração. Isso dizemos, além disso, por causa da opinião mencionada acima, onde registramos que é declarado por muitos que as duas últimas epístolas de João não são obra do apóstolo, mas do presbítero”. — Sobre Homens Ilustres

Jerônimo e Eusébio também sugeriram que as introduções dessas três cartas faziam parecer que não foram todas escritas pela mesma pessoa. (Em outras palavras, João, o Presbítero, escreveu a segunda e a terceira epístolas.)

Mas Irineu, que viveu antes de Jerônimo e Eusébio, faz referência a 1 e 2 João e afirma estar citando o apóstolo João.

Então, o que fazemos com isso? Algumas das primeiras referências às cartas atribuem-nas ao apóstolo João, e a tradição da igreja o mantém como autor desde então. Pode-se argumentar que ele não os escreveu, mas também há fortes contra-argumentos. No final, não podemos dizer com certeza se ele as escreveu ou não.

Como João morreu?

A tradição da Igreja sustenta que João foi o único apóstolo a morrer de velhice. Os demais foram martirizados por sua fé.

Antes de Jesus morrer na cruz, ele confiou sua mãe Maria aos cuidados de João - assumindo que João realmente é o discípulo amado (João 19:26-27). Quando Maria morreu, João foi para Éfeso e escreveu suas três epístolas. Depois foi exilado para Patmos por pregar o Evangelho, onde recebeu a revelação de Cristo e escreveu o livro do Apocalipse. Eventualmente, ele voltou para Éfeso e morreu uma morte comum em algum momento depois de 98 dC.

Tertuliano, um escritor cristão do final do século II e início do III, escreveu que antes de os romanos banirem João, eles o levaram para um coliseu e o mergulharam em um tanque de óleo fervente. Quando ele saiu ileso, todo o coliseu se converteu ao cristianismo.

Ao longo de sua vida posterior, João também teve alguns alunos significativos. Policarpo (que acabou se tornando bispo de Esmirna) aprendeu com João e depois ensinou Irineu. João também ensinou Inácio de Antioquia, a quem Pedro eventualmente nomeou bispo de Antioquia. E Papias de Hierápolis também aprendeu diretamente com João.

Um pilar sobre o qual a igreja ainda se apoia

O apóstolo João é uma figura evangélica bem conhecida. Fosse ele “aquele a quem Jesus amava” ou não, ele era um dos seguidores mais próximos de Jesus e testemunhou mais do ministério de Jesus do que quase qualquer outra pessoa. É por isso que a igreja cristã primitiva se apoiou em sua visão sobre a vida e os ensinamentos de Cristo, e por que outros líderes como Paulo apelaram para sua autoridade (Gálatas 2:9).

Séculos após sua morte, à medida que a igreja desconstruiu crenças heréticas, os escritos de João ajudariam a ancorar os cristãos em sua compreensão da preeminência de Jesus (Jo 1:1-4) e seu relacionamento com o Pai (Jo 3:16).

Hoje, o Evangelho de João é uma das melhores ferramentas de evangelismo que os cristãos têm — se não a melhor. Passagens de seus escritos se tornaram nossa definição de Deus (1 João 4:8), e outras se tornaram tão onipresentes que até mesmo muitos não cristãos as conhecem de cor.

Talvez nunca saibamos com absoluta certeza quanto o próprio apóstolo João escreveu. E nunca seremos capazes de medir o impacto que ele teve no cristianismo e no mundo.

Siga-nos

Mais do Guiame

O Guiame utiliza cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência acordo com a nossa Politica de privacidade e, ao continuar navegando você concorda com essas condições