Idosos que têm vida de oração sentem maior bem-estar, afirmam pesquisadores

As pessoas mais velhas que se sentem próximas de Deus têm uma sensação de bem-estar maior.

Fonte: GuiameAtualizado: segunda-feira, 23 de maio de 2022 17:48
(Foto: Pixabay)
(Foto: Pixabay)

Pessoas que envelhecem mais apegadas a Deus são mais propensas a ter uma sensação de bem-estar, segundo da Baylor University.

O estudo, publicado no Journal of Aging and Health, indica que quanto mais as pessoas oram, maior sua sensação de bem estar. Por outro lado, aqueles que se estão mais distantes de Deus não recebem o mesmo benefício.

Para o estudo, os pesquisadores definem a sensação de bem-estar com base em três pontos: otimismo, autoestima e contentamento com a vida. Eles descobriram que para todas elas, existe uma relação entre a comunhão com Deus e a oração.

“A oração pode estar associada ter a mais ou menos bem-estar, dependendo de como você percebe Deus”, disse o pesquisador Blake Kent, doutor em sociologia da religião. “Em poucas palavras, os benefícios psicológicos da oração parecem depender da qualidade do relacionamento de uma pessoa com Deus.”

O estudo de Kent e principal autor, Matt Bradshaw, Ph.D., professor assistente de sociologia na Faculdade de Artes e Ciências, descobriu que a maneira como a pessoa percebe a Deus também influencia em seu bem-estar.

“Deus é visto como alguém que dá segurança e proteção? Então a oração parece ter um benefício positivo. Deus é visto como alguém distante, ou mesmo não confiável? Então pode ser uma história diferente”, disse Kent. 

“Quando você não consegue confiar em Deus, a oração não é associada à confiança nos cuidados Dele, mas à incerteza e ansiedade. Há uma percepção geral de que a oração é automaticamente boa para o seu bem-estar. Isso pode não ser o caso para todos, porque tal percepção pressupõe que Deus irá responder e que é confiável. Mas muitas pessoas não experimentam Deus dessa maneira”, avalia o pesquisador.

Percepção de Deus

Bradshaw e Kent analisaram dados da Pesquisa Nacional de Religião, Envelhecimento e Saúde dos Estados Unidos. Os 1.024 entrevistados tinham pelo menos 65 anos.

Bradshaw e Kent observaram que a percepção de Deus como amoroso é importante entre os idosos que lidam com problemas de saúde, discriminação por idade, perda de amigos e talvez perdas financeiras devido à aposentadoria. 

Além disso, muitos idosos querem acertar as coisas e obter resolução em suas vidas pessoais com familiares e amigos, à medida que envelhecem.

“Nós argumentamos que isso também ocorre no relacionamento com Deus”, escreveram eles. “Um Deus amoroso e solidário que também é onipotente, onipresente e onisciente pode fornecer considerável conforto, segurança e resiliência aos crentes que estão se aproximando do fim de suas vidas”.

Siga-nos

Mais do Guiame

O Guiame utiliza cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência acordo com a nossa Politica de privacidade e, ao continuar navegando você concorda com essas condições