Igreja leva serenatas para idosos em isolamento em Mogi das Cruzes

As serenatas surgiram por meio do projeto “Compartilhando Amor”, que há cinco anos oferece atividades sociais na cidade.

fonte: Guiame, com informações do G1

Atualizado: Terça-feira, 9 Fevereiro de 2021 as 10:51

As serenatas foram resgatadas por um grupo de Mogi das Cruzes ao levar o estilo musical para a comunidade local. Devido à pandemia da Covid-19, a Primeira Igreja Batista (PIB) da cidade decidiu recuperar o costume dos versos cantados à janela para levar carinho e conforto aos idosos que estão em isolamento.

A ação é do projeto ‘Serestando’, que resgata o ambiente das serenatas com os integrantes do grupo usando trajes vintages e apresentando um repertório que leva canções de fé e esperança.

“O trabalho é dos diáconos da nossa Igreja, com a liderança do irmãos Yuri e Silvana”, explica o Pr. Frank Medina, colunista do Guiame.

O grupo já fez mais de 50 visitas e contabiliza histórias emocionantes. Além de acolher o próximo, o projeto também aquece o coração de quem o executa. É a alegria na felicidade do outro e a confiança de que dias melhores virão.

Integrantes do Projeto ‘Serestando’. (Foto: Reprodução / PIB Mogi das Cruzes)

“A gente não toca só a pessoa que está recebendo a serenata. A gente toca ao redor. A gente toca os vizinhos. Às vezes os vizinhos saem para ver a gente. Agradecem, batem palma. Esses dias a gente fez serenata para uma senhora e tinha duas vizinhas ao lado. A família toda saiu e pediu para que a gente fosse lá cantar na casa deles”, comenta Silvana Massa Checan, assistente social voluntária da PIB.

“A gente viu que, realmente, vale a pena levar um pouquinho de amor para as pessoas. Eu acho, na realidade, que quem ganha mais somos nós. É tão gratificante”.

Compartilhando amor

As serenatas surgiram por meio do projeto “Compartilhando Amor”, que há cinco anos oferece atividades sociais na cidade. Silvana conta que as serenatas chegaram a ser realizadas em anos anteriores, mas que o projeto acabou ficando de lado. Durante o distanciamento social, a ideia voltou com força.

“A gente viu a necessidade dos nossos idosos, que não estavam indo à igreja porque fazem parte do grupo de risco. Nós começamos a visitá-los. Mas, começamos a ver que outras pessoas também estavam precisando. Pessoas mais jovens, mas que fazem parte do grupo de risco, pessoas que estavam fazendo aniversário. Foi tomando uma proporção e a gente está até agora fazendo as serenatas”.

Inicialmente, o foco do projeto era visitar apenas os membros da igreja. Depois, com a repercussão, eles decidiram atender todos os interessados, frequentadores ou não da PIB. As serenatas contam com a participação de até 10 integrantes do projeto, sendo que nem todos são músicos profissionais. Mesmo assim, a assistente social garante que tudo é pensado com cuidado para proporcionar uma experiência inesquecível.

“Primeiro a gente faz contato com o familiar. O familiar é nosso cúmplice. Ele faz com que a pessoa esteja disponível naquele momento, porque não pode ser muito tarde. A caracterização é própria. A gente coloca meia calça, saia, chapeuzinho. Os homens com gravatinha borboleta, chapéu, suspensório. A gente pensa em montar lá um ambiente, uma forma como eles também se sintam amados”, diz.

Idoso recebe Projeto ‘Serestando’ na porta de casa. (Foto: Reprodução / PIB Mogi das Cruzes)

“É tudo muito pensado. As músicas são louvores que eles conhecem, que todos conheçam. Não só da igreja batista, mas em geral. Pode ser músicas religiosas, mas que são de conhecimentos do católico, do espírita. Músicas de fé”.

As visitas são iniciadas por volta das 20h e seguem até 22h30. Depois de combinar secretamente com a família do homenageado, o grupo vai até a casa e, do portão, inicia a cantoria. A primeira música é um convite: “sabe quem está batendo na portinha do seu coração?”, questiona o verso. “Abre a porta, querido, a noite está tão linda. A serenata é para você”, continua.

Emoção

Quando abre a porta, o visitado é surpreendido pelo grupo, que canta cerca de três músicas antes de partir dali para a próxima casa da noite. Embora o repertório pareça pequeno, a assistente social garante que é o suficiente para render boas histórias e muita emoção.

“Teve uma visita que foi bem emocionante. Era uma irmã que sempre foi ativa, ela foi muito ativa. Ela cantava no coral. Aquela pessoa com quem a gente poderia contar o tempo inteiro. Ela ficou na igreja mais de 30 anos, só que ela ficou doente e já tem mais de cinco anos que ela está acamada e agora não fala”.

“Aí nós preparamos com as filhas, da filha levar a cadeira de rodas lá fora. Nós começamos a cantar, ela viu. Ela chorava, ela começava a cantar e ela tentava falar, mas ela não conseguia, porque ela não consegue. Foi muito emocionante também”, relembra.

“A gente passa a semana tão corrida. Aí chega a sexta-feira, um está saindo do serviço, um está correndo, as vezes está chovendo. Aí a gente se prepara, a gente vai todo caracterizado. Ali a gente começa a ver que um sorriso, um agradecimento, realmente faz bem para o próximo”.

Cestas básicas

Além das serenatas, durante a pandemia, a PIB de Mogi das Cruzes também atuou com a distribuição de cestas básicas para famílias carentes. De acordo com Silvana, foram mais de 25 toneladas de alimentos, totalizando mais de 1,5 mil kits distribuídos. Durante as serenatas, o grupo também se dedicou a distribuir “mimos”, que vão de bolos a panos de prato, para quem está sendo visitado.

Projeto ‘Serestando’ também entrega alimentos e mimos aos visitados. (Foto: Reprodução / PIB Mogi das Cruzes)

Com a crise econômica provocada pelo novo coronavírus, a busca pelas cestas aumentou. O problema é que, com tanta gente precisando, faltam doações para ajudar todo mundo. A assistente social acredita que a demanda deve crescer em 2021, devido ao fim do pagamento do auxílio emergencial por parte do Governo Federal.

“Acho que de dois meses para cá, devido a situação financeira das pessoas também, ficou muito instável. As doações deram uma caída. A procura é muito grande. Infelizmente não dá para atender. A gente chegou a ter fila de espera de 200 pessoas”.

A igreja continua recebendo doações de alimentos. Para ajudar, basta entrar em contato pelo telefone (11) 4726-6515. O endereço é o Rua Barão de Jaceguai, 1019, no Centro.

veja também