Igrejas da Inglaterra declaram dia nacional de oração contra o coronavírus

O movimento Igrejas Juntas na Inglaterra está à frente do chamado aos cristãos à oração pela pandemia.

fonte: Guiame, com informações do Premier

Atualizado: Quarta-feira, 18 Março de 2020 as 11:52

As bandeiras alinhadas em frente do Palácio de Buckingham, Londres. (Foto: Reprodução/Getty)
As bandeiras alinhadas em frente do Palácio de Buckingham, Londres. (Foto: Reprodução/Getty)

As igrejas cristãs da Inglaterra se uniram para proclamar que domingo (22) seja o dia nacional de oração pela pandemia global de coronavírus.

As orações devem ser feitas mesmo que as igrejas tenham optado pelos cultos online.

O pastor Agu Irukwu, representante pentecostal, é um dos que está à frente do movimento chamado “Igrejas Juntas na Inglaterra”.

"Neste domingo, 22 de março, estamos chamando todas as igrejas para um Dia Nacional de Oração e Ação. Em um momento como este, quando tantas pessoas têm medo e há grande incerteza, somos lembrados de nossa dependência de nosso amoroso Pai Celestial e o futuro que ele guarda”, diz o comunicado conjunto.

"Se você continua a adorar como congregações ou não, temos o grande privilégio e liberdade de poder invocar a Deus, onde quer que estejamos, individual e corporativamente, pela cura em nossa nação”, declara.

“Oramos por todos na liderança neste tempo, tomar decisões sobre a contenção do vírus COVID-19, para aqueles que trabalham com assistência social e de saúde e, especialmente, para os mais vulneráveis, idosos ou pessoas com condições de saúde subjacentes”, diz o comunicado.

Solidariedade

O comunicado conjunto diz ainda sobre as pessoas que estão se disponibilizando a ter atitudes cristãs, desde que com segurança.

"Já se contam histórias de maravilhosos atos de bondade nos bairros. Além de suas orações, aproveite a oportunidade de telefonar ou enviar um e-mail para alguém isolado, comprar comida adicional para o seu banco de alimentos local ou oferecer compras para um vizinho idoso. Podemos não ser capazes de nos tocar fisicamente, mas podemos fazer conexões de muitas outras maneiras”, declara.

veja também