Incêndio em Notre-Dame nos comove mais do que cristãos explodidos, lamenta sacerdote

O sacerdote anglicano Giles Fraser questionou a insensibilidade do mundo ocidental em relação à perseguição aos cristãos.

fonte: Guiame, com informações do Christian Today

Atualizado: Segunda-feira, 22 Abril de 2019 as 12:37

Lalitha chora sobre o caixão da sobrinha de 12 anos, Sneha Savindi, que foi vítima do ataque à igreja de St. Sebastian, no domingo de Páscoa, no Sri Lanka. (Foto: AP Photo/Gemunu Amarasinghe)
Lalitha chora sobre o caixão da sobrinha de 12 anos, Sneha Savindi, que foi vítima do ataque à igreja de St. Sebastian, no domingo de Páscoa, no Sri Lanka. (Foto: AP Photo/Gemunu Amarasinghe)

Comparando a comoção das pessoas com o incêndio na Catedral de Notre-Dame com os recentes ataques a igrejas em Sri Lanka, que deixou 290 mortos até o momento, um sacerdote anglicano questionou a insensibilidade do mundo ocidental em relação à perseguição aos cristãos.

Em artigo no jornal britânico The Guardian, depois dos ataques do Domingo de Páscoa às igrejas do Sri Lanka, Giles Fraser questionou por que muitas vezes há um “silêncio ensurdecedor” do Ocidente em relação ao grupo religioso mais perseguido do mundo.

Ele contrastou a falta de cobertura da mídia sobre a situação dos cristãos em lugares como a Coreia do Norte e o Oriente Médio com o frenesi da imprensa sobre o incêndio na Catedral de Notre-Dame na semana passada.

“Estamos vivendo uma das fases mais graves da perseguição cristã na história, e a maioria das pessoas se recusa a reconhecer isso”, lamentou.

“Esses crimes horrendos farão a imprensa citar [Sri Lanka] por um dia ou dois — mas geralmente nos importamos mais com o incêndio em uma catedral famosa do que com aquelas pessoas que tiveram seus corpos explodidos em lugares menos significativos da arquitetura de adoração”, pontuou Fraser.

O sacerdote acredita que isso pode estar ligado a percepções desfavoráveis ​​do cristianismo. “Não, não é uma competição. Mas eu me pergunto se, em algum nível inconsciente, o Ocidente secular e amplamente progressista acha que o cristianismo está próximo. Eles associam o cristianismo com papas e seus exércitos, com cruzadas e inquisições, com antissemitismo, com imperialismo britânico, com apoiantes do Trump e manifestantes do aborto”.

Ele também observa que o conceito de perseguição aos cristãos no Ocidente está relacionado a algumas “pequenas desavenças” com a lei, citando casos de prisão de pregadores de rua e batalhas judiciais entre confeiteiros e casais gays por causa de pedidos de bolo.

Fraser afirma que descrever tais incidentes como perseguição “degradou a palavra” e “fez parecer uma manipulação destinada a recuperar algum lugar perdido na cultura”.

O sacerdote disse ainda que, em alguns casos, a relutância em falar sobre a perseguição cristã pode estar enraizada no medo de ser vinculada com islamofobia. “É mais fácil ficar em silêncio sobre o assassinato de cristãos do que ser visto ao lado de racistas que culpam os muçulmanos por tudo. Eu entendo isso — mas ainda não é suficiente”.

“Acreditamos que o terrorismo nunca pode apagar a proclamação das Boas Novas da Páscoa. Na Páscoa, a escuridão não tem a última palavra”, concluiu. “É por isso que as pessoas estavam indo à igreja no Sri Lanka, em primeiro lugar, para ouvir novamente esta mensagem: Cristo ressuscitou. Aleluia!”.

veja também