Islã irá superar cristianismo como maior religião do mundo em 2070, prevê pesquisa

O islamismo terá um crescimento de 73% até 2050, comparado com uma taxa de 35% para o cristianismo, segundo o estudo do Centro Pew.

fonte: Guiame, com informações de Christian Today

Atualizado: Quinta-feira, 2 Março de 2017 as 10:07

Muçulmanos na Catedral Nacional de Washington durante a oração de sexta-feira. (Foto: Reuters/Larry Downing)
Muçulmanos na Catedral Nacional de Washington durante a oração de sexta-feira. (Foto: Reuters/Larry Downing)

O islamismo poderá ser a maior religião do mundo até 2070, segundo um novo levantamento publicado esta semana pelo Centro de Pesquisa Pew.

O estudo intitulado "Muçulmanos e Islã: principais descobertas nos EUA e ao redor do mundo", sugere que o islamismo terá um crescimento de 73% até 2050, comparado com uma taxa de 35% para o cristianismo.

É estimado que toda a população mundial cresça 37% — o que significa que o Islã crescerá quase o dobro da taxa do mundo. Em 2010, os cristãos totalizaram 2,17 bilhões e os muçulmanos 1,6 bilhão. Em 2070, esses números chegarão a 2,92 bilhões e 2,76 bilhões, respectivamente.

Nos Estados Unidos, é previsto que os muçulmanos constituam 2,1% da população em 2050. Atualmente, o grupo religioso constitui apenas 1% da população. Na Europa, os muçulmanos chegarão a 10% da população, em 2050.

Por outro lado, o ateísmo e a classificação não-religiosa irão declinar, conforme indica o relatório. Enquanto esses grupos crescerão nos EUA e na Europa, em termos globais, eles vão diminuir de 16,4% da população para 13,2% até 2050.

O estudo sugere dois fatores por trás do crescimento rápido do Islã: os muçulmanos têm a maior taxa de fertilidade, com 3,1 filhos por mulher, e também têm a idade média mais jovem — 34% dos islâmicos têm menos de 15 anos.

A pesquisa indica que a maioria das pessoas que vivem em países muçulmanos têm uma visão negativa do grupo terrorista Estado Islâmico. Na maioria das vezes, a população de países predominantemente muçulmanos se demonstra preocupada com a ameaça do extremismo islâmico no Ocidente.

veja também