Lula diz que tem “jeitão de pastor” e reafirma desejo de se aproximar de evangélicos

O ex-presidente destacou que quer relembrar o tempo em que 'seu governo tratou bem os evangélicos'.

fonte: Guiame, com informações do Congresso em Foco (UOL)

Atualizado: Quinta-feira, 16 Janeiro de 2020 as 1:05

Lula falou sobre seu desejo de reaproximar o PT dos evangélicos, visando as eleições de 2022. (Imagem: TVT/Reprodução)
Lula falou sobre seu desejo de reaproximar o PT dos evangélicos, visando as eleições de 2022. (Imagem: TVT/Reprodução)

Na última quarta-feira (15), o ex-presidente Lula voltou a expressar sua vontade que o PT retome um diálogo com os evangélicos, visando as próximas eleições. Essa e outras declarações foram dadas durante uma entrevista para a ‘TV do Trabalhador’, vinculada ao partido ainda por ele influenciado.

A ideia, como já citado anteriormente, seria “resgatar” evangélicos que já votaram no PT em eleições anteriores e acabaram se tornando eleitores do atual presidente da República, Jair Bolsonaro ou também que votaram em branco ou nulo.

Durante a entrevista, Lula falou mais sobre o assunto e chegou a brincar, dizendo que tem “jeitão de pastor ou padre”.

"Eu acho que tem um espaço pra discutir religião nesse país muito grande. Eu quero entrar nessa. Eu tenho até um jeitão de ser pastor, tenho um jeitão, tô de cabelo branco... Eu posso ser pastor ou pode ser padre, é só a igreja acabar com o celibato que eu topo", disse.

Lula chegou a afirmar durante a entrevista que seu governo foi o que mais tratou bem os evangélicos.

"Eu quero que você vá perguntar pro seu Edir Macedo, pro seu Crivella quem é que tratou eles melhor, quem é que tratou eles com mais respeito e mais decência", afirmou.

Durante as eleições de 2018, grande parte das lideranças evangélicas declararam seu apoio pessoal a Jair Bolsonaro, afirmando que a ideologia da esquerda não condiz com a mensagem do Evangelho.

Destacando que vai retomar diálogo com evangélicos, Lula destacou que irá “conversar com essa gente outra vez”.

"Eu vou conversar com essa gente outra vez, o PT precisa conversar. O PT tem muita gente evangélica. O que não dá é pra você ficar quieto, o que não é uma pessoa contar uma mentira a teu respeito e você fingir que não viu. Tem que ir pra cima, com respeito, mas tem que ir pra cima", afirmou.

Mesmo defendendo um diálogo com o segmento e até de brincar que tem um “jeitão de pastor”, Lula criticou pastores, afirmando que pedem dinheiro “de forma agressiva na TV”.

"Eu vejo a agressividade que os pastores falam em alguns programas de televisão, é uma coisa muito agressiva, é quase que uma coisa violenta. Você pede dinheiro pra pessoa de uma forma agressiva, você promete um milagre pra pessoa de forma agressiva, aí se não acontece um milagre, ainda assim, é você que é culpado, porque você não tem fé. Que história que é essa?", disse.

Ser pastor

A própria Bíblia dispõe de várias atribuições sobre o que pode caracterizar um verdadeiro pastor e, ao que tudo indica, elas vão além de um mero “jeitão”, como citou o ex-presidente.

Apesar de nem sempre citar claramente o termo “pastor”, os textos se dirigem àqueles que desejam atender a um chamado de liderança espiritual.

Em Mateus 20: 25-28, por exemplo, a Bíblia destaca que é necessário ser servo e não buscar ser servido. "[...]assim como o Filho do homem não veio para ser servido, mas para servir, e para dar a sua vida em resgate de muitos".

Já em João 10:11-13, estão registradas palavras do próprio Jesus Cristo, que diferenciou bem o verdadeiro pastor de um mercenário: "Eu sou o bom Pastor; o bom Pastor dá a sua vida pelas ovelhas. Mas o mercenário, e o que não é pastor, de quem não são as ovelhas, vê vir o lobo, e deixa as ovelhas, e foge; e o lobo as arrebata e dispersa as ovelhas. Ora, o mercenário foge, porque é mercenário, e não tem cuidado das ovelhas".

Por fim, a passagem de 1 Timóteo não deixa dúvidas quanto ao chamado do pastor e como deve ser sua conduta.

"Esta é uma palavra fiel: se alguém deseja o episcopado, excelente obra deseja. Convém, pois, que o bispo seja irrepreensível, marido de uma mulher, vigilante, sóbrio, honesto, hospitaleiro, apto para ensinar; Não dado ao vinho, não espancador, não cobiçoso de torpe ganância, mas moderado, não contencioso, não avarento; Que governe bem a sua própria casa, tendo seus filhos em sujeição, com toda a modéstia (Porque, se alguém não sabe governar a sua própria casa, terá cuidado da igreja de Deus? ); Não neófito, para que, ensoberbecendo-se, não caia na condenação do diabo", diz o trecho dos versículos 1 ao 6.

veja também