Mãe de Yudi se impactou com orações na janela de hospital: “Ouvia os aparelhos e o clamor”

Tânia Maria conta que passou muito mal quando sua saturação caiu bruscamente. Foi o louvor de Yudi e de seus amigos, pela janela, que a trouxe de volta.

fonte: Guiame, Cris Beloni

Atualizado: Sexta-feira, 21 Maio de 2021 as 2:19

Yudi e a mãe, Tânia Tamashiro na porta do hospital. (Foto: Leo Franco/AgNews)
Yudi e a mãe, Tânia Tamashiro na porta do hospital. (Foto: Leo Franco/AgNews)

Em sua primeira gravação no “Yudi Cast”, o ex-apresentador de TV, Yudi Tamashiro, conversa com sua mãe, Tânia Maria, sobre tudo o que viveram em família, antes e depois da morte de seu pai.

Yudi começa contando que foi seu pai, Nelson Tamashiro, quem preparou o estúdio em sua própria casa. “Foi ele que fez esse cenário, colocou a iluminação e o painel, e ele mesmo fez a mesa. Então esse lugar faz parte da minha história e da minha família”, disse. 

“Minha primeira convidada é a minha mãe. Eu e ela temos muito o que falar para as pessoas e orientá-las nessa fase tão difícil em que o mundo se encontra. Há histórias muito vivas dentro da casa de cada um”, citou. 

“Tudo o que vivemos tem um propósito”

“Nós vivemos momentos muito difíceis, mas em tudo há um propósito”, disse Yudi. E, apesar de as coisas não saírem como o esperado, muitas vezes, isso não quer dizer que estejam fora do controle de Deus.

“Eu esperei o melhor, esperei que meu marido voltasse para casa, mas quando recebi a notícia que ele já estava com Deus, eu consegui entender que era para um renovo, porque ele já estava sofrendo com alguns problemas de saúde. E o médico avisou que se ele saísse do quadro de Covid, teria muitas sequelas”, lembrou a mãe.

Tânia explica que o desejo de querer a pessoa de volta pode, muitas vezes, ser um sentimento egoísta. “Precisamos pensar se a pessoa vai voltar e ficar bem, se vai sofrer ou ficar triste. Meu marido já ficava triste por não poder subir uma escada e ele era uma pessoa muito ativa”, compartilhou. 

“Eu senti que, realmente, chegou a hora dele e Deus o recolheu para que pudesse descansar e esperar por todos nós. Apesar de ser muito novo, eu creio que ele foi no momento certo”, observou. “Quando penso que só tivemos momentos bons, isso me renova”, acrescentou.

Poder da oração

A mãe de Yudi lembra de seu momento mais delicado no hospital, quando desfaleceu, mas permaneceu consciente e ouvindo tudo. “Naquele momento você [Yudi] estava com seus amigos, do lado de fora, perto da janela do meu quarto. Eu ouvia os aparelhos e, ao mesmo tempo, seu clamor de fundo”, lembra.

“Os médicos já estavam me levando para outro quarto de maior emergência, porque eu sentia o balançar da cama. Mas depois me levaram de volta para o mesmo quarto. Eu consegui ouvir o louvor e me acalmei”, disse.

Yudi acredita que se não tivesse clamado pela vida mãe, ela não estaria mais aqui. “E se eu não tivesse clamado pelo meu pai, não teria tido a visão que tive, vendo ele partindo para a glória”, destacou.

Frente a frente com a morte

Yudi se abre sobre a personalidade do pai. “Ele sempre foi uma pessoa fechada e não costumava dizer ‘eu te amo’. Não escutar em palavras me deixava triste. Mas, quatro horas antes de ser intubado, tive um tempo especial com ele”, lembrou.

“Quando a gente tá perto, frente a frente com a morte, sabemos que os minutos que antecedem a partida mostram o resultado de uma vida inteira. É a prova de quem fomos, o que aprendemos e o que vamos apresentar a Deus”, refletiu.

“Em quatro horas eu tirei toda a mágoa que eu tinha por não ter ouvido ‘eu te amo’, pedi desculpas por algumas coisas e fiz perguntas simples. Quando eu disse ‘eu te amo’, ele chorou e disse que também me amava”, se emocionou ao lembrar.

O cantor também lembra de ter dito ao pai para aproveitar o momento e falar com Deus. “Ele disse que conversava com Deus e aquilo acabou comigo porque era tudo o que eu precisava ouvir”, disse.

“Nossa história serve para muitas pessoas, pois o nosso choro é o caminhar do Evangelho, é o caminhar do amor”, acrescentou.

“Não se prenda somente a palavras”

A mãe de Yudi acredita que o filho ficou muito preso a somente três palavras ‘eu te amo’. Ela entende que as atitudes também podem expressar o amor de um pai para seu filho: os cuidados, a proteção e a companhia. “Seu pai te provou todos os dias que te amava demais”, disse ao filho.

Ela explica que algumas pessoas podem parecer frias porque aprenderam a ser assim com os pais. “A gente precisa aprender a respeitar o jeito das pessoas”, continuou. “Nós não precisamos ouvir o tempo todo ‘eu te amo’, mas precisamos sentir o amor através das atitudes”, reforçou.

“Somos espírito habitando num corpo”

“Antes da morte do meu pai, eu estava orando com a minha mãe e tive a visão do meu pai sendo batizado nas águas”, Yudi conta. Ele disse que sentiu muita paz e teve a certeza que seu pai estava na luz naquele momento. 

“O que me faz entender tudo isso é que cada um de nós é um espírito habitando num corpo. Meu pai simplesmente subiu e está lá esperando por nós”, concluiu.

veja também