"O que me curou foi saber que Deus está comigo", diz cantor abusado na infância

Thiago Gomes contou que sofreu abusos dos 8 aos 10 anos por um grande amigo de sua família. A notícia foi um choque para todos.

fonte: Guiame, Karlos Aires

Atualizado: Quinta-feira, 20 Julho de 2017 as 4:38

O cantor ministrou durante a Expoevangélica 2017, em Fortaleza (CE). (Foto: Reprodução/Facebook).
O cantor ministrou durante a Expoevangélica 2017, em Fortaleza (CE). (Foto: Reprodução/Facebook).

“Mais Uma Chance”, é esse novo single do cantor Thiago Gomes. O jovem de 24 anos tem muita história para contar e por isso, além de estar gravando um novo disco, lançou sua autobiografia com o título “Tiago Gomes - O outro lado: Descobrindo verdades, revelando segredos”.

Em entrevista exclusiva para o Portal Guiame, ele revelou como um abuso sexual em sua infância o impactou e como ele se viu livre de seus medos e receios. “É uma autobiografia sobre a minha história, sobre como eu cheguei até aqui, sobre a minha participação no Ídolos”, disse ele se referindo ao programa musical do SBT.

Questionado sobre como se deu sua conversão, o cantor diz: “Falar de conversão é um pouco sério. Eu nasci em um berço evangélico, mas eu posso te dizer que a minha conversão mesmo foi aos 12 anos, quando eu escrevi minha primeira música e tive meu primeiro encontro com Deus de fato”, disse ele. “A partir de então eu pude ter uma noção do que é o cristianismo”.

Thiago está em fase de gravação do seu novo projeto musical, com canções acústicas. “Nesse CD, a grande maioria das canções são minhas. Mas, eu tenho muitos amigos compositores que entendem o meu gênero musical e trazem algumas letras para mim. Então eu acabo mesclando”, contou.

“Eu lancei agora o meu novo single, ‘Mais uma chance’. Ele retrata a passagem do filho pródigo e faz uma alusão a um amigo meu que se afastou do Evangelho. Um dia orando por ele veio a composição”, revelou.

“As minhas músicas são bem intimistas. Eu passei quatro anos sem gravar e cantar e nesses quatro anos eu tive muitas experiências e composições e todas elas retratam aquilo que eu passei. Preconceito, a discriminação, a falta de oportunidade, o sofrimento que você passa para galgar um degrau”, disse.

Abuso sexual

Thiago resistiu no início, mas acabou revelando o tal segredo que ele conta em sua autobiografia. “O livro retrata na minha infância a trajetória de algo que para mim era um tabu e eu não conseguia nem falar ou lembrar daquilo que eu havia vivido. O livro foi como uma porta de escape para contar com segurança o que eu passei”, disse.

“Em 2010 eu tive a oportunidade de apoiar um projeto que fez parte da minha vida durante esse tempo e continua fazendo. Sempre que eu posso, falo dessa causa que é a pedofilia. Nessa minha trajetória de oito aos 10 anos eu sofri abusos. O livro conta sobre isso com mais detalhes. Eu cresci com esse trauma, acreditando que eu jamais seria um ser humano que iria chegar em uma mocidade normal ou que um dia eu poderia me relacionar com outras pessoas”, comentou.

“Passei um tempo sem andar na rua, passei um tempo trancado dentro de casa e não saia. Meus pais queriam ir até a polícia para registrar o caso e até mesmo chamar uma reportagem para dar mais ênfase, porque naquela época a gente não tinha tantas condições. E por um pedido meu eles não foram à delegacia, mas eu tive todo um tratamento espiritual dentro de casa. E como foi com um amigo da minha família, meu pai levou um choque muito grande, porque ele tinha esse cara como um pai”.

“Hoje eu posso viver em paz e dizer que todas as coisas cooperam para o bem daqueles que amam a Deus. O que me livrou disso tudo foi saber que Deus estava ali o tempo todo e ter a consciência do que o que eu queria era Ele. Aos 12 anos eu pude deixar tudo isso para trás, dar o primeiro passo de recomeçar a minha vida e foi onde surgiu minha primeira composição”, concluiu.

Confira o sigle "Mais uma Chance":

veja também