Travesti abandona vida gay após se converter: "Procurem Deus, Ele está voltando"

Claudemir, que aceitou Jesus em um evento cristão, afirma que a homossexualidade 'é coisa do inimigo'.

fonte: Guiame, com informações do Liberdade PB

Atualizado: Segunda-feira, 23 Outubro de 2017 as 11:37

Antes de se entregar a Jesus Cristo, Claudemir Silva Caetano vivia como travesti. Aos 19 anos ele era conhecido como Anny Letícia e, segundo entrevista, abusava do uso de drogas e se prostituía. Mas, ao participar de um evento evangélico em sua cidade, ele teve um encontro com Cristo e decidiu mudar. Na entrevista, Claudemir conta como foi resgatado das práticas perversas.

“Eu assumi para a minha mãe com 12 anos. Ela não me aceitou, então fui morar com minha tia e fui trabalhar nas casas fazendo faxina. Conheci um amigo e comecei a fazer programa. Foi assim que eu me assumi”, contou ele. “Eu usei drogas, cocaína, fumei muita maconha, mas nunca experimentei o crack”, revelou.

Questionado sobre o que fez ele largar as drogas e a prática da prostituição, ele diz: “Foi Deus, porque só Deus liberta, né? A Bíblia diz que conhecereis a Palavra e ela vos libertará”. Ele conta que agora frequenta a Igreja Batista Independente. “Deus me encontrou”.

Foi em um evento gospel de sua cidade que Claudemir foi impactado pelo Evangelho: “Eu não tinha nenhuma roupa de homem para ir, mas aquele negócio no coração pedindo para eu procurar alguma igreja para ir. Uma irmã passou na minha rua e falou que tinha o Viva Sousa. Quando eu cheguei lá a Palavra parecia que era só para mim. Sobre prostituição, drogas. Quando o pastor perguntou se alguém queria mudar de vida e aceitar a Jesus, não teve conversa. Eu levantei a mão. Na hora, até o pastor achava que eu era mulher”, comentou ele.

Sobre a homossexualidade, ele pontua: “Com certeza é coisa do inimigo”. Questionado sobre tentativas de voltar para a vida homossexual, Claudemir diz que não têm volta, mas revela que há deboches. “Só estão debochando. Mas, a Bíblia fala que muitos iriam apontar. Um já falou que eu estava louco, que era pra eu procurar um psicólogo, outro falou que não era eu. Ficam falando, criticando, mas isso aí a gente repreende em nome do Senhor Jesus”, colocou.

“Minha mãe ficou feliz, todo mundo aceitou, graças a Deus. Quando eu era homossexual tinha críticas”. E sobre a igreja, ele conta: “Os irmãos são gente boa. Eles me deram roupas, sapatos. Tenho uma amiga que me ajudou e deu roupas, cuecas, porque eu não tinha nada de homem, era tudo de mulher. São pessoas muito boas. Me ajudaram em tudo”.

“Faça sua parte que Deus te ajudará. Procurem a Deus, leiam a Bíblia, porque se eles conhecerem a verdade eles serão libertos. Procurem a Deus, porque Ele está voltando e ninguém sabe”, finalizou.

veja também