4.000 pastores protestam contra lei que pode prender quem pregar 'moralidade bíblica'

Lei canadense descreve como um "mito" a crença de que a heterossexualidade e a identidade cisgênero são preferíveis.

Fonte: Guiame, com informações da Fox News Atualizado: quarta-feira, 19 de janeiro de 2022 12:47
O pastor John MacArthur prega na Grace Community Church em Los Angeles, Califórnia. (Imagem: captura de tela do YouTube)
O pastor John MacArthur prega na Grace Community Church em Los Angeles, Califórnia. (Imagem: captura de tela do YouTube)

Milhares de pastores na América do Norte dedicaram seus sermões no domingo para afirmar a moralidade sexual bíblica, em resposta a uma nova lei canadense que, segundo alguns alertam, poderia efetivamente criminalizar tais ensinamentos.

Como iniciativa da Liberty Coalition Canada e promulgada nos Estados Unidos pelo pastor John MacArthur, de Los Angeles, o protesto recebeu o apoio de mais de 4.000 pastores que expressaram publicamente sua vontade de falar do púlpito contra o Bill C-4, informa a Fox News Digital.

A controversa legislação, que entrou em vigor em 8 de janeiro, depois de ser aprovada pelo Parlamento canadense em dezembro sem amplo debate, descreve como um "mito" a crença de que a heterossexualidade e a identidade cisgênero são preferíveis. Aconselhamento que não se alinha com essa visão de mundo agora acarreta uma sentença potencial de cinco anos de prisão.

Os críticos afirmam que a linguagem do projeto de lei é excessivamente ampla e pode até abranger conversas privadas. Vários pastores, incluindo alguns que foram presos recentemente no Canadá por manter suas igrejas abertas, desafiando as ordens de saúde do governo, explicaram à Fox News que acreditam que o escopo da nova lei pode abrir a porta para a perseguição religiosa.

'Só vai escalar'

Liderando o protesto contra o projeto de lei nos Estados Unidos está o pastor John MacArthur, cuja Igreja da Comunidade da Graça em Los Angeles ganhou um acordo de US$ 800.000 em setembro depois de brigar com autoridades estaduais e municipais por continuarem a se reunir em desafio ao governo.

MacArthur disse à Fox News que acredita que a imoralidade sexual generalizada é evidência do julgamento divino sobre uma cultura e previu maiores esforços para silenciar aqueles que se manifestam contra ela.

"Em última análise, os dissidentes, aqueles que não cederão, serão aqueles que são fiéis à Bíblia", disse ele. "E é isso que já está levando a leis que proíbem o que somos ordenados a fazer nas Escrituras, que é confrontar esse pecado. E isso só vai aumentar."

“O fato de eles identificarem isso como uma conduta criminosa que pode dar até cinco anos de prisão leva a um nível completamente diferente, porque os pastores canadenses foram presos apenas por terem cultos na igreja”, continuou ele.

Apontando legislação semelhante que já foi aprovada em vários estados, MacArthur vê o Canadá como um presságio de tendências que já se manifestam nos Estados Unidos.

"Acho que atingiu um nível lá no Canadá que ainda não atingiu aqui, mas está chegando", disse ele. "Está vindo rápido."

Alimentando o monstro

O envolvimento de MacArthur na iniciativa foi em parte por causa de um e-mail que recebeu do pastor James Coates, que foi o primeiro clérigo canadense a ser preso em nome da saúde pública.

Quando se recusou a fechar sua igreja em Edmonton no ano passado, Coates passou mais de um mês em uma prisão de segurança máxima. A aplicação da lei federal mais tarde invadiu sua igreja ao amanhecer, trancou-a e isolou-a atrás de três camadas de cerca.

Ecoando MacArthur, Coates disse à Fox News que acredita que Bill C-4 é "tudo menos amorosa" se pretende "desligar a comunidade LGBT da mensagem salvadora e transformadora do Evangelho de Jesus Cristo".

"Acredito que nosso governo está capitalizando um segmento politicamente conveniente de seu eleitorado em um esforço para desmantelar ainda mais a civilização ocidental como a conhecemos. Para fazer isso, deve proibir sua própria fundação, que está enraizada em uma visão de mundo judaico-cristã. C-4 é outro tijolo colocado neste esforço e é uma evidência de que nosso governo está sob o julgamento de Deus", disse ele.

Coates alertou que "à medida que os governos buscam autoridade totalitária sobre todos os aspectos da sociedade, é inevitável que persigam todos e quaisquer que se recusem a declarar lealdade ao estado. Como tal, a menos que a maré do totalitarismo seja contida, os cristãos podem esperar que a perseguição aumente."

O pastor Tim Stephens, que foi preso duas vezes no ano passado por manter sua igreja em Calgary aberta, também disse à Fox News que acredita que a perseguição aumentará no Canadá e em outros países ocidentais.

A segunda prisão de Stephens, que aconteceu depois que um helicóptero da polícia encontrou sua igreja reunida do lado de fora, levou o senador Josh Hawley a enviar uma carta à Comissão dos EUA sobre Liberdade Religiosa Internacional (USCIRF) pedindo que considerasse adicionar o Canadá à sua lista de observação.

"Vimos que a nova visão de mundo predominante é totalitária, buscando definir o casamento, a sexualidade e controlar as escolhas de saúde", disse Stephens. "É absolutamente intolerante com crenças opostas. Todos os movimentos socialistas e comunistas odeiam a autoridade e a lei de Deus que o cristianismo promove”.

“Grande parte da igreja no Canadá acredita que a obediência e o compromisso promoverão a paz e a liberdade, mas essa atitude apenas alimenta a besta e aumentará a perseguição e eliminará a liberdade”, acrescentou.

Stephens disse que ele e sua igreja pretendem falar com clareza sobre o que eles acreditam que a Bíblia ensina sobre sexualidade e gênero, independentemente do Bill C-4. "Isso testará a nova lei e colocará a bola na quadra do nosso governo", disse ele.

O pastor Artur Pawlowski, um pastor polonês canadense de Calgary que enfrentou repetidas prisões dramáticas depois de se recusar a limitar a frequência à igreja, descreveu o Bill C-4 como "direto da Rússia soviética".

“Nada de novo sob o sol”, disse Pawlowski, que foi ordenado por um juiz federal em outubro a recitar um roteiro denunciando suas próprias opiniões sobre a Covid-19 e vacinas, mesmo quando fala na igreja. Mais tarde, um tribunal de apelações bloqueou a decisão do discurso forçado, pendente de mais litígios.

"Eu vivi em um país que implementou leis como essa", disse Pawlowski, que se reuniu com legisladores dos EUA e alertou grandes audiências no verão passado de que os governos ocidentais se assemelham cada vez mais ao regime comunista da Polônia de onde ele fugiu quando jovem. "O governo estava dizendo o que você pode e não pode dizer."

"Eu sempre vou pregar a Bíblia inteira", continuou ele. "E se alguém vier até mim pedindo ajuda, por terapia, quero que o governo e todos saibam que nunca vou recusar esse indivíduo. E se isso me custar, que seja por ajuda, eu não vou me afastar."

'Uma onda sombria de hostilidade'

O pastor Andrew Brunson, um missionário cuja prisão injusta em 2016 mergulhou a Turquia em uma disputa diplomática com os Estados Unidos, vem alertando desde sua libertação dramática e de alto risco em 2018 que acredita que a perseguição religiosa está se aproximando rapidamente nos países ocidentais.

Brunson, que agora atua como conselheiro especial para liberdade religiosa no Family Research Council, disse à Fox News que vê as questões em torno da lei canadense como parte de "uma onda sombria de hostilidade" que ele acredita que vai colidir com a igreja.

"As alturas de comando de nossa cultura - a maioria de nossas instituições - são dominadas por pessoas que não são seguidores sérios de Deus e, portanto, têm pouca simpatia, compreensão ou tolerância para aqueles que são", disse Brunson, que enfatizou que sua declaração não foi um político.

Brunson previu que os cristãos atrairão cada vez mais hostilidade por afirmar que a salvação só pode ser obtida por meio de Jesus, bem como por afirmar que Deus exige obediência em áreas altamente contestadas, como moralidade sexual, identidade, vida, casamento e justiça bíblica.

"Acho que aqueles que seguem os padrões de Jesus serão considerados odiosos e enfrentarão vários graus de pressão social e financeira", disse ele.

O pastor Michael Thiessen, presidente da Liberty Coalition Canada, que iniciou a iniciativa, disse à Fox News que acredita que a resposta do governo à Covid-19 ajudou a preparar o caminho para essa hostilidade.

"A engenharia social está alcançando novos níveis aqui no Canadá", disse Thiessen, que explicou que os políticos canadenses "são menos sutis com a intolerância ao inconformismo" do que seus colegas americanos. “Seja protocolos Covid, liberdade religiosa, discurso forçado – eles estão impondo uma nova ordem social desprovida de nossa herança legal, religiosa ou cultural”.

"Um regime e uma agenda baseados em mentiras precisam ser coercitivos para manter seu poder. Ele não pode depender de persuasão, verdade ou beleza para pregar a verdade e a realidade em nosso tempo", acrescentou.

Siga-nos

Mais do Guiame

O Guiame utiliza cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência acordo com a nossa Politica de privacidade e, ao continuar navegando você concorda com essas condições