Aborto cresce na Espanha: estudo diz que prática é usada como controle de natalidade

Em 2014, país passou a permitir que meninas a partir de 16 anos recorressem à prática; mulheres chegam fazer o procedimento mais de uma vez.

fonte: Guiame, com informações do Life Site

Atualizado: Quinta-feira, 4 Abril de 2019 as 2:41

Em 2014, aproximadamente 1 milhão de pessoas foram às ruas para protestar contra o aborto na Espanha. (Foto: Sergio Pérez / Reuters)
Em 2014, aproximadamente 1 milhão de pessoas foram às ruas para protestar contra o aborto na Espanha. (Foto: Sergio Pérez / Reuters)

Os números de aborto na Espanha entre adolescentes e imigrantes estão aumentando, contribuindo significativamente para um déficit de nascimento que terá consequências negativas de longo alcance para o país, de acordo com um estudo divulgado pelo Institute for Family Policy (IPF).

Entre as descobertas, está a de que mais da metade das mães adolescentes grávidas abortam seus bebês. No caso dos imigrantes, uma em cada três mães imigrantes recorre ao aborto.

O relatório da IPF descobriu que o aborto é usado como uma forma de controle de natalidade na Espanha.

Quatro de cada dez abortos, foram entre mulheres e meninas que abortaram seus bebês anteriormente, repetindo o procedimento. Além disso, 1.390 adolescentes com menos de 20 anos tiveram mais de um aborto, 12.051 mulheres (13% do total) abortaram mais de duas vezes e 4.314 (5% do total) abortaram mais de três vezes.

Na Espanha, meninas de até 16 anos podem solicitar um aborto se tiverem permissão dos pais ou responsáveis. No entanto, se alegarem violência doméstica, por exemplo, elas podem obter serviços sociais do governo.
O estudo constatou que o número de abortos registrados em 2017 (94.123) é igual a um terço do déficit de nascimentos no país. Se não houvesse aborto, o índice de fertilidade seria de aproximadamente 1,7 filhos por mãe em vez dos atuais 1,31 e, portanto, mais próximo do nível de reposição geracional (2,1), revelou o relatório.

O aborto, afirmou, é uma das causas da pirâmide populacional de cabeça para baixo na Espanha, na qual a porcentagem de pessoas idosas está crescendo mais rapidamente do que a mais jovem.

Em 2016, a expectativa de vida na Espanha era de 80 para homens e 85 para mulheres; em 2065, os números subirão para 88 e 91, respectivamente, se as tendências continuarem.
A discrepância entre os nascimentos e o número de idosos ficou clara em um relatório divulgado pela agência nacional de estatística espanhola em janeiro. A agência revelou que após cinco anos consecutivos de diminuição do número de abortos, a Espanha viu em 2017 um aumento de mais de 4.000 bebês abortados em 2016. Houve 10,5 abortos por 1.000 mulheres em 2017, um número menor do que nos anos anteriores a 2010, quando houve 11,71 abortos por 1.000 mulheres.

A IPF revelou que tem havido uma preferência crescente pelo aborto químico (Misoprostol e pílulas do dia seguinte) em relação aos métodos cirúrgicos: um em cada cinco abortos é realizado por meios químicos. O número de abortos químicos quadruplicou: saiude 5% em 2010 para 20% em 2017.

Além disso, o relatório disse que a Espanha está vendo mais abortos do que os estatísticos do governo. Em 2017, o relatório disse que houve mais de 100.000 abortos, uma vez que os dados do Ministério da Saúde da Espanha estão incompletos porque várias regiões do país não relatam o número de abortos químicos. Abortos induzidos por drogas não requerem relatórios de agências governamentais em todos os casos.

Eduardo Hertfelder, presidente do Institute for Family Policy, afirmou que o aborto “destrói o capital humano, põe freios na taxa de natalidade, enquanto promove uma população envelhecida e uma pirâmide populacional invertida”.

A IPF está pedindo a abolição da lei de aborto na Espanha e exigindo um estudo científico dos problemas que as mulheres têm durante a gravidez e em gerar filhos. O instituto quer ver um plano nacional para promover e estudar taxa de natalidade, gravidez e maternidade.

Também quer que o aborto seja designado como um ato de violência contra as mulheres e crianças pré-natais ao aprovar uma lei para a proteção da maternidade, bem como um compromisso do governo com a demografia e a taxa de natalidade.

Em um estudo publicado em 2010 pela Sigma: Revista de Estudos Políticos e Internacionais, a pesquisadora Lauren Soelberg observou que, em 1963, a Europa representava 12,5% da população mundial. “Agora esse número caiu para 7,2% e, em 2050, prevê-se que caia para apenas 5%”, escreveu Soelberg.

Em um artigo publicado no British Medical Journal em 2000, o autor escreveu que a população da Espanha diminuirá em 9,4 milhões nos próximos 50 anos. Citando um relatório das Nações Unidas, em 2050 o país terá a maior porcentagem de pessoas idosas no mundo. A solução, o artigo sugeriu, é importar imigrantes à taxa de 260.000 por ano.

veja também